Atualidades

Com os pobres e com os jovens

papaAo encontrar os trinta mil jovens vindos da Argentina, um encontro inicialmente não programado, e com a festa de acolhimento em Copacabana, muito calorosa não obstante o frio, o Papa Francisco fez entrar no vivo a jornada mundial da juventude iniciada numa Rio de Janeiro cinzento e chuvoso, mas onde depois raiou o sol. Poucas horas antes o Pontífice tinha encontrado a pequena comunidade da Varginha no coração de uma das numerosas favelas da metrópole brasileira, exemplo concreto daquelas periferias materiais e existenciais que desde há décadas estão no centro da sua atenção e solicitude de sacerdote e de bispo.

Portanto, pobres e jovens mas não isolados como se fossem categorias a serem classificadas ou tratadas de forma asséptica, mas que ao contrário devem ser consideradas e, sobretudo, encontradas no tecido social. O Papa já o tinha explicado, falando aos jornalista no avião em voo para o Brasil e reiterou-o aos milhares de argentinos que apinharam a catedral do Rio e o adro: o risco, para todos, é a exclusão. Com efeito, a crise mundial evidenciou os perigos intoleráveis que podem ser causados pela falta de trabalho, derivante da busca exasperada e absoluta do lucro económico que quer prescindir de qualquer controle, ídolo novo e terrível.

Eis então a marginalização de inteiras gerações. De jovens, que contudo representam o futuro, de idosos, também eles marginalizados e silenciados a ponto de fazer pensar numa eutanásia oculta, afirmou o bispo de Roma na suadação improvisada aos seus concidadãos, mas dirigindo-se como sempre a todos com eficácia extraordinária. Assim o Pontífice pediu para que se reaja a esta situação em nome do Evangelho, mesmo se isso cria problemas como consequência desejada da jornada do Rio: espero lío, disse literalmente, repetindo um conceito sacrossanto e reiterado várias vezes ao longo destes meses. Para que toda a Igreja saia de si mesma e abandone uma auto-referencialidade cada vez mais estéril, para se pôr em jogo numa acção enraizada na oração e na contemplação.

Gestos e palavras tinham acabado de se entrelaçarem na visita comovedora à Varginha, que fez recordar a de Paulo VI no bairro de Tondo, na periferia de Manila, e as numerosas durante as viagens de João Paulo II e a solicitude de Bento XVI precisamente no Brasil ou durante a viagem ao Benim. No pequeno bairro de casas pobres, o Papa comoveu-se ao abençoar o altar de madeira na paróquia, como se fosse um parente em visita pegou em duas crianças ao colo para tirar fotografias num quarto minúsculo e rezou com os fiéis evangélicos, que lhe pediram com devoção para abençoar rosários e garrafinhas de água.

O Papa Francisco, bispo daquela Igreja que desde os tempos mais antigos preside na caridade a comunhão católica, quis deste modo demonstrar o rosto mais autêntico da fé cristã, o da misericórdia, durante este prólogo emocionante na jornada mundial da juventude. Que acolheu na noite húmida e fria, recordando com afecto o seu predecessor e pedindo um aplauso – «neste momento está a ver-nos» na televisão, disse – para Bento XVI. E iniciou a bater as palmas, seguido imediatamente por milhões de jovens que estavam presentes em Copacabana.

Por L’Osservatore Romanog. Fonte: http://www.news.va/pt/news/com-os-pobres-e-com-os-jovens

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Pedra rejeitada

56ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil

POM celebra 40 anos lançando vídeo institucional

Secretaria de Comunicação da Santa Sé fez cobertura total da 56ª Assembleia

No seu onomástico Papa dá sorvete aos mais necessitados


QR Code Business Card