Atualidades

“Uma semana especial para a Família”

Todos os anos, no mês de agosto, mês dedicado às diversas vocações na Igreja, celebra-se a Semana da Família. É significativa a comemoração do Dia dos Pais no segundo domingo de agosto. Ligada a esta comemoração, já há diversos anos realiza-se a Semana da Família.

            Por que este destaque especial à Família na vida eclesial e na ação evangelizadora da Igreja.

            Sempre a Família foi reconhecida ambiente eclesial. Desde os inícios da História da Igreja, passou pelas famílias o caminho do Evangelho. Já nos Atos dos Apóstolos vemos que o anúncio do Evangelho vai repercutir na vida das pessoas e em seu ambiente natural fundamental, a família. Assim serão convertidas e batizadas famílias inteiras (cf. At. 10 e 16)

            Será assim que, a família – primeira comunidade humana natural, se constituirá em célula da Igreja – Igreja doméstica. Ali se reúnem dois ou mais em nome de Cristo e, como Ele mesmo prometeu, está no meio deles.

            A história humana é toda ela marcada de engrandecimento de um lado e de ataques à instituição familiar por outro. A humanidade ferida pelo pecado é ambígua em suas realizações. Muitos males que brotam no coração humano ferem os relacionamentos familiares e degeneram as estruturas sociais a partir da célula familiar.

            A graça salvadora de Cristo é oferecida à humanidade para sua redenção. Ela toca as pessoas humanas no mais íntimo de seu ser. O Evangelho é oferecido respeitosamente à inteligência e à liberdade de cada pessoa humana. Já o prólogo do Evangelho segundo João (cap. 1) nos apresenta esta misericordiosa e estupenda obra de Deus: 9 Esta era a luz verdadeira, que vindo ao mundo a todos ilumina. (Jesus – o Verbo feito carne) 10 Ela estava no mundo, e o mundo foi feito por meio dela, mas o mundo não a reconheceu. 11 Ela veio para o que era seu, mas os seus não a acolheram. 12 A quantos, porém, a acolheram, deu-lhes poder de se tornarem filhos de Deus: são os que crêem no seu nome. 13 Estes foram gerados não do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus. 14 E a Palavra se fez carne e veio morar entre nós. Nós vimos a sua glória, glória que recebe do seu Pai como filho único, cheio de graça e de verdade. … 16 De sua plenitude todos nós recebemos, graça por graça. 17 Pois a Lei foi dada por meio de Moisés, a graça e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo. 18 Ninguém jamais viu a Deus; o Filho único, que é Deus e está na intimidade do Pai, foi quem o deu a conhecer.”

            Em sintonia e continuidade com o VII Encontro Mundial das Famílias, que ocorreu em Milão nos dias 1 a 3 de junho p.p., promovido pelo Pontifício Conselho para a Família, a Semana da Família no Brasil, promovida pela CNBB, a se realizar entre os dias 12 e 18 de agosto próximo, dedica-se ao tema: “Família – o trabalho e a festa”. Sempre propondo o aprofundamento da vida familiar no Evangelho de Jesus para que a vida familiar seja iluminada e potenciada pela fé.

            Não temos apenas o que de obscuro e tenebroso a dizer sobre a realidade familiar hoje. Temos muita luz e testemunho de realização e felicidade na família que encontrou seu Caminho, sua Verdade e sua Vida.

            O Papa Bento XVI assim se referia à evangelização da família em sua homilia no encontro de Milão: “O projeto de Deus para o casal humano alcança a sua plenitude em Jesus Cristo, que elevou o matrimônio a Sacramento. Com um dom especial do Espírito Santo, queridos esposos, Cristo faz-vos participar no seu amor esponsal, tornando-vos sinal do seu amor pela Igreja: um amor fiel e total. Se souberdes acolher este dom, renovando diariamente o vosso «sim» com fé e com a força que vem da graça do Sacramento, também a vossa família viverá do amor de Deus, tomando por modelo a Sagrada Família de Nazaré. Queridas famílias, pedi muitas vezes, na oração, o auxílio da Virgem Maria e de São José, para que vos ensinem a acolher o amor de Deus como o acolheram eles. A vossa vocação não é fácil de viver, especialmente hoje, mas a realidade do amor é maravilhosa, é a única força que pode verdadeiramente transformar o universo, o mundo.

            Daí a feliz conclusão a ser trabalhada como reconstrução da mesma realidade familiar: “Família, trabalho, festa: três dons de Deus, três dimensões da nossa vida que se devem encontrar num equilíbrio harmonioso. Harmonizar os horários do trabalho e as exigências da família, a profissão e a paternidade e maternidade, o trabalho e a festa são importantes para construir sociedades com um rosto humano. Nisto, privilegiai sempre a lógica do ser sobre a do ter: a primeira constrói, a segunda acaba por destruir. É preciso educar-se para crer, em primeiro lugar na família, no amor autêntico: o amor que vem de Deus e nos une a Ele e, por isso mesmo, «nos transforma em um Nós, que supera as nossas divisões e nos faz ser um só, até que, no fim, Deus seja “tudo em todos” (1 Cor 15, 28)» (Enc. Deus caritas est, 18). Amém.”  Bento XVI

            Como não perceber atuante a força renovadora do Evangelho de Jesus para a renovação da vida humana, a recriação da família humana, a reconstrução da sociedade humana!

+ José Antonio Aparecido Tosi Marques

Arcebispo de Fortaleza

Compartilhe

Subir

2 Comentários »

2 Comentários »

  • Marly disse:

    Parabéns D. José Antonio Aparecido pela linda mensagem deixada a todas as famílias do Brasil. Como seria bom se todas as famílias parassem para refletir o seu papel na sociedade nesta semana nacional da família. Família de Nazaré Santificai a nossa a família. Amém!

  • Marcelo Silva Nunes disse:

    que DEUS te abençoe e te guarde,mostre a sua face para ti e tenha misericórdia de ti,volva para ti o seu olhar e te dê a paz.te abençoe em nome do pai,do filho e do Esperito Santo .amém.sou francisco secular a seviço da igreja na pastoral da sobriedade


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018

Editorial – novembro 2017: “Ano do Laicato no Brasil”


QR Code Business Card