Atualidades

Comitê pela Prevenção de Homicídios participa de agenda da Campanha da Fraternidade

O Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência (CCPHA) integrou, no último sábado (03/02), no Centro de Pastoral Maria, Mãe da Igreja, uma formação sobre segurança pública da Campanha da Fraternidade 2018, que traz como tema “Fraternidade e superação da violência”.

O deputado Renato Roseno (Psol), relator do Colegiado da Assembleia Legislativa, apresentou a pesquisa sobre os adolescentes assassinados no Ceará e dialogou com as lideranças religiosas sobre ações de prevenção de homicídios no Estado. “É preciso dizer que essas vidas são relevantes”, defendeu.

Apresentando evidências que apontam vulnerabilidades nos territórios mais violentos, o relator do CCPHA detalhou as 12 recomendações do Comitê com foco na prevenção da violência letal. “A exclusão urbana é tão grave quanto a exclusão econômica”, ressaltou.

Pastor presbiteriano e articulador comunitário do CCPHA, Jamieson Simões pediu que as igrejas tenham um papel de mediação dos conflitos nas comunidades e não reforcem o discurso de violência. “Não podemos aceitar nas nossas igrejas o discurso de ódio para dizer que algumas pessoas podem morrer”, salientou.

O coordenador do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) no Ceará, Rui Aguiar, que integra o grupo gestor do Comitê, explicou a importância de manter os estudantes na escola, alertando que 73% dos adolescentes mortos em Fortaleza haviam abandonado o colégio há pelo menos seis meses. “Também é necessário que tenhamos o sentido de responsabilidade comunitária”, complementou.

O Centro de Referência e Apoio à Vítima de Violência (CRAVV) também foi convidado para a agenda sobre segurança pública. A assistente social Ana Paula Vieira apresentou o trabalho do órgão e detalhou o impacto social da violência no Estado.

No encerramento do encontro, o padre Marco Passerini, coordenador regional da Pastoral Carcerária, pediu engajamento dos líderes religiosos e frequentadores das igrejas em ações concretas relacionadas ao enfrentamento da violência. “A campanha não pode se limitar a poucos meses, ela deve continuar durante todo o ano”, opinou.

Dentre os encaminhamentos, está a participação do Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência em outras atividades promovidas pelas pastorais de Fortaleza. A proposta é sensibilizar a comunidade religiosa na desnaturalização dos homicídios no Estado e construir ações relacionadas à prevenção de violência letal.

Da Redação/Com Assessoria

Fonte: Assembleia Legislativa

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

D. Fisichella nos 25 anos da Veritatis Splendor: quem critica o Papa não é fiel à tradição católica

Material em preparação ao Simpósio Arquidiocesano no Ano do Laicato

Mês da Bíblia: Exercício do poder

Episcopalis  Communio

Bairro Ellery festeja São Francisco de Assis

Encontro de preparação para 3ª Semana Catequética Paroquial


QR Code Business Card