Atualidades

Pe. Dimas participou da Semana de Formação Missionária para os párocos em Brasília

Encerrou na sexta-feira, 07 de outubro, mais uma Semana de Formação Missionária para Párocos e Vigários, promovida pelas Pontifícias Obras Missionárias (POM) em parceria com o Centro Cultural Missionário (CCM). A formação, que acontece pela segunda vez na sede nacional das POM, em Brasília, reuniu 32 sacerdotes para discutir, estudar e aprofundar temas com enfoque na dimensão missionária.

Durante os cinco dias de Semana Missionária, os padres tiveram como assessores o diretor executivo do Centro Cultural Missionário (CCM), padre Estêvão Raschietti, que tratou da temática “Kairós da Missão nos documentos do magistério com enfoque pastoral: do Vaticano II até Aparecida”; padre Gervásio Queiroga, que assessorou o tema “A caminhada missionária da Igreja no Brasil desde a fundação da CNBB”, e, por fim, os padres das POM, que assessoram o tema “Organograma da Igreja no Brasil: Pontifícias Obras Missionárias, Campanha da Fraternidade, Dia Mundial das Missões e Mês Missionário”.

Concílio Vaticano II e a Missão

Questionado se a caminhada missionária da Igreja no Brasil sofreu mudanças significativas, após o Concílio Vaticano II, padre Gervásio Queiroga foi enfático ao afirmar que as mudanças podem ser vistas, mas foram poucas. Ele ressaltou, porém, que há uma recuperação hoje da fundamentação da temática.

“Mudou menos do que a gente gostaria, mas houve mudanças. Passamos de uma fase após o Concílio Vaticano II em que a missão como palavra e conteúdo entrou um pouco em crise também na Igreja no Brasil. Hoje há uma recuperação principalmente com o Documento de Aparecida, com as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE) e com o trabalho firme e permanente das Pontifícias Obras Missionárias” destacou padre Gervásio.

Também citou o Concílio Vaticano II o padre Estêvão Raschietti. De acordo com ele, o grande encontro dos bispos ao redor do papa foi decisivo para a nova visão de missão que se instaurou na Igreja em todo o mundo. “O Concílio Vaticano II colocou o conceito de missão no coração da trindade, fez-nos entender Deus como o primeiro grande missionário, como fonte de toda a missão, e a desligou de uma tarefa da Igreja. A missão, a partir dali, passou a ser uma ação divina, onde a Igreja participa”, disse padre Estêvão.

A Semana de Formação Missionária

Padre Estêvão avaliou positivamente a Semana de Formação Missionária e afirmou que os participantes se interessaram principalmente pela teologia da missão. “Os padres manifestaram o desejo de aprofundar assuntos missionários tanto da teologia da missão como de alguns assuntos práticos. Eles manifestaram interesse pela questão teológica porque essa dimensão caminha para uma nova visão de Igreja, ou seja, de se abrir para horizontes maiores e não se preocupar apenas com a paróquia e suas necessidades”.

Pe. Dimas

Para o padre Dimas Gonçalves, da arquidiocese de Fortaleza (CE), o encontro foi fiel às propostas da Igreja de se tornar discípula-missionária. O sacerdote se comprometeu ainda em levar adiante o conteúdo da semana de formação. “O curso permaneceu dentro da proposta da Igreja de ser discípula-missionária como somos chamados. Despertou em mim o desejo de conhecer e aprofundar o tema sobre a Missão Ad Gentes. Foi enriquecedor e nos encheu de ardor missionário para voltarmos para a nossas dioceses e paróquias e incentivar esse dimensão da Igreja”, sublinhou.

O Padre Marcos Donizetti, da diocese de Itapetinga (SP) disse que a sua diocese conta com a presença do Conselho Missionário Diocesano (Comidi) e dos Conselhos Missionários Paroquiais (Comipas), justamente por isso, o encontro veio para reforçar o seu o conhecimento sobre os trabalhos missionários e impulsionar ainda mais seu interesse por esta dimensão. “Na minha diocese já temos uma forte presença da dimensão missionária e essa formação veio de encontro aos anseios que eu vinha buscando que é me aprofundar na missão”.

Padre Marcos Donizetti

O que mais chamou a atenção do padre Sidney Fabril, da arquidiocese de Maringá (PR) foi a missão além-fronteiras. Ele afirmou que pensar nesse aspecto da missão leva a Igreja a se tornar mais solidária e pensar além de si, naqueles que mais precisam. “Somos muito voltados para nós mesmo, para as nossas próprias realidades e não conseguimos olhar para a outra margem. Ficamos esperando ter mais missionários para a nossa realidade e às vezes isso não acontece justamente porque está faltando a partilha. Antes de pensar em nós mesmo temos que partilhar com quem tem menos ainda. Só assim vamos conseguir despertar vocações para nós. Quem não partilha com os outros, quem não doa, acaba não recebendo e não crescendo. Precisamos tomar a iniciativa de doar para termos mais”, afirmou o coordenador de pastoral da arquidiocese de Maringá.

Na avaliação do diretor nacional das POM, padre Camilo Pauletti, o encontro foi positivo principalmente pelo conteúdo desenvolvido e acolhido pelos participantes, como também por tornar a entidade e seus trabalhos conhecidos por aqueles que trabalham nas bases da Igreja: o pároco. “Foi positivo pelas reações dos padres que participaram. Percebemos que precisamos caminhar muito para informar sobre a situação missionária. Muitos deles não conheciam o que são as POM, nem como é feito e são distribuídos os materiais. Alguns têm conhecimento dos trabalhos da Infância e Adolescência Missionária, mas quase nada além disso. Outros dão a entender que nem sabiam que quem produz o material da Campanha Missionaria são as Pontifícias Obras Missionárias. O que encontro é importante porque ajuda a fazer conhecer as POM e justamente por isso nós planejamos continuar com as formações”.

Fonte: http://www.pom.org.br

Escrito por Fúlvio Costa

Sex, 07 de Outubro de 2011 18:11

Compartilhe

Subir

1 Comentário »

1 Comentário »

  • joão do Carmo Filho disse:

    Há algum tempo, sobretudo, após o Vaticano II, fala-se muito sobre missão, e, na verdade, o de que mais se precisa é, sim, de FORMAÇÃO: a partir, a propósito, de quem recebeu informações, conhecimento, para, de imediato, repassar aos demais que estão nas paróquias, comunidades, verdadeiras destinatárias "ad gentes" – do mais próximo, ao mais distante, relativamente. Que o Divino Espírito Santo nos inspire a todos. João do Carmo.


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Crianças, adolescentes e adultos se reúnem para formação em Fortaleza

Conduzidos pela mão de Deus

Nota de repúdio dos bispos do Regional CNBB NE1-Ceará diante do escárnio público contra os símbolos sagrados

Em 2017, o Dia Mundial dos Pobres dia será celebrado em 19 de novembro.

Coleta da Campanha Missionária acontece neste final de semana no Brasil e no mundo


QR Code Business Card