Atualidades

Homilia do 2º Domingo Comum (15.01.12)

Pe. Luiz Carlos de Oliveira, Redentorista

Mestre, onde moras?

Colaboradores na missão
O segundo domingo do Tempo Comum, dentro da pedagogia litúrgica, tem uma função importante. É o elo entre o Tempo do Natal que continua, e o Tempo Comum que se inicia. No Natal acolhemos a Manifestação do Senhor. Neste domingo Ele se manifesta a seus discípulos. São três textos diferentes nos anos A.B e C. Um deles é o texto das bodas de Caná e os outros dois são a apresentação que João faz de Jesus a seus discípulos. A atitude dos discípulos diante do milagre do vinho é o símbolo do acolhimento de Jesus como Messias que inicia seu ministério; “Manifestou-se sua glória e seus discípulos creram nele” (Jo 2,11); Ou como diz André: “Encontramos o Messias” (Jo 1,41). Ou como continua o texto: “Encontramos aquele de quem escreveram Moisés, na lei, e os profetas: Jesus, o Filho de José, de Nazaré” (Jo 1,5). Notemos que no Ano B, se faz a leitura de Marcos, e aqui o texto é de João. A comunidade professa a fé em Jesus e acolhe sua missão através dos discípulos que tiveram a profunda experiência de estar com Ele. São eles os primeiros a fazer o anúncio de Jesus como o Envidado de Deus e corresponde às Escrituras. Jesus começa a reunir em torno de Si a nova comunidade. A fé realiza a união em Jesus. Esta fé fez dos discípulos continuadores de Sua missão. Os dois discípulos de João, André e o outro, cujo nome não aparece, ouviram a indicação de João Batista e seguiram Jesus. Passaram com Ele aquele dia. O dia iniciava-se ao entardecer. Por isso houve uma convivência e um diálogo unido a uma refeição. A adorável presença de Jesus e Maria é o alicerce deste passo. Logo comunicam aos amigos que acolhem o testemunho. Simão, que significa dócil à escuta de Deus, recebe o nome Cefas (Pedro) que significa rocha firme a serviço do Senhor. Assim temos os primeiros colaboradores que serão chamados “fundamentos”.

Fundamento da missão
O salmo nos dá o modo de realizar a missão, completando a primeira leitura sobre a vocação de Samuel. Samuel ouviu o chamado de Deus e realizou sua missão com perfeição, pois “não deixava cair por terra nenhuma de Suas palavras” (1Sm 3,19). Assim também os apóstolos deixaram tudo e O seguiram. A obediência ao chamado de Deus envolve a vida. Ela coloca os discípulos na mesma condição de Jesus que é fazer a vontade do Pai, como rezamos no salmo 39: “Eis que venho!” Sobre mim está escrito no livro: “Com prazer faço a vossa vontade, guardo em meu coração vossa lei!”. A missão de Jesus não é um gosto pessoal, mas o cumprimento da vontade do Pai, como Jesus o diz tantas vezes. Esta vontade é o que moveu Jesus desde sua encarnação até o momento em que entrega seu espírito a Deus (Lc 23,46). Por isso rezamos no Pai Nosso: “Seja feita vossa vontade!”

Coerência de vida
A experiência de estar com Jesus e anunciá-Lo torna-se, para quem crê Nele, um modo de vida. A coerência com a Palavra anunciada se dá na Palavra vivida. A imoralidade, como se refere Paulo na segunda leitura (1Cor,613-20), será vencida porque somos membros de Cristo, somos santuário do Espírito Santo e destinados à ressurreição. Pertencemos a Deus e nosso corpo é instrumento da glória de Deus, caminho de santidade. Convivendo com Cristo na refeição eucarística, como os discípulos, anunciamos a experiência de fé que tivemos. Do contrário serão liturgias mortas. A coerência de vida será o primeiro testemunho que podemos dar. Mas temos que anunciar.

Leituras: 1Samuel 3,3b-10.19; Salmo 39; 1 Coríntios 6,1c-15ª.17-20;João 1,35-42

Homilia do 2º Domingo Comum (15.01.12)

1. O 2º domingo encerra o tempo do Natal e inicia o tempo comum. A finalidade é mostrar que a Manifestação do Senhor tem como meta a comunicação da Palavra de Deus. Jesus inicia seu ministério convidando os discípulos que serão a base do novo povo. Eles creram e O seguiram.

2. O salmo nos dá o modo de realizar a missão é a obediência para se fazer a vontade de Deus. Assim Jesus agia. Rezamos: “Seja feita a vossa vontade”.

3. A experiência de estar com Jesus e anunciar exigem a coerência de vida. A imoralidade não tem lugar porque somos membros de Cristo, templos do Espírito Santo e destinados à ressurreição. Cada Eucaristia é um momento de anúncio de experiência de encontro. A coerência é o primeiro anúncio.

Jantinha oportuna
Os empresários e os grandes da terra, de vez em quando, fazem um almoço de trabalho. Enquanto comem, discutem as questões. Deve dar indigestão, dependendo do assunto.

O tempo do Natal encerrou com a celebração do Batismo, mas temos este domingo que é a passagem entre a Manifestação do Senhor no Tempo do Natal e o Tempo Comum. João Batista indica Jesus a André e o outro discípulo, que ambos seguem Jesus. Estes vão para sua casa e conversam com Ele. E ali passam a noite. O dia começava na tarde. Aí houve uma jantinha de trabalho. Quanta conversa boa deve ter rolado, pois no dia seguinte André já vai dizer a Pedro que encontrara o Messias.

A maior prova que temos para dizer que encontramos Jesus é comunicar a verdade de Jesus aos outros. Por isso temos a figura do jovem Samuel que ouve a Palavra de Deus e se torna profeta. O conhecimento que temos de Jesus no Natal deve nos levar a anunciá-lo.

Por: Pe. Luiz Carlos de Oliveira, Redentorista

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Frei-Moser300

Teólogo Frei Moser lança livro na Faculdade Católica de Fortaleza

festamisericordia2014_400

Shalom: fruto da visita do Papa João Paulo II a Fortaleza

Programação-Identidade-e-Diferença-400

Povos Indígenas discutem Identidade e Diferença

corpo400

RCC realiza encontro sobre Teologia criada por João Paulo II

Misericórdia400

Festa da Divina Misericórdia Paróquia São Benedito


QR Code Business Card