Atualidades

Paróquia São Vicente de Paulo – 3ª Urgência da Ação Evangelizadora: Igreja, lugar de animação bíblica e vida pastoral

Estudo bíblico, capítulo por capítulo;

Objetivo: Fazer com que as nossas comunidades leiam, conheçam e ponham em prática a Palavra de Deus.

Gênesis – 2ª Semana

Introdução

Caso você esteja tomando em mão pela primeira vez esse folheto (2ª Semana), saiba que já saiu o primeiro (1ª Semana). Nesse primeiro, apresento o Livro do Gênesis,  sua divisão,  bem como o estudo dos capítulos 1 e 2. É bom recordar que os capítulos 1 e 2 do Gênesis fazem parte de um bloco muito maior, Gn 1 – 11. Os fatos narrados nesse bloco não são fatos históricos testemunhados e documentados. São mais descrições simbólicas de fatos que sempre costumam acontecer: no passado, no presente e no futuro. Podemos dizer que Adão e Eva são todo casal, todo homem e mulher, desde o primeiro até o último. Caim é todo aquele que maltrata e mata o irmão. As desordens do dilúvio e a confusão que interrompeu a construção da Torre de Babel continuam aí bem visíveis em nossa sociedade contemporânea. É importante que  nossos leitores saibam que textos mesopotâmicos descobertos por arqueólogos influenciaram os autores sagrados que escreveram esse bloco do Gênesis de 1 – 11. Os textos mesopotâmicos datam de 3200 a.C. São eles: a) Relato Enumma Elish – mostra o contraste entre Marduc e a deusa Tiamat; b) Epopeia de Atrahasis – poema épico sobre a criação e o dilúvio universal. O deus Ea era formado pela argila; c) Epopeia de Guilgamesh – sábio que construiu uma arca para enfrentar o dilúvio.

ESTUDO DO CAPÍTULO 3,1-24 (leia o texto)

Neste capítulo, encontramos a ambiguidade humana e a graça de Deus, a origem do mal ou o pecado original, a serpente enganadora, a árvore do meio, “e sereis como deuses”, os dois abrem os olhos, descobrem que estavam nus, se esconderam de Deus, o protoevangelho e Adão e Eva expulsos do jardim do Éden.

O PECADO ORIGINAL

O pecado original não é a tendência que o ser humano tem para abusar do sexo. Alguns leitores podem pensar assim quando leem mal este texto de Gênesis. O pecado original é distanciar-se de Deus em função de um não deus – a própria pessoa que se coloca no lugar de Deus. Os personagens literários do relato do Gênesis, a mulher e o homem, são proibidos de tomar do fruto da árvore da ciência do bem e do mal.

Tomar o fruto da árvore da ciência do bem e do mal significa poder determinar o que é bem ou mal e o que é mal ou maldoso.

É a questão da liberdade vista de outra maneira. O ser humano parece ilimitado quando toma consciência de si mesmo. Quando o homem e a mulher se dão conta de que têm capacidade e possibilidades, eles querem estar no lugar de Deus, ou seja, usurpar a Deus.

A SERPENTE (o tentador)

O tentador é uma serpente (em hebraico, “na-hásh”: pronuncia-se nagaxi) o tentador – serpente recebeu 260 interpretações dos estudiosos bíblicos. Esse réptil, em geral, assusta as pessoas, pois é silencioso e ataca subitamente. É o símbolo da tentação que está sempre à espreita, escondida, mas disposta para atacar. É a personificação do mal, o próprio demônio, o diabo. Vem da religião dos cananeus (povo que habitava Canaã, antes do povo de Israel e que cultuava serpente). No Egito Antigo, a serpente, na tiara do faraó, simbolizava o olho do deus sol, que, com seu hálito, podia destruir os inimigos. Em Canaã e Israel, a serpente era símbolo de Baal, deus da fertilidade, das plantas e dos animais. Na religião oficial, legitimava a concentração de poder nas mãos dos reis. A serpente simboliza poder, sabedoria, juventude (muda a casca) e fertilidade; potência de fertilidade (Canaã); força política (Egito); na epopeia babilônica de Guilgamesh, ela roubava ao herói a planta da imortalidade. Por trás da roupagem mítica, pode-se ouvir a voz das comunidades camponesas e o anúncio dos profetas que denunciam o poder da serpente nas monarquias de Israel. (1Rs 9,16; 31-32; 2Rs 18,4; Os 2,10-15).

Ainda hoje, muitos seguem a lógica da serpente gerando tantos males que atingem a nós e a todas as outras formas de vida no planeta. Mas a última palavra não é da serpente (e serpente fala?). Javé veste o homem e a mulher e os coloca novamente para cultivar o solo, de onde tinham sido tirados, dando assim a chance de realizar-se com o projeto do Criador.

A TENTAÇÃO

A serpente, símbolo do tentador, o adversário, despreza a palavra de Deus e até zomba (leia Gn 3,4-5)

A MULHER

A mulher observa que o fruto é bonito de ser visto e apetitoso. Então, toma do fruto da árvore que lhe era proibido. Oferece ao marido e ele também toma do mesmo fruto. Ai começa a consciência do erro. Imediatamente, os olhos de ambos “se abrem” e eles percebem sua nudez. Antes, não havia qualquer tipo de maldade entre eles. Agora, já sentem um desejo que vai além do encontro afetivo e amoroso. É o pecado da autossuficiência. Diz o texto: “eles se escondem”.

Tudo muda com o pecado. Depois do pecado, quando o ser humano busca ser deus, praticamente tudo muda no relato. O ser humano passa a ter medo de Deus (v.10). Um joga a culpa no outro, empurrando a responsabilidade, encontrando vítimas do próprio erro (v. 11-13). Deus expulsa o ser humano, homem e mulher, do jardim (v. 23-24).

Antes do pecado, a criação “era boa”. Agora, tudo está em crise. A serpente será assustadora (v.14); ela porá medo na mulher e a mulher pisará na sua cabeça (v.15); a mulher dará à luz com dores no parto (v.16); o homem deverá sofrer para conseguir algo da natureza (v.18-19), sendo que antes era tudo fácil, normal e abundante.

Um destaque especial damos a Gn 3,15.

O magistério da Igreja, através de muitos padres da Igreja, aplica este versículo a Maria, principalmente a Imaculada Conceição. Esta imagem é símbolo do triunfo de Deus sobre o mal. Deus prometeu no paraíso que uma mulher humilharia uma serpente ao dar à luz seu filho. Maria é essa mulher ou a nova Eva, livre do pecado original desde antes de sua concepção, graças à obra redentora de seu filho Jesus, que nos liberta do mal e da morte eterna. Esse versículo bíblico é chamado pelos padres da Igreja de protoevangelho. A tradição da vulgata traduz essa passagem como “ela, a mulher  te  esmagará a cabeça.” A mãe do Messias tem um papel importante na história da salvação .

EXERCÍCIO

1)   Faça um resumo do que foi estudado na primeira semana.

2)   De acordo com o que foi estudado, o que é o pecado original?

3)   Você concorda com a afirmação de que o pecado original continua hoje? Comente.

4)   O que podemos dizer sobre:

      a) a árvore do conhecimento do bem e do mal;

      b) a serpente enganadora.

5) Serpente em hebraico.

MENSAGEM

O relato do pecado original é mítico, mas o pecado original acontece ainda hoje através da autossuficiência humana, quando o ser humano deseja ir além dos limites da lei natural. Por lei natural entendemos aquilo que a natureza impõe às pessoas. É o que se reconhece como estabelecido sem a interferência humana. Esta lei natural é algo muito questionado na pós-modernidade. Deseja-se separá-la, rompê-la. É a velha tentação do pecado original que fez o ser humano querer ser Deus, determinando até a própria natureza: os movimentos que insistem em arbritrar algo diferente do que a lei natural apresenta;

as iniciativas de interromper a vida (aborto, pílula abortiva, etc.), pois “cada um, cada uma é dono de seu corpo”;

a arrogância humana em querer se colocar como deus de si mesmo e determinar o que devem ser e como devem ser a natureza e seus semelhantes. Tudo isso é um sinal da ausência de Deus. Nos capítulos 1, 2 e 3 do Gênesis, presenciamos grandes temas da teologia: a criação e a queda – pecado. Nesses temas, Deus é o protagonista divino; Satanás, a grande serpente, é o antagonista; e o povo de Deus, os agonistas, ou seja, que vivem a ambiguidade humana em busca da graça de Deus. O termo “agonista” é retirado da literatura, em que o personagem principal de uma trama está envolvido em alguma disputa ou luta.

Em síntese, Gn 3,1-24, que traz a queda, ou seja, o pecado original, quis nos mostrar que esse pecado continua hoje. Rompê-lo é estar com o Cristo.

TEXTOS BÍBLICOS DO GÊNESIS,

Capítulo 3, na liturgia nos ciclos A, B e C e dos anos Impares, pares.

5ª Semana Comum do Ano Impar

6ª feira – Gn 3,1-8

Sábado – Gn 3,9-24

10º Domingo do Tempo Comum – B – Gn 3,9-15

Dia santo da Imaculada Conceição – 8/12 – Gn 3, 9-15. 20

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA APROFUNDAMENTO   

 – Bíblia Sagrada

 – Ivo Storniolo e Euclides Martin Balancin  Como ler o livro do Gênesis –Editora   Paulus 1991

– Dianne Bergant e Robert S. Karris The collegeville Bible commentary – Minnesota, E.U.A 1989

– São Gerônimo – Antigo Testamento  Editora Paulus, 2011

– Alfons Deisseler, O anúncio do Antigo Testamento , Editora Paulus 1984

– Gianfranco Ravasi, A narrativa do Céu – As histórias, as ideias e os personagens do Antigo    Testamento –Editora Paulinas  1999

– John Bright , História de Israel – Editora Paulus ,2000

– Drolet, Gilles – Comprendre L’ ancien Testament, Canada,2006

– Grelet,Pierre – Homme qui es-tu? Les onze premieres chapitres  de la Génèse, Paris, CERF, 1973

– Anotações pessoais – Pe. Neto

– Elaboração – Pe. Raimundo Nonato de Oliveira Neto – Pároco da Paróquia de São Vicente de Paulo e Especialista em Teologia Bíblica

– Revisão – Pe. Emílio César Porto Cabral – Pároco da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição – Messejana e Mestre em Teologia Bíblica.

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Na celebração do I Dia Mundial dos Pobres Arquidiocese lança a 9ª Festa da Vida

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018


QR Code Business Card