Atualidades

Administração das dioceses é debatida no Seminário Acordo Brasil-Santa Sé

rioQuestões administrativas e contábeis das instituições religiosas estão na pauta de atividades do Seminário Acordo Brasil-Santa Sé que teve início ontem, terça-feira, 8 de outubro, no Campus da Puc-Rio. As implicações jurídicas e administrativas das arquidioceses, instituições, congregações e ordens religiosas estão sendo tratadas durante as conferências.

Na abertura do encontro, o arcebispo de Aparecida e presidente da CNBB, cardeal Raymundo Damasceno, que é presidente da Comissão de Implementação do Acordo, destacou que o evento é uma oportunidade de conhecer o trabalho desenvolvido pelas dioceses e comunidades religiosas. O cardeal lembrou ainda da necessidade de o texto do Acordo Brasil-Santa Sé, promulgado em 2008, ser divulgado entre os membros do episcopado e do clero, aos agentes de pastoral, comunidades e movimentos da Igreja.

“O Acordo de 2008 é um instrumento valioso para a vida da Igreja e para o serviço que prestamos à sociedade brasileira. É essencial que os advogados e administradores das cúrias diocesanas e das instituições religiosas tenham profundo conhecimento do texto do Acordo e coloquem em prática suas normas”, disse dom Damasceno.

rio2O encontro conta com a participação de profissionais do direito, bispos, padres, religiosos e religiosas, entre outros. O secretário geral da CNBB, dom Leonardo Ulrich e o arcebispo do Rio de Janeiro, dom Orani João Tempesta, compuseram a mesa de abertura, juntamente com o reitor da Puc-Rio, padre Josafá Carlos de Siqueira e o professor Paulo Fernando Carneiro de Andrade, decano do Centro de Teologia e Ciências Humanas. Participam também, o bispo de Petrópolis, dom Gregório Paixão e os assessores da CNBB, do jurídico-civil, Dr. Hugo Sarubbi Cysneiros, do setor jurídico Canônico, Frei Evaldo Xavier Gomes e do Setor Mobilidade Humana, Ir. Rosita Milesi.

A atividades do Seminário encerram ao meio dia desta quarta-feira, 9 de outubro. Veja a programação no site do evento: www.eventosdecanatoctch.com.br

Confira a íntegra do discurso do cardeal Raymundo Damasceno:

Acordo Brasil – Santa Sé – Puc Rio, 08 e 09/10/2013

Rio de Janeiro, 08 de outubro de 2013

Prezado Dom Orani João Tempesta, Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro e Grão-Chanceler da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Caro Pe. Dr. Josafá Carlos de Siqueira, S.J., Reitor da PUC-Rio

Caro Prof. Paulo Fernando Carneiro de Andrade, Decano do Centro de Teologia e Ciências Humanas.

Caros Sacerdotes, Profissionais do Direito, Religiosas e Religiosos, senhores e senhoras participantes deste Seminário,

Tenho a honra e a satisfação de saudar e dar as boas-vindas, em nome da CNBB, a todos os participantes deste Seminário sobre o Acordo entre a República Federativa do Brasil e a Santa Sé, relativo ao Estatuto Jurídico da Igreja Católica no Brasil.

Permitam-me salientar a colaboração especial que permitiu a realização deste Seminário, entre a PUC-Rio, a Arquidiocese do Rio de Janeiro e a CNBB. Quero, na pessoa do Chanceler Dom Orani João Tempesta, do senhor Reitor, Prof. Pe. Carlos Josafá, e do Prof. Paulo Fernando, agradecer essa cooperação que se traduz também na cordialidade com que nos recebem, hoje, aqui na PUC-Rio.

Dirijo um agradecimento muito especial também aos meus irmãos Bispos e aos superiores e superioras religiosas pelo fundamental apoio na preparação e realização deste Seminário. Este Seminário foi pensado tendo diante dos olhos o bem da Igreja no Brasil e o trabalho desenvolvido por cada um de vocês em suas dioceses e comunidades religiosas. O Acordo de 2008 é um instrumento valioso para a vida da Igreja e para o serviço que prestamos à sociedade brasileira. É essencial que os Advogados e Administradores das Cúrias Diocesanas e das Instituições Religiosas tenham profundo conhecimento do texto do Acordo e coloquem em prática suas normas.

O projeto da realização deste evento nasceu na Comissão Episcopal para a Implementação do Acordo entre Brasil e Santa Sé de 2008, instituída pela CNBB em 2011. Tendo em vista sua importância para a Igreja no Brasil, a própria Presidência da CNBB assumiu a Direção desta Comissão que conta com a presença, de Dom Orani Tempesta, Arcebispo do Rio de Janeiro; do Cardeal Dom Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo; de Dom Giovanni d´Aniello, Núncio Apostólico no Brasil; Dom Murilo Krieger, Arcebispo de Salvador; D. Airton José dos Santos, Arcebispo de Campinas; Dom Gregório Paixão, Bispo de Petrópolis; Dom Francisco Falcão de Barros, Auxiliar do Ordinariato Militar do Brasil, de teólogos e juristas, sacerdotes e leigos.

Desde o início dos trabalhos a preocupação primeira da Comissão e da CNBB tem sido a de tornar mais conhecido o conteúdo do Acordo e fazer com que suas normas sejam “letra viva” na realidade de nossas comunidades. Nasceu, assim, a ideia da realização deste seminário dirigido preferencialmente a Advogados e Administradores, pessoas que lidam com o “direito e a justiça” no dia a dia, no quotidiano da vida de nossas Dioceses e Comunidades Religiosas.

Outros Seminários, em colaboração com algumas Universidades (São Paulo, Salvador, Brasília), já estão previstos e tratarão de outros temas abordados pelo Acordo Brasil – Santa Sé. A assinatura do Acordo entre o Brasil e Santa Sé em 13 de novembro de 2008, inaugurou uma nova fase nas relações entre Igreja e Estado no Brasil. Desde os primórdios da nação brasileira a Igreja Católica está presente no nosso território, exercendo a missão que lhe é própria, a de evangelizar, que inclui a atividade nas mais diversas áreas, como a educação, a saúde, a assistência religiosa e social, o resgate, a defesa e a promoção da dignidade humana.

No aspecto jurídico faltava um instrumento que regulasse e reunisse em um único texto, direitos já garantidos para a Igreja Católica seja pela Constituição Federal, seja por outros textos legislativos. O reconhecimento da personalidade jurídica das instituições católicas, o direito à educação religiosa nas escolas, a homologação das sentenças dos tribunais eclesiásticos, a concessão de vistos para a entrada de missionários estrangeiros, a garantia do segredo de oficio sacerdotal com relação à confissão sacramental, são exemplos de direitos garantidos pelo Acordo e que fazem parte do ordenamento jurídico brasileiro. De toda forma é importante ressaltar que os direitos e deveres garantidos pelos 20 artigos do Acordo de 2008, longe de constituir privilégios, são na verdade a garantia e o reconhecimento da importância do trabalho religioso, social, educacional e cultural que a Igreja Católica tem exercido no Brasil desde 1500, quando aqui chegaram os primeiros evangelizadores, até os dias de hoje.

É fundamental que o texto do Acordo de 2008 seja divulgado e conhecido por todos os membros do episcopado e do clero, agentes de pastoral, religiosos e religiosas, membros de comunidades e movimentos, por todos os católicos, mas, sobretudo, pelos Advogados e Administradores das Cúrias Diocesanas e de Instituições Religiosas, e que sua aplicação se torne efetiva e produza bons frutos para a Igreja no Brasil. Estamos diante de um texto que nos compromete como católicos na continuidade da nossa missão a serviço do bem da comunidade e da sociedade brasileira.

A todos um bom e frutuoso seminário e uma convivência fraterna agradável e rica em trocas e experiências. Muito obrigado pela atenção.

Dom Raymundo Cardeal Damasceno Assis

Arcebispo de Aparecida, SP

Presidente da CNBB

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Presidente da CNBB reflete sobre tema da CF 2018

Ordenação Presbiteral do Diácono Rodrigo Alves de Oliveira Arruda, SCJ

Carta da Articulação das Pastorais Sociais, CEBs e Organismos da Arquidiocese de Fortaleza acerca da chacina das Cajazeiras e a violência crescente em nossa cidade, estado, país

Voltados ao mistério

Mensagem do Papa para a Quaresma 2018


QR Code Business Card