Atualidades

CD Um grito pela vida aborda realidade e levanta debate sobre trabalho escravo

Recentemente, o Mutirão Pastoral contra o Trabalho Escravo da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), lançou o CD Um grito pela vida que, através da solidariedade de vários artistas populares, utiliza a música para chamar atenção para um dos problemas mais sérios que afeta o país: a realidade do trabalho escravo.

A realidade escravagista no país é refletida em 18 faixas do CD que relatam histórias de vida de trabalhadores e trabalhadoras que enfrentam essa dura realidade e que chamam a atenção para as pessoas que não conhecem o assunto.

Os (as) interessados (as) em adquirir poderá solicitar pelo email: semescravos.cnbb@gmail.com pelo custo de R$ 15,00, mais o valor do frete. O valor arrecadado será revertido para projetos sociais que apoiam essa iniciativa e que lutam pela erradicação do trabalho escravo.

Segundo Padre Ari Antonio dos Reis, assessor das pastorais sociais da CNBB e secretário do Mutirão Pastoral para superação do trabalho escravo, a ideia do CD é fruto de uma parceria entre a CNBB e a organização estadunidense Catholic Relief Service (CRS). “Essa parceria rendeu a realização de várias formações em diversos estados do país sobre a temática e a partir daí nasceu o CD”, explicou.

Ele afirmou que o tema Um grito pela vida também faz sintonia com o processo de formação que foi desenvolvido. “O sentido do grito expressa um apelo pela vida das pessoas que são vítimas do trabalho escravo”, disse.

“O CD e o blog que estamos divulgando são instrumentos de conscientização e que auxiliam no repasse da informação sobre essa realidade, porém, muito ainda há de ser feito”, relatou Padre Ari.

Violação e Liberdade
De acordo com informações da Comissão de Pastoral da Terra (CPT) ainda existem no Brasil aproximadamente 25 mil trabalhadores e trabalhadoras com os direitos violados, atuando de forma escravizada.

Em todo o Brasil, cerca de 21 estados possuem registro de trabalho escravo. Somente no Norte do país, os estados do Pará, Maranhão, Mato Grosso e Tocantins, aparecem como regiões de maior incidência da exploração do trabalho humano em condições análogas à escravidão.

O estado do Pará continua liderando os casos. Em 2010, foram registradas 63 denúncias fiscalizadas e 562 pessoas foram resgatadas de situações de trabalho escravo no estado. Em 2008, foram 811 pessoas. Entre 2003 e 2010, as principais ocorrências foram registradas em São Félix do Xingu, Marabá, Rondon do Pará, Dom Eliseu e Pacajá.

Em alguns casos foi possível fazer o resgate de trabalhadores, como o caso do município de Rio Negrinho, 250 km de Florianópolis (SC), região Sul do Brasil, onde o Ministério do Trabalho e Emprego encontrou 23 pessoas atuando em uma fazenda de fumo. Entre as pessoas estavam 11 crianças e adolescentes, com idades entre 12 e 15 anos.

Jeane Freitas *
* Jornalista da Adital
www.adital.com.br

Compartilhe

Subir

1 Comentário »

1 Comentário »

  • Fco Neto disse:

    Nós sabemos que essa atividade ilícita dificilmente irá acabar, mesmo procurando simplesmente conscientizar tal ação. É necessário uma profunda Conscientização Cristã, tendo como foco a pessoa de Jesus Cristo, pois somente ele é que irá conseguir tal proeza. Nós somos os seus instrumentos, não adianta simplesmente dizer que é errado tal ação, temos que mostrar que é um pecado gravíssimo, que está indo contra os mandamentos de Deus. Pode ser que seja difícil, pois muitos não acreditam em Deus, mas é o caminho correto. http://www.mccjesus.no.comunidades.net


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Festejo do Padroeiro movimenta Paróquia de Cristo Redentor

A Paróquia no bairro Dunas festejará Nossa Senhora de Lourdes com um tríduo

Pascom Região Nossa Senhora dos Prazeres realizou encontro de Planejamento para 2018

Comunidades de Vida Cristã estão em Fortaleza para mais uma edição do “Amar e Servir”

Discursos do Papa Francisco no Chile


QR Code Business Card