Atualidades

Cardeal Amato: “Nhá Chica, lição autêntica de vida cristã”

inha_chicaNa beatificação da Venerável Nhá Chica, dia 4 de maio próximo, em Baependi (MG), estarão presentes o Prefeito da Congregação das Causas dos Santos, cardeal Angelo Amato, representante do Papa, e o presidente da CNBB, cardeal dom Raymundo Damasceno Assis.

Entrevistado pela Rádio Vaticano, o cardeal fala sobre a futura beata.

Cardeal Amato: “É um grande presente que o Papa Francisco faz à Igreja no Brasil. O Santo Padre, primeiro papa latino-americano, conhece bem a bondade do povo brasileiro, seu espírito religioso, o amor por Jesus e seu Evangelho de vida e alegria, a devoção à Virgem Maria, o apego filial à Igreja, o amor pelo Papa, bispos e sacerdotes, o respeito pelos idosos, a disponibilidade de acolher a vida como um dom inestimável de Deus, a caridade para com os pobres, o seu senso de igualdade e fraternidade, e o respeito pela natureza. Esta riqueza de valores humanos e espirituais faz do Brasil uma terra abençoada por Deus e uma moradia digna de toda pessoa humana. Nhá Chica viveu plenamente estes valores, deixando-os como herança para todos os brasileiros, mas também para toda a Igreja.”

Em que época viveu a nova beata?

Cardeal Amato: “Francisca de Paula de Jesus, familiarmente conhecida como Nhá Chica, nasceu em 26 de abril de 1810, na cidade de Santo Antônio do Rios das Mortes, distrito de São João Del Rey (MG). Era filha da escrava Izabel Maria, solteira. Tinha um irmão, Teotônio Pereira do Amaral, que se tornou muito rico. A futura beata herdou dele a herança que foi distribuída como esmola para os pobres e utilizada na construção de uma capela para a Imaculada. Decidida a não se casar, Nhá Chica preferiu levar uma vida dedicada à caridade e oração, como sua mãe tinha lhe aconselhado antes de morrer. Não entrou no mosteiro, mas optou por fazer parte das mulheres beatas, que consagravam a vida ao Senhor, permanecendo em suas casas e fazendo a caridade aos necessitados. Morreu em 14 de junho de 1895 com fama de santidade.”

O senhor pode traçar o perfil desta futura beata leiga brasileira?

Cardeal Amato: “Nós entrega o Papa Francisco, que em sua carta de beatificação disse que Nhá Chica era uma mulher de oração assídua e uma fiel testemunha da misericórdia de Cristo para com os necessitados no corpo e no espírito. Por unanimidade as testemunhas afirmam que Nhá Chica rezava muito e tinha sempre o rosário na mão. Incansável adoradora do Santíssimo Sacramento e contempladora da Paixão de Jesus, tinha uma profunda devoção a Nossa Senhora, que chamava de Minha Sinhá. A Salve Rainha era a sua oração preferida. A nossa futura beata era humilde. Não atribuía nada à sua pessoa, mas tudo a Deus e a Nossa Senhora. Ela colocava os pedidos dos fiéis diante da Virgem Maria. Quando uma pessoa voltava para agradecê-la por uma graça alcançada, ela dizia: ‘Eu peço a Nossa Senhora, que me escuta e me responde’. A fama de santidade de Nhá Chica sempre foi consistente e persistente. Ela era chamada a Santinha de Baependi. A sua beatificação é uma lição autêntica de vida cristã.

Fonte: CNBB

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Informação sobre o Ano Nacional do Laicato

Igrejas e movimentos sociais realizam a 9º Festa da Vida na Arquidiocese de Fortaleza

Vídeo campanha para evangelização 2018 – Dom Leonardo Steiner

99ª Festa de Jesus, Maria, José no bairro Antônio Bezerra

Simpósio ecumênico em Roma debate xenofobia e populismo


QR Code Business Card