Atualidades

Homilia do 4º Domingo do Advento (18.12.11)

Pe. Luiz Carlos de Oliveira, Redentorista

“Céus, deixai cair o orvalho”

Tempo das promessas
O tempo do Advento é o tempo da esperança. Com os olhos voltados para o alto, como nossos antigos pais na fé, nós clamamos por aquela chuva benfazeja. O povo de Deus clamou por um salvador durante séculos, mas não perdeu a esperança. Sabia que Deus cumpriria suas promessas a seu tempo. Não esperamos um Salvador, mas contamos que as graças desta manifestação continue exercendo todo seu dinamismo de vida. Cremos com facilidade em tudo o que nos ensinam sobre a história da humanidade sem objeções. Quando se proclama o nascimento de um Deus entre nós, prometido, realizado e comprovado, colocamos dúvidas. Por que? Porque Ele nos compromete. Lemos em Samuel que Davi quis construir o templo. Mas era Deus quem lhe construiria uma casa, uma família que permaneceria para sempre (2Sm 7,16). O salmo completa: “Para sempre no teu trono, firmarei tua linhagem” (Sl 88). A realeza de Davi continua em Jesus. Na anunciação do nascimento de Jesus, o Anjo diz: “Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus. Ele será grande e será chamado Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu Pai Davi. Ele reinará para sempre sobre os descendentes de Jacó e o seu reino não terá fim” (Lc 1,31-33). É pela ação do Espírito Santo que esta linhagem permanece e se estabelece no seio de Maria, sem participação do homem. Ele é o Filho de Deus. A virgindade de Maria não é só um aspecto espiritual pessoal, mas é a condição de todo o povo de Deus que se abre a sua ação para que se estabeleça em nós sua presença. A promessa é para todos. Deus não exclui ninguém, nem os que O excluem. A virgindade de Maria e a esterilidade de Isabel manifestam a ação de Deus que age por si.

Mistério manifestado
Quando João prega no deserto, o evangelista diz que o povo estava em ansiosa expectativa (Lc 3,15). Paulo chama de plenitude dos tempos (Gl 4,4). O anúncio do Anjo a Maria é a primeira grande manifestação da entrada de Deus no mundo, pois para Deus nada é impossível (Lc 1,37). Em Maria, se encontra toda a humanidade, pois o Filho de Deus não só se encarna em uma pessoa concreta, Maria, mas sua encarnação está na humanidade toda que, em Maria acolhe a divindade. João evangelista proclama: “E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós. E nós vimos sua glória” (Jo 1,14). A divindade não é mais o temível Deus, mas a tenra criança. “Vimos sua Glória”. Significa que, naquela criança está toda a divindade. Em Belém, na gruta do nascimento de Jesus, está escrito em uma estrela de prata: “Aqui o Verbo se fez carne”. Jesus não é uma idéia, é o Deus que se deixa tocar.

Eis a serva do Senhor!
A aceitação de Maria abre uma nova época para a humanidade. É a última. A próxima etapa é o Reino definitivo entregue a Deus pelo Filho (1Cor 15,24). Maria pergunta ao Anjo como aconteceria essa encarnação. O coração humano sempre deseja compreender as ações de Deus. Maria assume e responde: “Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua Palavra (Lc 1,36). Que aconteça o que Deus quer e como Deus quer. A fé em Jesus deve acontecer de acordo com a vontade de Deus. Nós aderimos em cada missa à profissão de fé: “Creio em Jesus Cristo, que foi concebido pelo poder do Espírito Santo e nasceu da Virgem Maria e se fez homem” (creio). A atitude de servidão é a entrega da vida para que Deus continue sua presença no mundo. Assim entramos como parte da História da Salvação. Damos nosso amém, isto é, creio e vou ser fiel.

Leituras:2 Samuel 7,1-5.8b-12.14ª16;Salmo 88; Romanos 16,25-27;Lucas 1,26-38

Homilia do 4º Domingo do Advento (18.12.11)
1. O Advento é tempo de esperança. Os antigos esperaram. Temos a presença e esperamos que a graça dinamize nossa vida. Davi quis construir um templo. Deus lhe constrói uma linhagem que se torna eterna em Cristo. A Virgindade de Maria é também a condição do povo de Deus que se abre para acolher sua presença.

2. O anúncio a Maria é a primeira grande manifestação da entrada de Deus no mundo. Em Maria está toda humanidade que recebe a divindade. Vimos sua glória: Deus não é mais o terrível, mas uma tenra criança. Jesus não é uma idéias, mas o Deus que se deixa tocar.

3. A aceitação de Maria abre nova época para a humanidade. A docilidade de Maria em ouvir e responder para fazer a vontade de Deus. Que aconteça o que quer e como quer. Quando rezamos o Creio, entramos como parte da História da salvação.

Pouco virtual
A religião não se constitui de palavras vazias ou de bons pensamentos ou orações. Ela é real, não é virtual. São fatos que explicados com palavras, nos conduzem a um encontro com Deus. Deus agiu de modo muito humano para nos tornar participantes de sua divindade.

Ele sempre chega primeiro: Davi queria fazer uma casa para Deus e mas foi Ele quem fez uma casa eterna para ele. Sua casa, isto é, sua família, duraria para sempre. Jesus é de sua descendência e permanece para sempre.

Deus se fez gente como nos. Naquele momento que Maria disse o seu sim, acabou a espera e Deus se fez Emanuel, isto é, Deus Conosco.

Ela é cheia de graça, isto é, tem tudo o que Deus quer dar para todos. Ela, sendo grande, se fez pequena para servir a Deus e a todos.

O Anjo do Senhor Anunciou a Maria, e ela concebeu do Espírito Santo.

Por: Pe. Luiz Carlos de Oliveira, Redentorista

Compartilhe

Subir

5 Comentários »

5 Comentários »

  • Fco. Garcia Maciel disse:

    Tenho a dizer que Jesus não fundou uma religião,ele anunciou o Reino de Deus e vieram as Igrejas com todas suas pirâmides.Nos Estados unidos existem 38.000 Religiôes,que coisa absurda.

  • João disse:

    Cristo fundou uma Igreja Mt 16,18 e
    A tem como esposa, Ef 5,23-32

  • Fco. Garcia Maciel disse:

    Interessantes evoluções na exegese de Mt 16,18-19 ocorreram no mundo protestante desde o início do século. Muitos autores protestantes chegaram à conclusão de que Pedro é de fato a pedra que Jesus refere. Renomandos teólogos protestantes como Oscar Cullman e Herman Ridderbos escreveram volumosos tratados detalhando finamente a exegese de Mt 16,18, mostrando que a interpretação protestante clássica é cheia de deficiências e falsas conjecturas. Um dos maiores erros apontados por estes autores é a hipótese protestante de que o original grego da Bíblia em Mt 16,18 faz uma dinstinção léxica entre Pedro (petros) e pedra (petra). Entende-se por Petra como uma pedra pequenam enquanto que Petra é uma grande e imóvel pedra, um sólido rochedo.

  • Fco. Garcia Maciel disse:

    Conclusão: Pedro não pode ser a pedra que Jesus refere, porque é lógico que uma pequena pedra não é uma grande e sólida rocha. Com as recentes descobertas da etmologia grega, entretanto, estudiosos protestantes entenderam que Petrus e petra são verdadeiramente termos intercambiáveis. Ainda que desejasse colocar um jogo de palavras, o autor do Evangelho estava simplesmente limitado pelo fato de que, sendo Pedro um nome masculino, deveria ser designado por outro nome grego no masculino – Petrus – enquanto que Petra é um substantivo feminino.

    O grego, entretanto, não foi a língua original do Evangelho de Mateus, pois muitos Padres da Igreja (Irineu, Eusébio, Jerônimo, Epifênio e etc.) indicam que o Evangelho de Mateus fora orginalmente escrito em hebraico/aramaico.

  • Fco. Garcia Maciel disse:

    A versão grega de Mateus deve, portanto, ser a tradução do original hebraico. Ainda, sabe-se que Jesus falava em um dialeto hebraico chamado aramaico. E isto é muito significante, porque o aramaico não possui formas diferentes para "Pedro" e "pedra" como possui a língua grega, tendo sido utilizada a forma "kepha" (traduzido como "Cefas" em Jo 1,42, onde Jesus, falando em aramaico, compara kepha com o grego petrus). Também é interessante notar que "Simão" em aramaico significa "grão de areia". Se petrus está se referindo somente a uma pequena pedra, como dizem alguns protestantes, não haveria sentido Jesus ter trocado seu nome de "grão de areia" para "pequena pedra", o que contrasta fortemente com a monumental mudança e evolução do perfil de Pedro atestanto em Jo 1,42 e Mt 16,18.


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Festejo do Padroeiro movimenta Paróquia de Cristo Redentor

A Paróquia no bairro Dunas festejará Nossa Senhora de Lourdes com um tríduo

Pascom Região Nossa Senhora dos Prazeres realizou encontro de Planejamento para 2018

Comunidades de Vida Cristã estão em Fortaleza para mais uma edição do “Amar e Servir”

Discursos do Papa Francisco no Chile


QR Code Business Card