Atualidades

Seminário de Assessores de CEBs discute cultura urbana e os seus desafios

Terminou neste domingo, 11, o 4º Seminário de Assessores de Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) promovido pelo Setor CEBs da Comissão Episcopal Pastoral para o Laicato da CNBB em parceria com o Iser Assessoria.

O seminário teve início na quinta-feira, 8, no Centro de Formação Sagrada Família, da arquidiocese de São Paulo (SP), e contou com a presença de 30 pessoas representando os Regionais Leste 1 (Rio de Janeiro) e 2 (Minas Gerais e Espírito Santo), Sul 1 (São Paulo), 2 (Paraná), 3 (Rio Grande do Sul) e 4 (Santa Catarina). Também esteve no evento o bispo auxiliar da arquidiocese de São Paulo e membro da Comissão para o Laicato da CNBB, dom Milton Kenan.

Como nas três últimas edições do Seminário, realizados no Rio de Janeiro, Brasília e Caruaru, desta vez, o encontro tinha por objetivo colaborar na formação de equipes de assessores de CEBs para ajudá-los na animação e articulação das mesmas diante da urgência proposta pelas atuais DGAE: “Igreja: comunidade de comunidades”.

Ao fazer a primeira apresentação, o padre José Oscar Beozzo abordou a trajetória das CEBs do Concílio Vaticano II até a Conferência de Aparecida, quando chamou a atenção para a necessidade de formação de comunidades semelhantes ao modelo paulino: que os cristãos se encontrem nas casas.

A socióloga Solange Rodrigues, do Iser Assessoria, e o assessor do Setor CEBs, o professor Sérgio Coutinho, fizeram uma apresentação sobre “Identidade e Diversidade das CEBs”. Solange Rodrigues chamou a atenção para o fato de que “as CEBs possuem uma dimensão relacional, ou seja, foram geradas e se multiplicaram em contraste com outras experiências eclesiais; e uma dimensão processual, pois elas se transformaram com as mudanças que ocorreram (e ainda ocorrem) neste atual contexto e interagem com ele”. Sérgio Coutinho procurou fazer uma distinção entre as CEBs, enquanto “dimensão ou nível estrutural micro” da organização eclesial “conforme fala Medellín e Aparecida no nº 178”, e “pequenas comunidades” que deve-se entendê-las enquanto “grupos eclesiais” e não são níveis de estruturação.

Sobre os desafios sócio-políticos para as CEBs hoje, o padre Alfredo Gonçalves, enfatizou que estamos diante de uma “encruzilhada” e que requer escolhas, tomadas de posição. Ela nos ensina que além da via parlamentar, existem outras vias para a participação popular no processo político. “Não podemos restringir nossa ação política, nossa ação a um determinado partido, por mais avançado que seja”, afirmou. Sobre este tema também, o sociólogo Ivo Lesbaupin, do Iser Assessoria, fez um balanço da atual crise econômica e seus impactos na realidade brasileira.

No penúltimo dia, Fernando Altemeyer Jr., apresentou os desafios culturais e religiosos no mundo urbano para as CEBs. Quando o mundo atual caminha sob o slogan do “Sinto logo existo” e “Consumo logo sou”, as CEBs devem continuar a trabalhar para manter viva a memória, a solidariedade, a rede e, principalmente, a festa, pois estes trazem um tipo de felicidade que difere daquela que é apresentada pelo mercado. Por isso, as CEBs não podem se deixar levar pelo hiper-consumismo, não perder de vista a juventude, estar do lado daqueles em estado de vulnerabilidade social e continuar a construção de um diálogo ecumênico e inter-religioso.

Sobre o trabalho do assessor propriamente dito, o padre Benedito Ferraro, assessor da Ampliada Nacional das CEBs, partilhou sua experiência com os participantes. Em sua prática, dois eixos devem estar interligados: Fé e Vida. A “Fé” é a porta de entrada na grande tradição da história do Povo de Deus, de Jesus Cristo e de sua Igreja e pela “Vida” entramos no mundo da economia, da ideologia, da cultura e da política.

Na conclusão do seminário, Francisco Orofino, biblista do CEBI e membro do Iser Assessoria, fez uma síntese do seminário chamando a atenção para as CEBs e os cuidados que elas devem ter diante dos desafios do mundo contemporâneo. Tomando como base a experiência das comunidades joaninas, descrita no capítulo 13 do livro do Apocalipse, as CEBs precisam estar atentas para a atuação das “duas bestas”: a violência e a corrupção. As CEBs ainda são um “espaço alternativo para a construção de relações verdadeiras”, afirmou.

A realização e a experiência adquirida nestes seminários vão possibilitar a realização de outros em nível nacional, durante o próximo quadriênio de trabalho do Setor CEBs da CNBB.

POR: CNBB

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018

Editorial – novembro 2017: “Ano do Laicato no Brasil”


QR Code Business Card