Atualidades

[Notícias/Papa Francisco] “O filho de Deus veio ao mundo como uma pessoa que não tem casa”, diz Francisco a sem-teto

Papa_bisposEUA300x205Papa esteve com cerca de 300 sem-teto e comparou-os a José.

Após discursar no Congresso dos Estados Unidos, o papa Francisco reuniu-se para almoçar com cerca de 30 sem-teto, na Igreja de São Patrício, nesta quinta-feira, 24. Antes da refeição, Francisco falou brevemente, comparando a situação dos sem-teto a de José. “O filho de Deus veio a este mundo como um sem-teto”, afirmou. “Fico imaginando José com sua mulher, sem abrigo, sem casa, sem lugar para ficar”, prosseguiu.

“Como José, questionai-vos: Por que estamos sem um teto, sem uma casa? Mas tais perguntas são boas que sejam postas também a todos nós: Por que estão sem casa estes nossos irmãos?”, disse.

Segundo Francisco, as perguntas de José perduram até hoje e acompanham todos os que, ao longo da história, viveram e estão sem uma casa. “Sobretudo, José era um homem de fé, foi a fé que o sustentou nas dificuldades de sua vida”, refletiu.

Para o pontífice, “perante situações injustas, dolorosas, a fé oferece-nos a luz que dissipa a escuridão. Como sucedeu com José, a fé abre-nos à presença silenciosa de Deus em cada vida, em cada pessoa, em cada situação. Ele está presente em cada um de vós, em cada um de nós”.

De acordo com o papa, não há razões ou justificativas sociais, morais ou de outro gênero que permitam a aceitação da carência de habitação. “São situações injustas, mas sabemos que Deus está a sofrê-las juntamente conosco, está a vivê-las ao nosso lado. Não nos deixa sozinhos”, assegurou.

Após dizer que Jesus continua batendo à porta, “no rosto do irmão, do vizinho, de quem vive junto de nós”, o papa concluiu seu discurso com uma reflexão sobre a oração, uma das formas mais eficazes de ajuda. “A oração une-nos, irmana-nos, abre-nos o coração e lembra-nos uma verdade maravilhosa que às vezes esquecemos. Na oração, todos aprendemos a dizer Pai, papai, pelo que nela nos encontramos como irmãos. Na oração, não há ricos e pobres; há filhos e irmãos. Na oração, não há pessoas de primeira classe ou segunda; há fraternidade”, encerrou.

Unidade com bispos americanos
Também nesta quinta-feira, Francisco encontrou-se com os bispos americanos na Catedral de São Mateus, em Washington. “O coração do papa dilata-se para incluir a todos”, disse na ocasião. Em sinal de unidade, o papa lembrou que ele vem “de uma terra que também é americana”.

Com os prelados dos EUA, Francisco compartilhou uma série de reflexões “oportunas à missão” dos pastores. Tratou, ainda, sobre a forma com que os americanos superaram a chaga dos abusos sexuais cometidos por integrantes do clero. Ele exaltou a coragem com que os momentos foram enfrentados, “sem temer autocríticas nem poupar-se das humilhações e sacrifícios”, a fim de recuperar a “credibilidade e confiança inerente aos ministros de Cristo”.

“Sei quanto pesou a ferida dos últimos anos e acompanhei o esforço de vocês para curar as vítimas – conscientes de que, curando, também nós ficamos curados – e para continuar a agir a fim de que tais crimes nunca mais se repitam”, concluiu.

Confira na íntegra o discurso do papa aos bispos americanos:http://w2.vatican.va/content/francesco/pt/speeches/2015/september/documents/papa-francesco_20150923_usa-vescovi.html

Fonte CNBB – Com informações da Rádio Vaticano

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018

Editorial – novembro 2017: “Ano do Laicato no Brasil”


QR Code Business Card