Atualidades

“Hora Santa Eucarística em sintonia com o Papa Francisco”

O Ano da Fé nos tem proporcionado diversos eventos que nos colocam em comunhão eclesial em todo o mundo.

No dia 2 de junho, domingo, quando em diversos países do mundo se celebra a Solenidade do Corpo e Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo (Corpus Christi), o Santo Padre convidou a todos os bispos e Igrejas Particulares no mundo a se unirem a ele sincronicamente e em espírito de comunhão para a adoração de Jesus na Santíssima Eucaristia por duas intenções que expressam conjuntamente o crescimento de toda a Igreja na Fé.

Assim a Igreja toda testemunha sua vida fundada em Cristo e a presença de Jesus entre os seus, como Ele mesmo prometeu: “Eis que estarei convosco todos os dias até o fim dos tempos” (Mt 28,20).

O Santo Padre pede que o momento de adoração eucarística seja oferecido de modo particular:

1. Pela Igreja espalhada por todo o mundo e, hoje, em sinal de unidade recolhida na Adoração da Santíssima Eucaristia. O Senhor a torne cada vez mais obediente à escuta da sua Palavra para apresentar-se diante do mundo sempre “mais bela, sem mancha ou ruga, mas santa e imaculada” (Ef 5,27). Através do seu anúncio fiel, possa a Palavra que salva ecoar hoje como portadora de misericórdia e provocar um renovado compromisso no amor para dar pleno sentido à dor, ao sofrimento e restituir a alegria e a serenidade.

2. Por aqueles que, em diferentes partes do mundo, vivem o sofrimento de novas formas de escravidão e são vítimas de guerras, do comércio de pessoas, do tráfico de drogas e do trabalho “escravo”, e pelas crianças e mulheres que sofrem todo tipo de violência. Que o seu grito silencioso possa encontrar vigilante a Igreja que, mantendo o olhar fixo em Cristo crucificado, não esqueça tantos irmãos e irmãs deixados à mercê da violência. Por todos aqueles ainda que se encontram na precariedade econômica, especialmente os desempregados, os idosos, os imigrantes, os sem-abrigo, os presos e todos os que experimentam a marginalização. Que a oração da Igreja e a sua ativa ação de aproximação lhes dêem conforto e apoio na esperança, força e coragem na defesa da dignidade da pessoa.

Estas intenções mostram muito bem a necessidade interna da Igreja de ser cada vez mais fiel na comunhão com o seu Senhor, no seguimento de Jesus e no testemunho cada vez mais coerente com Aquele que é o seu fundamento e razão de ser. Também manifestam claramente a missão da Igreja renovada pela Fé: viver para a salvação do mundo, sendo dela sinal e instrumento. (cf. LG 1) A Igreja vive para expressar a misericórdia de Deus.

A referência a Jesus é que dará consistência e vitalidade à comunidade dos discípulos e à fecundidade de sua ação no mundo. Sem esta presença atuante do Senhor, nada pode a organização humana da Igreja. “Sem mim nada podeis fazer.” (Jo 15,5)

É para esta realidade fundamental que está voltado o Ano da Fé: o encontro vivo e contínuo com a pessoa de Jesus, o Filho encarnado do Pai Eterno, o Salvador do mundo, que age pelo seu Espírito Santo na comunhão dos homens, a Igreja. Nela continua a realização de sua obra de salvação.

Ela é a expressão misericordiosa e condescendente do Deus Amor pela humanidade e toda a Sua criação.

De nossa comunhão em Cristo, tudo depende.

 + José Antonio Aparecido Tosi Marques

Arcebispo de Fortaleza

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Na celebração do I Dia Mundial dos Pobres Arquidiocese lança a 9ª Festa da Vida

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018


QR Code Business Card