Atualidades

Missa lembra Constituição Conciliar que renovou a liturgia da Igreja

Missa_18_04_44A Santa Missa da 51ª Assembleia Geral da CNBB desta quinta-feira, 18 de abril, foi celebrada em Ação de Graças pela Constituição Conciliar Sacrosanctum Concilium. A Celebração Eucarística foi presidida pelo bispo de Livramento de Nossa Senhora (BA), dom Armando Bucciol.

Na procissão de entrada estavam os bispos referenciais de liturgia dos regionais da CNBB.

Completando 50 anos de sua abertura, o Concílio Vaticano II foi um momento muito especial para a fé católica.

A Constituição Conciliar Sacrosanctum Concilium tratou da questão da renovação litúrgica da Igreja. Foi o primeiro dos documentos aprovados e recebeu quase a unanimidade dos votos dos padres conciliares.

Toda a Igreja é chamada a celebrar os frutos do Concílio Vaticano II, disse o bispo auxiliar de São Paulo, dom Edmar Perón no início da celebração. “Damos graças a Deus pela linda obra do Concílio Vaticano II, em especial pela Constituição Sacrosanctum Concilium sobre a Sagrada Liturgia”, afirmou.

Em sua homilia, dom Armando Bucciol destacou que é necessário renovar a disponibilidade espiritual e pastoral para acolher o que o espirito diz. “A Palavra de Deus de hoje nos convida a uma reflexão sobre o batismo e a Eucaristia. O Evangelho de João apresenta Jesus que se declara Pão da vida. Essas palavras nos conduzem no sentido mais intimo da Eucaristia. Acolhemos o mistério do amor de Deus, que se fez carne e Dele aprendemos a viver como irmãos”, acrescentou.

Para dom Armando Bucciol é preciso pedir a Deus que possamos sentir de perto o seu amor paterno. “As palavras que a liturgia coloca em nossos lábios tem a uma força parecida com a de Deus. Ela nos convida a recordar nossa vocação batismal”.

Sobre o Concílio Vaticano II, dom Armando afirmou que a Igreja tem um tom especial com o documento Conciliar Sacrosanctum Concilium, que mostra que Deus sempre usou de sinais para falar com seu povo e que em Cristo, estes sinais sacramentais se tornaram definitivos e está especialmente presente na celebração da Eucaristia.

“O Santo Concílio afirma que a liturgia tem um antes e um depois. Antes da conversão e depois do testemunho da caridade. Agradeço a Deus e aos padres conciliares que fizeram que a nossa Igreja possua um tom especial com esse documento”.

O bispo de Livramento de Nossa Senhora, na Bahia, acredita que o documento Conciliar Sacrosanctum Concilium tornou nossas celebrações verdadeiras experiências de fé.

Dom Armando lembrou o Documento de Aparecida que cita ‘a Eucaristia é o encontro privilegiado do discípulo com Jesus’. “É feliz quem se deixa introduzir na vivência da fé, através dos ritos e das orações. A escola da Palavra apresenta um estilo de vida que faz diferença, na solidariedade das escolhas e nas relações cotidianas”, concluiu.

Fonte: CNBB

Compartilhe

Subir

1 Comentário »

1 Comentário »

  • Caio Lima disse:

    O referido documento quando percebido a partir de uma "justa hermenêutica", assim escreveu Bento XVI no art. 6 da Dei Verbum, e, portanto, a partir de uma compreensão madura, que sob forma de ponte, saberá sem negar os valores da Liturgia Católica, em detrimento de sincretismos, é sem dúvida um grande contributo da Igreja para a vida de seus fiéis.


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Crianças, adolescentes e adultos se reúnem para formação em Fortaleza

Conduzidos pela mão de Deus

Nota de repúdio dos bispos do Regional CNBB NE1-Ceará diante do escárnio público contra os símbolos sagrados

Em 2017, o Dia Mundial dos Pobres dia será celebrado em 19 de novembro.

Coleta da Campanha Missionária acontece neste final de semana no Brasil e no mundo


QR Code Business Card