Atualidades

‘Não adianta falar de combate ao tráfico humano sem falar de combate à pobreza’

_trafico_humano400“Nenhum tipo de criminalização nos deve fazer recuar. Temos que levantar a cabeça e saber que a vida é muito preciosa para ser violada.” A entrevista foi feita por telefone, antes de ligar para o celular da irmã Henriqueta Cavalcante, que mora no Pará, foi preciso enviar uma mensagem, explicar a importância da matéria para, após a concordância da religiosa, ligar e fazer a entrevista.

Devido ao seu trabalho junto à Comissão de Justiça e Paz da CNBB, a Irmã é vítima de ameaças, por isso a cautela no atendimento de ligações de números desconhecidos. Henriqueta atua no enfrentamento da exploração sexual de crianças e adolescentes e, consequentemente, no combate ao tráfico humano.

A Religiosa não escondeu sua empolgação com a Campanha da Fraternidade deste ano, “Fraternidade e Tráfico Humano”, “Estou muito confiante no objetivo dela [da Campanha], que é dar visibilidade para esse crime e diminuir o número de possíveis vítimas.”

A Irmã, porém, alerta que é preciso cuidar “para que a Igreja e a CF tenham coragem de denunciar o problema que vivemos, não adianta falar de combate ao tráfico humano sem falar de combate à pobreza, combate à desigualdade econômica, desigualdade cultural que existe em nossos locais”.

Henriqueta comenta sobre a existência de documentos e leis que pautam o combate ao tráfico humano, como, por exemplo, Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, porém a execução de tais leis acaba se tornando um desafio. Para ela, nenhuma das esferas do Poder Público – Federal, Estadual e Municipal – conseguiu “dar atenção e atendimento adequado para as pessoas que sofrem com o problema do tráfico”.

“Não podemos apenas pensar em enfrentar esse crime, mas se trata de dar respaldo para quem consegue se livrar dele. É preciso prevenir esse ato criminoso, precisamos de uma estrutura maior para que o serviço seja qualificado”, afirmou.

“Há um caso emblemático de uma moça que foi traficada para a Espanha e retornou de uma forma completamente destruída. O olhar dessa moça, a fala dela, atualmente sofre de uma esquizofrenia muito avançada… Ela perdeu o sentido da existência. Isso me chama a atenção porque ela está tão arrebentada. O que mais me preocupada é o fato de ela não se identificar. Ela sofreu tanto e não nega o sofrimento, mas nega que foi traficada. A pessoa que a traficou está em liberdade, e ela está numa situação de miséria e de abandono por parte do Estado, que não garante a recuperação mínima de sua saúde mental e qualidade de vida”, conta a Religiosa referindo-se a um dos casos que mais a marcou.

A denúncia feita por irmã Henriqueta é sobre a falta de fiscalização nas fronteiras do País. Ela aponta a entrada de bolivianos, venezuelanos, paraguaios e haitianos, muitas vezes vítimas de tráfico para servirem ao trabalho escravo, à prostituição e, até mesmo, à mendicância. Os estados para os quais esses traficados se direcionam são os mais distintos, a Irmã enumera alguns: São Paulo, Acre, Amazonas e Pará.

Jornal O SÃO PAULO

Por Edcarlos Bispo de Santana

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Liturgia Diária: Evangelho – Mt 20,1-16a

Liturgia Diária: Evangelho – Lc 8,4-15

Visita Pastoral na Paróquia de Nossa Senhora da Penha, Maranguape

II Romaria Bíblica e encontro sobre contabilidade na Região São Pedro e São Paulo

Palestras sobre o tema Comunicação na Faculdade Católica de Fortaleza


QR Code Business Card