Atualidades

Uma noite de Franciscos

Após um dia de atividades em Aparecida, o Papa Francisco retornou ao Rio de Janeiro para a inauguração do Polo de Atenção Integral à Saúde Mental (PAI), do Hospital São Francisco de Assis, no bairro da Tijuca, um dos legados sociais da JMJ Rio2013.

As figuras de São Francisco de Assis e do Bom Samaritano foram evidenciadas no discurso do Santo Padre. Citando o momento de conversão definitiva do santo italiano, ao abraçar um leproso, Papa Francisco estendeu seu abraço aos presentes e falou sobre o significado do abraço como acolhida cristã ao mais necessitado. “Precisamos todos de olhar o outro com os olhos de amor de Cristo, aprender a abraçar quem passa necessidade, para expressar solidariedade, afeto e amor”, destacou.

Mas só abraçar não é suficiente. Segundo o Santo Padre, é preciso estender a mão a quem vive em dificuldade, a quem caiu na escuridão da dependência, talvez sem saber como, ao exemplo do Bom Samaritano. Mas que isso não exclui a responsabilidade de cada um pela sua própria recuperação. “Você é o protagonista da subida; esta é a condição imprescindível! Você encontrará a mão estendida de quem quer lhe ajudar, mas ninguém pode fazer a subida no seu lugar. Mas vocês nunca estão sozinhos! A Igreja e muitas pessoas estão solidárias com vocês”, exortou o papa.

E ao final, deixou uma mensagem a todos que lutam contra a dependência química e aos seus familiares: “a Igreja não está longe dos esforços que vocês fazem, Ela lhes acompanha com carinho. O Senhor está ao lado de vocês e lhes conduz pela mão. Olhem para Ele nos momentos mais duros e Ele lhes dará consolação e esperança. E confiem também no amor materno de Maria, sua Mãe. Esta manhã, no Santuário da Aparecida, confiei cada um de vocês ao seu coração. Onde tivermos uma cruz para carregar, ao nosso lado sempre está Ela, nossa Mãe. Deixo-lhes em suas mãos, enquanto, afetuosamente, a todos abençôo.”

O centro tem capacidade para atender 70 dependentes químicos no período de crise e deverá se tornar um centro de referência e aprendizado na área. A Conferência Episcopal Italiana colaborou com a obra, que contará com parcerias governamentais para o seu funcionamento.

Assim que chegou, o Santo Padre foi acolhido pelos fiéis e visitou a capela da casa de saúde, reformada recentemente. Em seguida, fez questão de cumprimentar as pessoas que o esperavam para este encontro, que fazem parte da rede de assistência social da Arquidiocese do Rio de Janeiro. O sorriso aberto e a ternura em seus olhos eram constantes em cada aperto de mão e bênção dada aos peregrinos.

O arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, acolheu o Sumo Pontífice com um discurso iniciado por um trecho do Documento de Aparecida, ao qual o então cardeal Bergoglio foi relator em 2007. “Estas palavras do Documento de Aparecida tornam-se realidade no dia-a-dia das atividades deste hospital, sem dúvida uma obra de misericórdia e de promoção da dignidade de cada mulher e cada homem”, assinalou o presidente do Comitê Organizador Local da JMJ.

O coordenador do legado social da JMJ Rio2013, padre Manuel Manangão, explicou o projeto da Rede de Tratamento da Dependência Química da Arquidiocese. “A Missão da Rede é contribuir para o desenvolvimento de ação transformadora das condições de vida de pessoas em situação de dependência química, por meio de trabalho articulado e complementar das instituições da Arquidiocese e parceiros, oferecendo oportunidade de acolhimento, tratamento de dependência química, acesso a direitos assim como promover a capacitação de agentes de prevenção e, integração com as políticas públicas”.

Um dos momentos mais emocionantes foi o depoimento de dois jovens recuperados de sua dependência química em instituições católicas. “Sei, pelo sofrimento e humilhação que passei, o quanto é importante que bons samaritanos e outros franciscos se compadeçam de nós”, afirmou um deles que viveu 17 anos sob o vício das drogas e 10 deles como morador de rua. Sob as lágrimas dos jovens recuperados, Papa Francisco os abraçou fraternalmente.

O diretor do Hospital, Frei Francisco Belotti, saudou o Santo Padre com um discurso emocionado e caloroso. “Querido Pai, o Senhor não pode imaginar o tamanho da nossa alegria ao ver-te escolhido Papa e, esta alegria, aumentou quando escolheu o nome Francisco. A felicidade cresceu quando mostrou aquele sorriso surpreso, mas repleto de humildade… O nosso amor teve uma explosão quando inclinou a cabeça e pediu a nossa oração, pois naquele momento o Senhor revelou ao mundo que o nome Francisco não era apenas o nome, mas um projeto de vida. E que também não é uma atitude nova, mas uma continuidade de quem o Senhor é, daquilo que faz, vive e quer continuar vivendo”, disse.

Fonte: JMJ – http://www.rio2013.com/pt/noticias/detalhes/3326/uma-noite-de-franciscos

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Visita Pastoral na Paróquia de Nossa Senhora da Penha, Maranguape

II Romaria Bíblica e encontro sobre contabilidade na Região São Pedro e São Paulo

Palestras sobre o tema Comunicação na Faculdade Católica de Fortaleza

Convite de Dom José Antonio – Simpósio Arquidiocesano no Ano Mariano

Liturgia Diária: Evangelho – Lc 8,1-3


QR Code Business Card