Atualidades

[NOTÍCIAS/Mundo] No Haiti, representantes do Brasil participam de Encontro da Pastoral Afro

pastoral afroLideranças de diversas partes do mundo reuniram-se em Camp-Perrin, região Haitiana, com a proposta de renovar o compromisso da Pastoral Afro-americana e Caribenha. O 13º Encontro da Pastoral Afro-americana e Caribenha aconteceu no período de 19 a 27 de julho, com o tema “O Povo Afro-americano e Caribenho como protagonista de sua história e desenvolvimento humano integral”.

O evento foi realizado pelo Secretariado de Pastoral da Afro-amaricana e Caribenha (SEPAC), da Conferência Episcopal do Haiti e pela Comissão Episcopal para a Cultura e Inculturação do Haiti (Ceci).

Em mensagem aos participantes, o papa Francisco recordou que no Documento de Aparecida, “a Igreja defende os valores culturais de todos os povos e, seguindo Jesus, encoraja cada um a viver o verdadeiro amor a Deus e ao próximo em um diálogo fraterno e respeitoso”. Na oportunidade, citou a Encíclica Laudato Si e convidou a todos para “construir juntos um futuro de justiça, de fraternidade com toda a criação e de alegria”.

Diálogo entre culturas

O Brasil foi representado por sete membros da Pastoral Afro-brasileira, entre eles: o bispo de Vitória da Conquista (BA) e referencial da Pastoral Afro-brasileira, dom Zanoni Demettino de Castro, e o assessor nacional, padre Jurandyr Azevedo Araújo.

Na carta conclusiva do encontro, os participantes indicaram ações pastorais que possam ajudar o povo Afro-americano e Caribenho a viver o projeto do Reino de Deus. No texto, recordaram que somente a “ cidadania e democracia plena, estabelece relações de respeito e igualdade entre os homens e as mulheres”, além de propor o “diálogo com outras culturas e religiões, numa relação de igual a igual”.

Os líderes da Pastoral Afro alegam ser necessário manter a esperança e a vida do povo Afrodescendente, promovendo um diálogo permanente entre fé e cultura. Para que isso aconteça, pedem que sejam implantado um “modelo de produção com identidade cultural e consciência étnica, no qual se valoriza as práticas organizativas tradicionais, se promova as questões de gênero e se fortaleça a etno-educação”.

Fonte: CNBB

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018

Editorial – novembro 2017: “Ano do Laicato no Brasil”


QR Code Business Card