Atualidades

Repam é apresentada a entidades eclesiais da França

Presentes em Paris durante a COP 21, representantes da Repam divulgam trabalhorepam

O presidente da Comissão Episcopal para a Amazônia da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e da Rede Eclesial Pan-Amazônica (Repam), cardeal Cláudio Hummes, apresentou a entidade que atua na evangelização e defesa do ambiente amazônico, na quinta-feira, 3, em Paris, à Igreja francesa. Acompanhado do secretário-executivo da Repam, Maurício Lopez, o cardeal foi recebido na sede do Comitê Católico contra a Fome e pelo Desenvolvimento (CCFD), uma entidade ligada à Conferência Episcopal Francesa.

Os representantes da Repam estão reunidos na capital francesa com membros de organizações não-governamentais, de ordens e congregações religiosas, além de movimentos e entidades engajados com a ecologia integral, defendida pelo papa Francisco na encíclica Laudato Si’ – Sobre o cuidado da casa comum. A mobilização dos grupos busca pautar as discussões da 21ª Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP21) a partir de visões de sustentabilidade e de defesa dos povos tradicionais.

O brasileiro Walter Prysthon, que trabalha na CCFD como responsável pela área América Latina, explicou que a apresentação da Repam e da Rede Eclesial para a Bacia do Congo (Rebac) foi uma ocasião de troca de experiências sobre como a Igreja, hoje, “nos dois grandes pulmões do mundo – a Bacia do Congo e a Amazônia – está presente para dizer que ‘algo está acontecendo’. Algo de negativo, como a destruição dos recursos naturais, a poluição dos rios, poluição do ar, a destruição de culturas e povos, e denunciar isto”.

O cardeal Cláudio Hummes apresentou a Repam a vários organismos da Igreja na França, como a Cáritas e a CVx, no sentido de dar visibilidade às propostas para a região Pan-Amazônica.

“Isto deve servir como exemplo para nós e nos comprometer a estarmos atentos a comunicar estes esforços. Para nós, a presença destes representantes da Amazônia e da Bacia do Congo servem para nos alertar, para abrirmos os olhos e o coração para o que está acontecendo nestas terras longínquas, com as quais nos sentimos comprometidos”, disse Prysthon.

Walter também disse que a prática da Repam está contribuindo com a Igreja universal, numa percepção de “um fruto de esperança”. “Se nós conseguirmos transmitir uma parte de tudo o que se está movendo com a Igreja na Amazônia, sobretudo depois da Laudato si, nós sentimos que podemos ir mais longe na África também”. Ele conta ainda que as iniciativas na América Latina e na região dos Grandes Lagos da África já estão iluminando a realidade da Ásia, aproveitando as presenças na Cop21.

Na última semana, o cardeal Hummes entregou às autoridades das Nações Unidas e do Governo francês uma petição assinada por cerca de 1,8 milhão de pessoas de diversas partes do mundo que clamam por justiça e por uma ação climática a favor da humanidade e de toda a criação. As assinaturas foram coletadas pelo Movimento Católico pelo Clima, que teve apoio da CNBB aqui no Brasil.

Com informações da Rádio Vaticano

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018

Editorial – novembro 2017: “Ano do Laicato no Brasil”


QR Code Business Card