Atualidades

Bispos aprofundam reflexão sobre conjuntura social e política

Os membros do Consep que têm por definição estatutária da CNBB a missão de acompanhar a aplicação das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil se dedicaram, na última parte da manhã desta terça-feira, 27 de novembro, ao da conjuntura mundial e nacional. A assessoria de política e a Comissão Brasileira de Justiça e Paz (CBJP) ofereceram contribuições para uma análise dos principais movimentos econômicos, políticos e culturais no mundo e no país.

Essa análise é sistematicamente feita nas reuniões dos conselhos da CNBB e na assembleia geral dos bispos e é sempre disponibilizada no site da Conferência mesmo não se tratando de documento oficial. Entre os assuntos colocados em relevo na análise da situação brasileira está a questão da Copa do Mundo de futebol e das Olimpíadas com questionamentos sobre as obras, sobre os riscos que esses eventos podem trazer para a população e os ganhos reais que deixarão para o país. Há deslocamento de populações que ocupavam áreas que agora são usadas para a construção de arenas de esporte e uma nuvem de preocupação está representada pelo risco de aumento de turismo sexual por ocasião desses eventos.

Outro assunto destacado, referindo-se a recente celebração do Dia da Consciência Negra, foram os avanços da luta pela igualdade racial com especial atenção aos estudantes negros por meio das cotas e pela demarcação, ainda que mínima, de terras de populações quilombolas. Dom Leonardo Steiner, secretário geral da CNBB, reforçou a importância da eleição do ministro Joaquim Barbosa para a presidência do Supremo Tribunal Federal como afirmação da força dos negros e da população mais pobre do país. Os grandes desafios que exigem mudanças e que permanecem na área da violência doméstica, por exemplo.

Padre Geraldo Martins, assessor de política da CNBB, fez um rápido relato de notícias do Congresso. Ele destacou seis temas. Primeiro: a CPMI do Cachoeira. A dificuldade em ler o relatório está na falta de acordo entre os parlamentares da Comissão que deve Indiciar 34 pessoas, incluindo o Carlos Cachoeira. A CPMI termina os trabalhos em 03 de dezembro. Segundo: CPI da pedofilia. Predomina o encaminhamento do aumento do rigor na pena sobre os agressores. Terceiro: Comissão da Verdade. Tratam de investigar assuntos relacionados a participação das religiões nos eventos analisados pela Comissão. Quarto: Plebiscito da redução da maioridade penal. Esse projeto está no Senado aguardando relator e preocupa, especialmente a Pastoral do Menor e outras. Quinto: Marco civil da internet. O tema não tem consenso, por enquanto. E o grande medo é o do censu ra. Sexto: PEC das empregadas domésticas. Mesmo com algumas discussões problemáticas a respeito do assunto, é preciso registrar que foi um avanço na luta pela valorização das trabalhadoras.

Os bispos receberam informações mais detalhadas de como foi realizado e o sentido do Seminário sobre o Marco Regulatório realizado pela CNBB no início do mês, em Brasília e que contou com a participação do ministro chefe da secretaria geral da presidência da República, Gilberto Carvalho. Entre as importantes contribuições do Seminário está a de “reconhecer explicitamente a existência e o papel das organizações religiosas, e de outras organizações vinculadas às Igrejas, como atores de participação ativa na sociedade por seu poder de organização, mobilização e autonomia nos processos de desenvolvimento social e democrático no país”.

Por CNBB.

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018

Editorial – novembro 2017: “Ano do Laicato no Brasil”


QR Code Business Card