Atualidades

[NOTÍCIAS/Brasil] “Jovens protagonistas da paz”, motiva dom Eduardo Pinheiro da Silva

jovensepaz“A paz é expressão profunda do ser humano, pois está intrinsecamente relacionada com o sentido de harmonia, de alegria, de plenitude da vida. Consciente ou não, a pessoa humana deseja a paz, irmã da felicidade. E passa a vida a sua procura. Queremos estar em paz; queremos a paz!”. Esta reflexão é um trecho da mensagem do bispo auxiliar de Campo Grande (MS) e presidente da Comissão para a Juventude da CNBB, dom Eduardo Pinheiro da Silva, publicada em 1º de janeiro.

Na carta mensal enviada aos párocos e responsáveis pela evangelização da juventude no Brasil, dom Eduardo destaca a importância da busca pela paz na convivência em sociedade. O bispo questiona se as lideranças da Igreja têm contribuído para a capacitação dos “adolescentes e jovens para serem verdadeiros protagonistas da paz numa sociedade e cultura que têm incitado à violência, à divisão, à concorrência, à injustiça”.

Confira abaixo a íntegra da mensagem:

Brasília, 1º de Janeiro de 2015.

Caros párocos e demais responsáveis pela evangelização da juventude no Brasil.

”Bem-aventurados os que promovem a paz porque serão chamados filhos de Deus” (Mt 5, 9)

“Dia Mundial da Paz”!

Sempre iniciamos o ano com esta comemoração, ou melhor, com esta aspiração e esperança! E não é para menos: a paz é expressão profunda do ser humano, pois está intrinsecamente relacionada com o sentido de harmonia, de alegria, de plenitude da vida. Consciente ou não, a pessoa humana deseja a paz, irmã da felicidade. E passa a vida a sua procura. Queremos estar em paz; queremos a paz! Não há, em primeiro lugar, um ensinamento para isto, mas uma aspiração na raiz da vida. Quando não atingimos esta paz, nos tornamos doentes, depressivos, irracionais. Quando não a defendemos, não a facilitamos ou, pior ainda, a ela nos opomos, renunciamos a nossa filiação divina, tornando-nos violentos, divisores… diabólicos!

Bem-aventurados – felizes! – se tivermos como princípio motivador da vida, da vocação e da ação pastoral missionária, a paz! Bem-aventurados – felizes! – se, além disso, promovermos a paz, defendendo-a, ensinando-a, facilitando-a! A “paz”, segundo o hino das Bem-aventuranças, é a característica principal que identifica a criatura com o Criador, tornando-a radicalmente filha de Deus: “sereis chamados filhos de Deus”.

Como responsáveis pela evangelização da juventude, somos convocados a promover a paz em nosso meio. E “promover a paz” significa: anunciar a paz, provocar a paz, celebrar a paz, divulgar a paz. Sendo assim…

O tema da paz tem sido bem anunciado, trabalhado na catequese e nas reflexões dos grupos e organizações juvenis? Utilizamos pedagogias apropriadas capazes de descobrir e enfrentar os focos de sofrimento, revolta, insatisfação existenciais dos jovens e oferecer-lhes alternativas de sua superação, principalmente pelo encontro marcante com o Único que traz a paz verdadeira, profunda e permanente, Jesus Cristo? Sem o equilíbrio interno de uma paz existencial o jovem, além de não se encontrar como pessoa, buscará perigosos subterfúgios para minimizar suas carências profundas.

A paz tem sido provocada nos encontros grupais e comunitários? O diálogo, o respeito pelo diferente, o perdão, a paciência fazem parte das relações interpessoais? Os líderes adultos têm dado testemunho disso? E nós, sabemos escutar os jovens e provocamos o diálogo entre as gerações?

A paz tem sido celebrada junto aos jovens? Eles estão acolhendo os sacramentos como encontro qualificado em vista da paz que o coração humano pede tanto? Nós os temos cativado para a alegre busca da Eucaristia que enche a alma de paz por termos o próprio Deus conosco? Eles percebem que estamos realmente dispostos a atendê-los e acompanhá-los, para auxiliá-los no encontro da paz, fruto da misericórdia divina, proveniente do sacramento da Reconciliação?

Estamos capacitando nossos adolescentes e jovens para serem verdadeiros protagonistas da paz numa sociedade e cultura que têm incitado à violência, à divisão, à concorrência, à injustiça? Podemos assegurar que os jovens que passam pelos nossos ambientes evangelizadores e educativos saem convictos do valor absoluto da paz, fortalecidos pelas experiências vividas na comunidade e empolgados por serem profetas da paz em seu meio social?

Acabamos de celebrar o nascimento do Príncipe da Paz. Amá-lo e assumi-lo impõem-nos a condição de torná-lo conhecido, amado, seguido pelos jovens. Se nós, realmente, nos identificamos com aqueles alegres pastores ao redor da manjedoura, testemunhemos, então, com mais criatividade no meio dos jovens o alegre e revolucionário encontro com o Príncipe da Paz. “Conhecer a Jesus é o melhor presente que qualquer pessoa pode receber; tê-lo encontrado foi o melhor que ocorreu em nossas vidas, e fazê-lo conhecido com nossa palavra e obras é nossa alegria” (DAp 29).

Nossa Senhora, Mãe de Deus e Rainha da Paz, cure suas feridas de pastores, renove seus sonhos para o ano que se inicia, interceda pelas suas necessidades humanas, aumente seu carinho pelos jovens, lhes traga paz abundante para a fecundidade de seu ministério. Feliz Ano Novo!

“Por amor a meus irmãos e meus amigos, peço: ‘A paz esteja em ti!’

Pelo amor que tenho à casa do Senhor, eu te desejo todo bem!” [Sl 121(122)]

Dom Eduardo Pinheiro da Silva, sdb

Presidente da Comissão para a Juventude da CNBB

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Pedra rejeitada

56ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil

POM celebra 40 anos lançando vídeo institucional

Secretaria de Comunicação da Santa Sé fez cobertura total da 56ª Assembleia

No seu onomástico Papa dá sorvete aos mais necessitados


QR Code Business Card