Atualidades

Meditação do Evangelho – XXVII Domingo do Tempo Comum (Mt 21,33-43)

“PERDER OU GANHAR O REINO PELOS NOSSOS FRUTOS”

Queridos irmãos em Cristo!

Convidados pelo Senhor somos todos responsáveis pelos frutos do reino edificado a partir de nossas ações. Deus, nosso Pai, o “dono da vinha” espera que correspondamos com os frutos devido na época esperada (da colheita) no mundo e nas diversas situações que vivemos.

A imagem da vinha é muito apreciada no contexto bíblico pois nos remete a necessidade de um cuidado todo especial desde o cultivo até a colheita da safra. Em circunstâncias severas de tempo, ter um terreno fértil e de boa produtividade é manter a esperança de um bom resultado pelos frutos esperados.

Lembrando o episódio da “vinha de Nabot” em 1 Rs 21, 1-7, a vinha é o lugar onde a vida germina, floresce e dá bons frutos. Também é ameaçada pela cobiça, inveja e pelo mal que nos rodeia com a força que a morte traz!

Todavia, na liturgia desse Domingo somos convidados a nos deixar questionar pela palavra de Deus acerca do tipo de fruto que nossas atitudes representam; seriam estes frutos doces e maduros que alegram o coração de quem tudo investe continuamente em nós, ou pelo contrário, nossas ações são ainda do tipo selvagem e rebeldes contra aquele que tanto nos ama. Nos relatos bíblicos apresentados tomamos consciência da gravidade de não produzir frutos: “o reino vos será tirado e será entregue a um povo que produzirá frutos”. Assim ninguém pode pensar em possuir certa “estabilidade”, pois o reino possui uma dinâmica toda própria capaz de superar quem fechar o coração e não corresponder no amor as suas exigências.

Como, então, produzir frutos para o reino de Deus? São Paulo quando escreve ao Filipenses nos mostra o caminho: Primeiramente o valor da vida de oração que nos leva a quietude diante das dificuldades, depois deveremos focar as nossas atenções e esforços no que é verdadeiro, respeitável, justo, amável, honroso, virtuoso e louvável, portanto um caminho de perfeição composto por sete itens, que muito bem poderíamos apresentar como um caminho de uma vida nova em Deus.

Que o Senhor o bom pastor nos encontre sempre em bons frutos de vida e abençoe as sementes do reino que semeamos com o trabalho de nossas mãos.

Pe. Fernando Antonio Carvalho Costa

Compartilhe

Subir

1 Comentário »

1 Comentário »

  • Fco.Garcia Maciel disse:

    O povo de Israel era comparado à vinha.A primeira leitura de hoje o lembra:" A vinha do Senhor
    é a casa de Israel" por quem Deus tudo fizera.Dela Deus esperava frutos de direito e de Justíça,mas só colheu violência e aflição.Também o Salmo responsorial compara o povo de Israel a uma videira transplantada do Egito para a Terra Prometida e cultivada com carinho por Deus.Jesus retoma a figura usada pelos profetas: a vinha é o "Reino dos Céus",por causa de quem ele viera ao mundo e fizera todo o bem possível.No Reino há lugar para todos trabalharem ou, como dirá em outra parábola,também contada em Jerusalém (Mt 25,14-30) há tempo para todos multiplicarem os talentos recebidos de Deus.Talentos que não petencem à criatura,mas a Deus e a Ele devem ser devolvidos multiplicados.Na parábola de hoje Jesus lamenta que,em vez de os frutos multiplicados serem de justíça(santidade), são de homicídio.Matam os enviados (os profetas)e matam o filho (o próprio Jesus).


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Pedra rejeitada

56ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil

POM celebra 40 anos lançando vídeo institucional

Secretaria de Comunicação da Santa Sé fez cobertura total da 56ª Assembleia

No seu onomástico Papa dá sorvete aos mais necessitados


QR Code Business Card