Atualidades

Entrevista com Pe. Cristovam Iubel sobre a Pastoral do Dízimo (Parte 1)

Pe. Cristovam, Dom José Luiz e Diác. João Batista no Encontro da Pastoral do Dízimo em maio de 2011.

UMA EXPERIÊNCIA DE PARTILHA E COMUNHÃO

Em preparação para o Encontro de Animação da Pastoral do Dízimo da Arquidiocese de Fortaleza, no dia 30 de outubro, todas às sextas-feiras do mês dedicado as Missões, disponibilizaremos no site da Arquidiocese a série de entrevistas realizada com Padre Cristovam Iubel sobre a experiência de partilha e comunhão que o dízimo proporciona para as comunidades.

Nessa primeira parte da entrevista, Padre Cristovam ajuda-nos a entender um pouco da realidade da animação do dízimo no Brasil e no Mundo.

1. O que é o dízimo?
O dízimo é uma das formas, não é a única, que a Igreja tem para sustentar a Evangelização e de investir na Evangelização. A Igreja precisa de pessoas, de lugares, de instrumentos (os meios), mas ela não tem como ter tudo isso, se ela não tem bens (os materiais) que sustentem essa preparação. Então, a Evangelização é sustentada pelo dízimo. Sendo assim, a finalidade do dízimo é: Evangelizar.

2. Quando a paróquia não possui a experiência do dízimo, como ela se sustenta?
Essas paróquias se sustentam com taxas, que são oferecidas por ocasião de serviços religiosos: sacramentos, bênçãos. Ou, até mesmo, de doações espontâneas e através de promoções (bingos, rifas, festas). Só que esse método, das taxas e as festas, já está ultrapassado. Ele não corresponde mais aos anseios de hoje. Porque, são pontos de problemas, confusões, brigas e acima de tudo não evangelizam. Então, as comunidades que não possuem o dízimo, ainda estão utilizando um método ultrapassado. Mas, que serve enquanto elas não aderem ao dízimo, enquanto não transformam toda a arrecadação em dízimo e em oferta.

3. Padre Cristovam, as taxas é um assunto muito delicado, pois gera divergências. Algumas pessoas concordam, outras discordam. Um dos questionamentos é a possibilidade de estarmos comercializando os sacramentos.
Exatamente. É tanto que recentemente nós mantínhamos a Ação Evangelizadora por meio das taxas. De início as taxas foram bem compreendidas, era uma forma de troca de serviços. E funcionava bem. Mas, depois com o tempo as taxas foram se desgastando e se transformaram em compra. As pessoas compravam um sacramento, comprava uma missa, uma bênção, uma oração. Por isso, a própria Igreja tomou consciência que não podia continuar com as taxas. Então, no Brasil, as taxas já estão superadas. Hoje, funciona da seguinte forma: aqueles que estão implantando o dízimo podem manter as taxas por algum tempo, enquanto o dízimo não consegue manter toda a Ação Evangelizadora. Mas, na medida em que o dízimo aumenta, as taxas vão diminuindo até a extinção total. As taxas não são de fato evangelizadoras, elas complicam mais do quê ajudam.

4. O senhor usou o termo “aqui no Brasil”, e o dízimo não é uma realidade da igreja no mundo inteiro?
Não. O dízimo existe em grande parte do mundo. Mas, o Brasil possui uma metodologia que deu certo. O dízimo, no Brasil, se implantado de forma correta dá resultado. Então, as outras Igrejas, por exemplo, da América Latina, da América Central, dos Estados Unidos e da África (mesmo com sua pobreza) aderiram ao dízimo. As Conferências Episcopais tem o dízimo do Brasil como modelo. Poderíamos dizer que, a Igreja do Brasil está exportando uma experiência de partilha.

Informações sobre o Encontro do Dízimo click aqui

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Festejo do Padroeiro movimenta Paróquia de Cristo Redentor

A Paróquia no bairro Dunas festejará Nossa Senhora de Lourdes com um tríduo

Pascom Região Nossa Senhora dos Prazeres realizou encontro de Planejamento para 2018

Comunidades de Vida Cristã estão em Fortaleza para mais uma edição do “Amar e Servir”

Discursos do Papa Francisco no Chile


QR Code Business Card