Atualidades

Meditação do Evangelho – Domingo de Ramos da Paixão do Senhor (Mt 26,14-27,66)

Iniciamos a decisiva semana de Jesus como também de nossas vidas acolhendo o Cristo entre aclamações e gritos de louvor, alegres pela presença “daquele que vem em nome do Senhor”!

A profecia de Isaías (Is 50,4-7) nos apresenta bem quais os sentimentos e atitudes presentes no coração de Jesus diante da inadiável ida até Jerusalém: língua adestrada, palavras de conforto aos abatidos, mente desperta, ouvidos prontos. E mesmo quando o martírio se aproxima o servo fiel e sofredor de Deus é capaz de oferecer as costas e o rosto aos seus malfeitores! Poderíamos então, perguntar: como pode alguém assumir tal condição sem, sequer voltar atrás? A certeza de que Deus é seu auxílio (Is 50,7) e mesmo que o sentimento de abandono seja sempre e cada vez mais forte, ao ponto de questionar essa presença divina e amorosa do Pai, mesmo bradando como o salmista: “Meu Deus, meu Deus, porque me abandonaste?” (Sl 21/22); existe uma certeza ainda maior: “Não sairei humilhado” (Is 50,7).

Dentro da tradição litúrgica desta celebração, onde temos a unidade entre oriente (entrada triunfante em Jerusalém) e ocidente (relato da paixão e morte) compreendemos que Jesus apresenta-se diante dos seus como o messias esperado e anunciado pelas profecias e aclamado pelo povo com palmas verdes, mantos sobre o chão e gritos de “Hosana” (salvai-nos!), mesmo que ainda no final desta semana a mesma multidão irá sentenciá-lo à morte, repudiando-o e com maior força: “Crucifica-o! Crucifica-o!”

Que tipo de messias é Jesus que hoje entra na cidade santa por entre aclamações? Um messias diferente da grande expectativa de muitos. Alguém que soube esvaziar-se de sua condição divina fazendo-se servo, escravo de todos e humilhando-se – assumindo a morte de cruz para a todos salvar (Fl 2,6-11). Portanto, a glória de Cristo é a cruz redentora da condição humana e ao seu nome todo joelho se dobre! Assim cantamos na aclamação do Evangelho: “Salve, ó Cristo, obediente!”

Celebramos o mistério pascal de Jesus na vida e na história de todas as pessoas, grupos, pastorais, comunidades, serviços e movimentos que anunciando o Senhor da vida enfrentam as forças da morte com a confiança de que Deus é o seu único auxílio e levam até o fim a missão recebida! Bendito o que vem em nome do Senhor! HOSANA!

Em Jesus o bom pastor e Maria, nossa mãe.
Pe. Fernando Antonio

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Simpósio Ecumênico: “Iniciação à vida Cristã e Ecumenismo” tem inscrições abertas

Assembleia de avaliação e planejamento da Região Episcopal São Pedro e São Paulo

Assembleia da Região Episcopal Nossa Senhora dos Prazeres

Comunidade Católica Corpo Místico de Cristo realiza Congresso Mariano

Paróquia Sagrada Família em Ocara realizou Retiro com Agentes Pastorais


QR Code Business Card