Atualidades

Meditação do Evangelho – 5º Domingo da Páscoa (Jo 14, 1-12)

Chegamos a 5ª semana desta nossa caminhada pascal e a liturgia nos apresenta o Senhor Jesus como o caminho que nos leva ao Pai, nos anuncia a verdade imutável de sua mensagem e nos dá como dom de sua presença a vida em abundância!

A nossa vida é marcada pelas escolhas que fazemos e pelos caminhos que traçamos ou que, pelos menos escolhemos trilhar, fazer um bom discernimento a partir da nossa intimidade com Deus torna a nossa missão mais frutuosa e o nosso atendimento às necessidades mais eficaz.

Foi assim que os apóstolos escolheram seus colaboradores no “serviço das mesas” a fim de que, não esquecendo a caridade, o anúncio da Palavra ficasse prejudicado. De fato a pregação e a ação na caridade devem caminhar juntas como forma de expressar a nossa participação transformadora na realidade de vida das pessoas. A comunidade que faz a experiência com Jesus ressuscitado é, portanto, convidada a reorientar ou reorganizar a missão dando novas respostas, com o auxílio do Espírito Santo, para os novos e crescentes desafios.

Em Jesus, pedra outrora rejeitada, mas agora angular pela sua ressurreição – conseqüência de sua obediência à vontade do Pai – somos convidados a reconhecer a grande obra de Salvação que o Pai realizou por meio do sacrifício do seu único filho, como também reconhecer o chamado feito pata todos nós no que diz respeito a nossa tomada de consciência de nossa dignidade como povo escolhido, nação santa, povo sacerdotal para sermos luz para as nações. Esta era a certeza do chamado que o povo de Israel era destinado e que agora nós também o somos!

Todo esse projeto poderá não chegar a bom termo se não buscarmos conhecer quem realmente é Deus na vida da comunidade e na nossa, em especial, como também se nos deixarmos conduzir pelo medo – que paralisa e não permite que possamos avançar corajosamente para o enfrentamento e solução das necessidades.

O Senhor buscando confortar o nosso coração atribulado por diversas tribulações e inquietações diversas, nos mostra o caminho da fé como meio de superarmos as nossas dificuldades. Na verdade as ações de Jesus nos revelam completamente o rosto amoroso do Pai, por isso a sua surpresa quando interrogado por Filipe, mas também Ele deverá indicar o caminho a ser seguido para chegarmos até ao conhecimento profundo do Pai, quando Tomé, necessitado de orientação declara que não sabemos qual é o caminho.

Identificando-se como caminho para o Pai, Jesus quer nos mostrar a verdade sobre nós mesmos a partir de sua pessoa como também nos oferece uma vida nova a partir dos seus ensinamentos.

O desejo do coração humano em ver Deus e aqui lembramos o salmo 42,3 onde os peregrinos ansiosos rezavam; “Quando terei a alegria de ver a face de Deus?”, nos lança diante do desafio de contemplar o divino rosto e até mesmo recuperá-lo diante de tantas imagens desfiguradas pelo sofrimento o pelas necessidades fundamentais humanas ainda não orientadas e saciadas.

Celebramos a páscoa de Cristo na páscoa de todas as pessoas de boa vontade que, seguindo o divino mestre, se prontificam no anúncio e no serviço pautado na caridade, conscientes de seu papel transformador deste mundo como povo eleito por Deus.

Que o Senhor o bom pastor nos ajude a celebrarmos bem o mistério de sua presença!

Em Jesus e Maria.

Pe. Fernando Antonio

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018

Editorial – novembro 2017: “Ano do Laicato no Brasil”


QR Code Business Card