Atualidades

Comunidade pesqueira busca nas CEBs o fortalecimento de suas bases

Por: Francisco Vladimir, Comunicação do 13º Intereclesial.

O 13º Intereclesial das CEBs acontece, desde o último dia 07, nas terras do Padre Cícero, da Beata Maria de Araújo e do beato Zé Lourenço em Juazeiro do Norte (CE). Terra de resistência e força nordestina. O momento, além de partilhar a vida, as experiências e as reflexões das CEBs, é também de fazer memória viva da caminhada da Igreja, revela com mais clareza a situação de sofrimento e resistência dos povos e expressa a biodiversidade do planeta terra.

maninhaegrupo500Maria Eliene (Maninha) da comunidade do Jardim Fortim, no Litoral Leste do Estado do Ceará, está participando com outros cinco moradores da comunidade. Maninha é pescadora e membro do Movimento de Pescadores e Pescadoras Artesanais do Brasil (MPP). Ela conta que o movimento é apoiado pelas CEBs e que, esse apoio, é uma grande força. Disse também, que é um movimento formado por homens e mulheres que produzem alimentos saudáveis e contribuem para a soberania alimentar do país. O trabalho desses grupos preserva as águas, as florestas, os manguezais e a cultura dos ancestrais. “Somos Pescadores e Pescadoras e lutamos para defender o nosso território”, disse a pescadora.

O MPP, que é também ligado à Pastoral dos Pecadores, desde 2012 realiza em todo o Brasil uma Campanha pela regularização do Território das Comunidades Tradicionais Pesqueiras. “Essa campanha foi lançada em Brasília (DF), em Junho/2012 e busca a assinatura de 1% dos eleitores brasileiros, por isso temos que conseguir mais de 1.406.466 assinaturas. Queremos que exista (e seja cumprida) uma lei de iniciativa popular que propõe a regularização do território das comunidades tradicionais pesqueiras”, destaca Maninha.

Maninha disse ainda que essa lei só será implantada pelos Governos se conseguirem essas assinaturas. Ela garante o trabalho, o sustento, o território das comunidades pesqueiras, das marisqueiras, e de todos aqueles que moram em comunidades tradicionais, como os indígenas e quilombolas. Além disso, a pescadora enfatizou que a defesa dos direitos de pescadores e pescadoras artesanais é garantir na mesa da população brasileira um peixe natural e saudável. Ela denunciou que todos esses bens naturais estão ameaçados de extinção devido ao processo de privatização das águas e dos territórios pesqueiros. Pediu e contou com o apoio de toda a Igreja neste mutirão pelas comunidades pesqueiras: pela biodiversidade, cultura e soberania alimentar do povo brasileiro.

“As CEBs têm uma profunda relação conosco, o fortalecimento das bases. Nós das comunidades tradicionais somos um povo de muita fé, de muita luta, e as CEBs são uma garantia, uma força, assim temos a certeza que temos companheiros do nosso lado”, concluiu Maninha.

Saiba mais sobre a Campanha em http://www.campanhaterritorio.blogspot.com.br/

Assista ao vídeo https://www.youtube.com/watch?v=G7RKemmfMeQ

O intereclesial acontece sempre em uma arqui(diocese) escolhida durante a realização do encontro. A sede do 14º Intereclesial que acontece a em 2018, será votada e anunciada neste sábado, dia 11, antes do encerramento desta edição. A programação prevê que, às 16 horas uma Romaria das Comunidades sairá da Igreja do Socorro rumo à Basílica de Nossa Senhora das Dores, em Juazeiro do Norte, onde será celebrada uma missa de envio.

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018

Editorial – novembro 2017: “Ano do Laicato no Brasil”


QR Code Business Card