Atualidades

Homilia do 24º Domingo Comum (11.09.11)

Pe. Luiz Carlos de Oliveira, Redentorista

“Perdoar de Coração”

Igreja, coração do Pai
Continuamos a leitura do discurso do evangelho de S. Mateus sobre a Igreja. Nele estão apresentas as regras do relacionamento dos fiéis na comunidade insistindo no respeito ao outro, alteridade, na força da conversão à comunidade, na presença de Cristo e no perdão das ofensas (Mt 18,1-35). Este texto é uma radiografia do coração do Pai. Jesus quer que façamos como o Pai. O Evangelho é um ensinamento sobre o Reino, mas, ao mesmo tempo, fala da vida de Deus. No texto citado, temos alguém que devia muito e lhe foi cobrado. Esse empregado, como diz o evangelho, não era um trabalhador, mas um governador de um estado. Era uma dívida impagável. Diante das súplicas do devedor, a dívida foi perdoada. Esse homem, perdoado, não aprendeu com o perdão que recebeu e não quis perdoar um que lhe devia uns poucos salários. Jesus conta essa parábola para explicar a Pedro, que pensava fazer vantagem ao perdoar sete vezes, diz que o perdão de Deus é total e para sempre. Este é modo de perdoar. Se não perdoarmos como Deus, não vamos ter o perdão de nossos pecados. Pedimos a Deus, no Pai Nosso, que nos perdoe como nós perdoamos. Damos a Deus a medida do perdão. Deus não retarda o pagamento da dívida, mas perdoa. Deus não tira vingança. Se não soubermos perdoar como o Pai, não teremos parte na sua vida. O Evangelho termina com uma ameaça: “É assim que meu Pai… fará convosco, se cada um não perdoar de coração ao seu irmão” (Mt 18,35). Por que, essa insistência na totalidade do perdão sem condições? Porque a redenção de Jesus é total. Foi a expressão acabada do amor do Pai que amou sem merecimento de nossa parte: “Deus demonstra seu amor para conosco pelo fato de ter morrido por nos quando éramos pecadores” (Rm 5,8). O perdão vem antes de termos reconhecido nosso pecado. Por isso é total e para sempre, pois está no ser de Deus. A missão da Igreja no mundo não é para condenar, mas para continuar anunciando a presença do Reino e estabelecendo-o com a grandiosidade do amor do Pai.

Como perdoamos
A carta aos Romanos nos explica o modo de vivermos este perdão: Vivemos para Deus e vivemos como Ele vive. “Vivos ou mortos pertencemos ao Senhor” (Rm 14,8). Se vivermos para o Senhor, vivemos para o perdão, para anunciar a presença da misericórdia através de nossas atitudes de perdão. Vemos muita condenação dos erros do mundo. Essas condenações não resolveram o problema. Jesus, com suas atitudes condenava o orgulho, mas perdoava quando encontrava a humildade e o acolhimento de sua pessoa. Não é assim que vemos na Igreja e na sociedade. Tolerância zero é a palavra de ordem para muitos sofredores. Quem sabe pudéssemos pensar: vingança zero e misericórdia total, como Deus fez conosco. Lembremos de nosso fim!

Sociedade sem ódios
A leitura de Eclesiástico, mesmo escrito numa mentalidade da lei do talião, “dente por dente, olho por olho” (Ex 21,24), que instituía a vingança como modo de viver os relacionamentos, ensina que o perdão é a condição para que a oração seja ouvida e os pecados sejam perdoados. Ensinou que este é o fundamento do novo modo de viver. Assim se vive o Evangelho. A celebração da Eucaristia, em sua totalidade, é remissão dos pecados, é perdão. Não só no ato penitencial. O Sangue de Cristo é derramado (consagração) para o perdão dos pecados. O melhor modo de ser perdoado é perdoar. Há muita gente pregando o ódio, a separação, a condenação dos que não pertencem a sua Igreja. Juiz é um só: Deus, que é misericordioso e perdoa a todos.

Leituras: Eclesiástico 27,33-28,9; Salmo 102; Romanos 14,7-9;Mateus 18,21-35

Homilia do 24º Domingo Comum (11.09.11)

1. O evangelho de Mateus apresenta as regas para a vida da comunidade no relacionamento das pessoas. Faz uma radiografia do coração do Pai. Fala do Reino e da vida de Deus. Lemos que havia um grande devedor ao qual foi perdoada a dívida. Ele próprio não soube perdoar um pequeno devedor. Jesus ensina que devemos perdoar sempre. Se não perdoamos, Deus não nos perdoa e não ouve nossa oração.

2. Pertencemos ao Senhor, por isso vivemos para o perdão. As condenações não resolvem os problemas do mundo. A Igreja e a sociedade falam de tolerância zero. Jesus falava da misericórdia que cura.

3. O Eclesiástico ensina que o perdão é a condição para que nossa oração seja ouvida e perdoados os pecados. A Eucaristia é perdão. Sangue derramado para o perdão dos pecados. Há muita gente condenando, pregando o ódio. Deus é misericórdia.

Tiro pela culatra
S. Mateus nos ensina sobre a vida na comunidade. No evangelho desde domingo trata do perdão. Pedro achou que fazia vantagem ao perdoar até sete vezes, o que já é muito. Mas Jesus o desmonta dizendo que tem que perdoar setenta vezes sete, isto é até o infinito.

Por que perdoar sempre? Porque é assim que Deus Faz. Nós exigimos o perdão de Deus, mas não o damos, como lemos na parábola. Até dizemos: Nem no céu quero ficar perto desta pessoa. Com essa cabeça, quem diz que você vai? Deus põe em nossas mãos como queremos ser perdoado: se perdôo, serei perdoado.

Deus ouve nossas orações, mas diz que só ouve quando perdoamos. Para aprender a perdoar é bom lembrar nosso fim. Um dia vamos morrer. E então? Deus nos amou tanto, por que não viver no amor que é perdão? Precisamos também criar uma cultura de não ofender os outros

Paulo é claro: não vivemos para nós, mas para Deus. Pertencemos a Deus e temos que fazer como Ele fez.

Pe. Luiz Carlos de Oliveira, Redentorista

Compartilhe

Subir

3 Comentários »

3 Comentários »

  • LUÍS MARCOS disse:

    NO MUNDO EM QUE VIVEMOS O PERDÃO É UM EXERCÍCIO QUASE QUE IMPRATICÁVEL PARA AQUELES QUE NAO QUEREM ABRIR O CORAÇÃO.

    JESUS DESARMA PEDRO COM A LEI DA MISERICÓRDIA E DO AMOR. SABEMOS QUE MUITAS VEZES NA NOSSA COMUNIDADE, O TENTADOR NOS COLOCA À PROVA FAZENDO COM QUE NOS IMBIRRAMOS DIANTE DA ATITUDE OU DA PALAVRA DO OUTRO QUE NOS MAGOOU. MAS DEUS NOS ENSINA E NS CHAMA A SERMOS MISERICORDIOSOS, NÃO SÓ COM AQUELES QUE GOSTAM DA GENTE, MAS TAMBÉM COM NOSSOS INIMIGOS. E PARA VIVERMOS EM COMUNIDADE TEMOS QUE EXERCITAR SEMPRE A LIÇÃO DOS GANSOS, QUE NOS ENSINA A TRABALHAR EM EQUIPE, A TER COMPAIXÃO, A SER LÍDER NA HORA CERTA E ACIMA D TUDO PENSAR NO TODO E NÃO NO ÚNICO. QUE DEUS ABENÇOE A ESTA HOMÍLIA

  • Fco. Garcia Maciel disse:

    É importante o perdão,existem pessoas que dizem eu perdou quem me desagradou,a primeira
    pessoa a se sentir bem é a que pede o perdão e foi perdoada,creio que o perdão é um processo,ninguém perdoa da noite pro dia.Temos de usar de misericórdia para não dizermos eu perdou mas não esqueço.

  • lurdes disse:

    Se deixarmos o espírito de Deus preencher o nosso coração não haverá espaço para sentimentos ruins. Temos que tomar passe da misericórdia, da generosidade, da fraternidade que Jesus nos ensinou por palavras e ações. Ele nos mostrou como perdoar para que ajamos como Deus age conosco não devemos entrar em pecado por causa do pecado do outro porque senão saimos da presença de Deus.


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Síntese da Assembleia Arquidiocesana de Pastoral

Festa de Nossa Senhora das Graças

Assembleia Geral da Cáritas Arquidiocesana de Fortaleza

Simpósio Ecumênico: “Iniciação à vida Cristã e Ecumenismo” tem inscrições abertas

Assembleia de avaliação e planejamento da Região Episcopal São Pedro e São Paulo


QR Code Business Card