Atualidades

[Artigo] Aventura da vida cristã

Aventura da vida cristã

Padre Geovane Saraiva*

A vida humana é uma verdadeira aventura. Aventura é ficar à disposição e se preparar para o que der e vier. Os cristãos, seguidores de Jesus de Nazaré, são convidados a mergulhar no mistério de Cristo, a viver a fé em comunidades, no intuito de participar da sonhada Páscoa definitiva, maior das aventuras, e o sucesso das aventuras transforma as pessoas em bem-aventuradas. O convite do Papa Francisco, perante milhares de pessoas reunidas na Praça de São Pedro (17/07/2016), para a recitação da Oração do Ângelus, veio a calhar muito bem no desafio da aventura cristã, chamando-as a redescobrir a hospitalidade como uma virtude verdadeiramente humana e cristã, uma virtude em que no mundo de hoje corre-se o risco de negligenciá-la.padre_geovane

No Evangelho de Marta e Maria, Jesus não censura o trabalho de Marta. Não poderia ir contra, diante do contexto didático do serviço, do ensinamento e do exemplo generoso da acolhida. O grande desafio e aventura, no ensinamento de Jesus a Marta e aos cristãos, é no sentido de que o Evangelho os converta, a ponto de revisar sua postura de trabalhar, afastando-se e distanciando-os dos sinais de exaspero, estresse e nervosismo, na aventura do dia a dia. A vida eterna, promessa de Jesus, é um presente do Pai para todas as pessoas que nele acreditam e por ele são capazes de se aventurar, na entrega da própria vida, compreendida como mistério de amor, dom e graça de Deus, mas que precisa, a todo custo, ser buscada, ser conquistada.

Recordo-me da aventura do Padre Antônio Vieira, que soube, como sacerdote virtuoso e intelectual da melhor estirpe, aventurar-se, de tal modo que jamais podemos nos esquecer da grandeza e da beleza dos inúmeros sermões, dentre os quais os mais célebres: O sermão do quinto domingo da quaresma, O sermão da sexagésima, O sermão do bom ladrão, O sermão de Santo Antônio aos peixes, etc.

Somos convidados a olhar para uma personalidade talentosa, maior riqueza intelectual do século XVII; inigualável foi no seu conhecimento; quão grandiosa foi sua alma e seu coração. Ao contrário dos que falam demais, Padre Antônio Vieira muito bem falou na esfera profética, não ficando indiferente, sempre que a circunstância lhe exigisse um posicionamento profético, sincero e concreto em favor dos mais desafortunados da vida, especialmente os indígenas e os negros.

Que Deus nos dê a mesma graça, tendo Padre Antônio Vieira como referencial e exemplo, de sempre contemplar a grandeza da bondade e da misericórdia divina, servindo-nos uns aos outros, dentro das nossas possibilidades, do mais alto rigor da razão, numa enorme vontade de também contribuir para que a criatura humana seja cada vez mais aberta e voltada à beleza, a qual transcende e eleva-nos, como na assertiva de Santo Agostinho: “Oh, beleza sempre antiga e sempre nova, quão tardiamente te amei!”.

*Pároco de Santo Afonso e vice-presidente da Previdência  Sacerdotal, integra a  Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza – geovanesaraiva@gmail.com

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Grande Concerto de Natal na paróquia de São João Batista do Tauape.

Ordenações Diaconais na Catedral Metropolitana de Fortaleza dia 21 de dezembro

Dom Aloísio em nossos corações

Papa: a boa política está ao serviço da paz

Entrevista: CF 2019 – A felicidade humana como horizonte das Políticas Públicas


QR Code Business Card