Atualidades

[Editorial] Oração para a santificação dos sacerdotes

“Oração para a santificação dos sacerdotes”

 

Neste ANO JUBILAR EXTRAORDINÁRIO DA MISERICÓRDIA celebramos na Sexta-feira, dia 3 de junho, Solenidade do Sagrado Coração de Jesus, a JORNADA MUNDIAL DE ORAÇÕES PELA SANTIFICAÇÃO DOS SACERDOTES. Nesta celebração tão significativa também os sacerdotes encontram no Coração de Cristo a expressão máxima do Amor Misericordioso de Deus, do qual são feitos privilegiados servidores.  Unimo-nos em nossa Igreja arquidiocesana ao JUBILEU DOS SACERDOTES em Roma com o Santo Padre o Papa Francisco e toda a Igreja.cnbb_dom-José

São assim chamados todos os sacerdotes diocesanos e religiosos em nossa Arquidiocese para participar da programação deste Jubileu próprio para os sacerdotes.

Sendo já esta Solenidade do Coração de Jesus, mundialmente, a Jornada de Oração pela santificação dos sacerdotes, os fieis são convidados à intercessão pelos seus pastores.

São palavras do Papa na convocação para o Ano da Misericórdia: “E sobretudo escutemos a palavra de Jesus que colocou a misericórdia como um ideal de vida e como critério de credibilidade para a nossa fé: « Felizes os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia » (Mt 5, 7) É a bemaventurança a que devemos nos inspirar, com particular empenho, neste Ano Santo.” (MV 9 – Papa Francisco)

O dia jubilar da Misericórdia para os Sacerdotes será preparado por um dia de espiritualidade e experiência pessoal da Misericórdia de Deus em suas próprias vidas. É do encontro pessoal com o Senhor em Seu Amor Misericordioso, que o homem pode se fazer discípulo de Cristo. Experimentando em sua própria vida o Amor de Deus, é irresistivelmente chamado a dar sua resposta no mesmo Amor no relacionamento com todos os irmãos, realizando no mundo todo, sem fronteiras, a Família dos filhos de Deus. Da misericórdia recebida recebe o impulso para que toda a vida se torne expressão da misericórdia.

O sacerdote, tocado pela misericórdia divina, “misericordiado” em sua própria pessoa, como costuma se expressar o Papa, usando de seus neologismos, torna-se também ele “misericordioso” para com todos, servidor da misericórdia divina para os irmãos.

O sacerdote, ele mesmo, necessitado de misericórdia como todos os homens frágeis e pecadores, é tomado pelo Amor de Deus para ser testemunha da infinita medida do Amor Misericordioso do Senhor e Pai para com todos os seus filhos.

E todo o serviço pastoral será marcado pela misericórdia, será expressão do Deus que vai em busca da “ovelha perdida”, que espera e acolhe e abraça e eleva o “filho pródigo” e com ele no seio da família faz festa.

Graça especial do Ano Jubilar é o perdão, a reconciliação. O sacerdote foi feito pelo Senhor, já na expressão primeira do fruto pascal de Sua morte e ressurreição, pacificado pelo Dom do Espírito Santo transmitido por Jesus (cf. Jo 20, 19-23), mensageiro do perdão e da paz no Espírito.

No ministério apostólico o sacerdote é portador do perdão e da paz através do Sacramento da Reconciliação. É assim chamado ao acolhimento dos que buscam o dom do Senhor, dos que, atravessando a Porta Santa, vão ao encontro do Pai.

“Grande alegria é o fruto do Espírito que realiza a redenção no Amor Misericordioso do Senhor. Para esta alegria todos são convidados na graça do Jubileu. ao atravessar a Porta Santa, deixar-nos-emos abraçar pela misericórdia de Deus e comprometer-nos-emos a ser misericordiosos com os outros como o Pai o é conosco.

O Senhor Jesus indica as etapas da peregrinação através das quais é possível atingir esta meta: « Não julgueis e não sereis julgados; não condeneis e não sereis condenados; perdoai e sereis perdoados. Dai e ser-vos-á dado: uma boa medida, cheia, recalcada, transbordante será lançada no vosso regaço. A medida que usardes com os outros será usada convosco » (Lc 6, 37-38). Ele começa por dizer para não julgar nem condenar. Se uma pessoa não quer incorrer no juízo de Deus, não pode tornar-se juiz do seu irmão. É que os homens, no seu juízo, limitam-se a ler a superfície, enquanto o Pai vê o íntimo. Que grande mal fazem as palavras, quando são movidas por sentimentos de ciúme e inveja! Falar mal do irmão, na sua ausência, equivale a deixá-lo mal visto, a comprometer a sua reputação e deixá-lo à mercê das murmurações. Não julgar nem condenar significa, positivamente, saber individuar o que há de bom em cada pessoa e não permitir que venha a sofrer pelo nosso juízo parcial e a nossa pretensão de saber tudo. Mas isto ainda não é suficiente para se exprimir a misericórdia. Jesus pede também para perdoar e dar. Ser instrumentos do perdão, porque primeiro o obtivemos nós de Deus. Ser generosos para com todos, sabendo que também Deus derrama a sua benevolência sobre nós com grande magnanimidade.

Misericordiosos como o Pai é, pois, o lema do Ano Santo. Na misericórdia, temos a prova de como Deus ama. Ele dá tudo de Si mesmo, para sempre, gratuitamente e sem pedir nada em troca. Vem em nosso auxílio, quando O invocamos. … Dia após dia, tocados pela sua compaixão, podemos também nós tornar-nos compassivos para com todos.” (MV, 14 – Papa Francisco)

 

 

 

+ José Antonio Aparecido Tosi Marques

Arcebispo de Fortaleza

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Alto Alegre realiza Festejo

Equipe da 5º Urgência da Região Nossa Senhora da Conceição promove encontro sobre Reforma Trabalhista

Alto do Moinho, em Canindé realiza festejo a seu Padroeiro

São Luís Gonzaga

Muticom de Férias acontecerá em Maranguape (CE)


QR Code Business Card