Atualidades

Evangelho – Jo 4,43-54

2ª-feira da 4ª Semana da Quaresma – 27 de Março de 2017  – Cor: Roxo

Vai, teu filho está vivo.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 4,43-54

Naquele tempo:
43Jesus partiu da Samaria para a Galiléia.
44O próprio Jesus tinha declarado,
que um profeta não é honrado na sua própria terra.
45Quando então chegou à Galiléia,
os galileus receberam-no bem,
porque tinham visto tudo o que Jesus havia feito
em Jerusalém, durante a festa.
Pois também eles tinham ido à festa.
46Assim, Jesus voltou para Caná da Galiléia,
onde havia transformado a água em vinho.
Havia em Cafarnaum um funcionário do rei
que tinha um filho doente.
47Ouviu dizer que Jesus
tinha vindo da Judéia para a Galiléia.
Ele saiu ao seu encontro
e pediu-lhe que fosse a Cafarnaum
curar seu filho, que estava morrendo.
48Jesus disse-lhe:
‘Se não virdes sinais e prodígios,
não acreditais.’
49O funcionário do rei disse:
‘Senhor, desce,
antes que meu filho morra!’
50Jesus lhe disse:
‘Podes ir, teu filho está vivo.’
O homem acreditou na palavra de Jesus e foi embora.
51Enquanto descia para Cafarnaum,
seus empregados foram ao seu encontro,
dizendo que o seu filho estava vivo.
52O funcionário perguntou
a que horas o menino tinha melhorado.
Eles responderam:
‘A febre desapareceu, ontem, pela uma da tarde’.
53O pai verificou que tinha sido exatamente na mesma hora
em que Jesus lhe havia dito:
‘Teu filho está vivo’.
Então, ele abraçou a fé,
juntamente com toda a sua família.
54Esse foi o segundo sinal de Jesus.
Realizou-o quando voltou da Judeía para a Galiléia.
Palavra da Salvação.

Reflexão
Jesus declarou que um profeta não é honrado na sua própria terra. Como ele foi criado na cidade de Nazaré, que fica na Galiléia, fazia referência aos galileus, que precisavam de sinais e prodígios para crer e ficavam exigindo que Jesus operasse milagres que testemunhariam que ele de fato era o Filho de Deus. Jesus nos mostra que o processo é justamente o contrário: não são os sinais que devem nos levar a crer, mas é a nossa fé que deve produzir sinais de Reino de Deus, sinais de fraternidade, de justiça, de amor, de vida em abundância. Porque ter fé significa ter a presença amorosa e solidária de Deus em todos os momentos da vida.

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Seminário Arquidiocesano São José – Filosofia, celebra seus 30 anos de fundação

Liturgia Diária: Evangelho – Mt 18,21-19,1

Bom pelicano

Comissão Arquidiocesana de Catequese promove Romaria dos Catequistas

Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, em Redenção (CE) celebra 100 Anos da devoção à Santa Rita


QR Code Business Card