Atualidades

Papa Francisco encontrou Presidência da CNBB, Cardeais e Bispos brasileiros

PapaFranciscoeCNBBO último compromisso do Papa Francisco neste sábado, 27 de julho, antes do encontro com os jovens para a Vigília na Praia de Copacabana, foi o encontro e almoço com a Presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, com os Cardeais e Bispos brasileiros no Arcebispado do Rio de Janeiro. No seu discurso, o Papa inicia destacando o Documento de Aparecida, abordando a seguir diversos tópicos, como o ‘Apreço pelo percurso da Igreja no Brasil’, o ‘Ícone de Emaús como chave de leitura do presente e do futuro’, ‘Os desafios da Igreja no Brasil’, além de abordar temas como a Colegialidade, missão, função da Igreja no Brasil e Amazônia. O Papa foi saudado pelo Cardeal Raymundo Damasceno Assis.

“A força da Igreja não está em si mesma, mas esconde-se nas águas profundas de Deus nas quais é chamada a lançar as redes”, afirmou o Papa Francisco retomando assim no seu discurso a história de Nossa Senhora de Aparecida. “Na origem da história de Aparecida estão três pobres pescadores que lançam as redes mas não conseguem pegar nada, até pescar uma imagem de cerâmica, primeiro o corpo e após a cabeça. É a imagem de Nossa Senhora da Conceição. Somente então conseguem pegar uma grande quantidade de peixe”. O Papa Francisco faz referência a esta história para sublinhar que Deus chegou de surpresa. Os pescadores, de sua parte, não desprezam o mistério encontrado no rio:

“Existe algo de sábio que devemos aprender. Existem pedaços de um mistério, como peças de um mosaico, que encontramos e vemos. Nós queremos ver muito rápido o todo e deus, ao contrário, se revela pouco a pouco. Também a Igreja deve aprender esta espera”.

Os pescadores, após, levam a casa o mistério, confiam a Virgem a sua causa e “permitem assim que as intenções de Deus possam atuar: uma graça, depois outra”. O Senhor desperta no homem o desejo de cuidá-Lo no próprio coração e não o desejo de chamar os vizinhos para fazer conhecer a sua beleza. Mas sem a simplicidade da sua atitude, “a nossa missão está destinada ao fracasso”.

“O barco da Igreja, então, o resultado do trabalho pastoral não deve se apoiar na riqueza dos recursos, mas na criatividade do amor. Serve tenacidade e organização, mas antes de tudo é necessário “saber que a força da Igreja não reside em si mesma, mas se esconde nas águas profundas de Deus, nas quais é chamada a lançar as redes”. A Igreja, assim, não pode afastar-se da simplicidade:

“Às vezes perdemos aqueles que não nos entendem porque desaprendemos a simplicidade, importando de fora também uma racionalidade alienada da nossa gente. Sem a gramática da simplicidade, a Igreja se priva das condições que tornam possível ‘pescar Deus’ nas águas profundas do seu Mistério”.

Francisco recordou que a Igreja no Brasil aplicou “com originalidade o Concílio Vaticano II e o percurso realizado, mesmo tendo que superar certas enfermidades infantis, levando a uma Igreja gradualmente mais madura, aberta, generosa, missionária”.

A partir daí, o Papa concentrou-se na passagem dos Discípulos de Emaús, escandalizados pela aparente derrota do messias. O pensamento dirigiu-se a todos que abandonam a Igreja por talvez ela parecer muito fria, talvez muito auto-referencial, talvez muito prisioneira das próprias linguagens rígidas. Diante desta situação, “é necessário uma Igreja que não tenha medo de sair na sua noite”, disse Francisco.

“Necessitamos de uma Igreja capaz de encontrar-se em seu caminho. É necessário uma Igreja capaz de inserir-se na sua conversação. É necessário uma Igreja que saiba dialogar com estes discípulos, os quais, fugindo de Jerusalém, vagam sem uma meta, sozinhos, com o próprio desencanto, com a desilusão de um cristianismo considerado muito ‘terreno estéril’, infecundo, incapaz de dar um sentido”.

Fonte: Rádio Vaticano

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Liturgia Diária: Evangelho – Lc 8,4-15

Visita Pastoral na Paróquia de Nossa Senhora da Penha, Maranguape

II Romaria Bíblica e encontro sobre contabilidade na Região São Pedro e São Paulo

Palestras sobre o tema Comunicação na Faculdade Católica de Fortaleza

Convite de Dom José Antonio – Simpósio Arquidiocesano no Ano Mariano


QR Code Business Card