Atualidades

Homilia do 20º Domingo Comum (14.08.11)

Pe. Luiz Carlos de Oliveira, Redentorista

“Que as nações vos glorifiquem!”

Deus aceita o coração sincero

Vivemos em um tempo de reconhecimento das riquezas das pessoas, de suas manifestações espirituais e de sua cultura. Há um diálogo ecumênico que reconhece o que há de bom para construirmos um mundo mais fraterno. Por outro lado, encontramos os fundamentalismos de grupos muçulmanos, evangélicos e seitas que, por insistirem em algumas poucas idéias, perdem as belezas que Deus lhes deu. Parta esta realidade, Jesus se manifesta com uma mensagem muito bonita dita à cananéia pagã: “‘Mulher, grande é tua fé! Seja feito como tu queres’. E desde esse momento sua filha ficou curada”. Ela, que implorava a cura de sua filha, não se importou com as palavras ofensivas de Jesus: “Não se deve tirar o pão dos filhos para dar aos cães”. Jesus a provou em sua fé. O profeta Isaias mostra a abertura à fé ao dizer: “Aos estrangeiros que aderem ao Senhor, … a esses conduzirei ao meu santo monte e os alegrarei em minha casa de oração; aceitarei seus holocaustos, pois minha casa será chamada casa de oração para todos os povos” (Is 56,1.7). Estes dois textos revelam a grande mudança na mentalidade do exclusivismo judaico com respeito à salvação. Os pagãos eram chamados de cães. Os primeiros cristãos, provindos do judaísmo, terão sentido dificuldade com a conversão dos pagãos cananeus e outros que viviam num baixo paganismo. Eles aceitaram o evangelho e se converteram. Neles não se deve olhar a origem, mas a disposição de fé. Assim serão curados de seu paganismo, simbolizado na filha doente atormentada, e vencidas suas maldades. Todos são convidados a glorificar o Senhor, pois Deus aceita o coração sincero.

Mistério da rejeição

Os judeus rejeitaram os povos pagãos e, sob instigação dos chefes, rejeitaram Jesus. Rejeitado o Reino, colocaram-se fora dele. O povo de Deus, mesmo depois desta opção que fez, não perdeu os privilégios magníficos que lhe foram outorgados por Deus em sua história, como diz Paulo: “A eles pertencem a filiação adotiva, as alianças, as promessas o culto, os patriarcas, …..deles descende o Cristo…” Deus não abandonou seu povo. Se não houvesse a abertura aos pagãos, a fé cristã teria se identificado com uma tradição, o que Cristo rejeitou. A Fé está acima da cultura. Nesta questão a Igreja teve dificuldades durante séculos e mesmo agora. A Igreja não é um produto do primeiro mundo e nem deve ter como referência só uma classe, ou ideologias, mas estar aberta às riquezas dos povos e culturas. Não se trata de rejeitar uma história, mas de permitir que a Fé se desenvolva como semente que produzirá os frutos que Deus oferece.

Escola de oração

Nessa narrativa de hoje aprendemos um modo de rezar: Rezar não é ler textos ou recitar fórmulas. Também podem existir, desde que estejam fundados em uma realidade pessoal aberta para Deus. A mulher cananéia reza a partir de sua vida, dirigindo a Jesus, que a trata com frieza, para provar-lhe a fé. Ela grita, insistentemente: “Senhor, Filho de Davi, tem piedade de mim; minha filha está atormentada por um demônio” (Mt 5,22). Jesus ensina que a oração está unida à vida e deve ser insistente. Conhecemos a parábola do amigo inoportuno que insiste pedindo pão (Lc 11,5-8). Insistir é ter fé. Rezar não é dizer muitas palavras, mas dizer muitas vezes a mesma coisa.

Leituras:Isaias 56,1.6-7;Salmo 66; Romanos 11,13-15.29-32 Mateus 15,21-28

Homilia do 20º Domingo Comum (14.08.11)

1. Vivemos tempos de diálogo com as culturas e também fundamentalismos. Jesus se mostra aberto à mulher cananéia de quem reconhece a Fé. Isaías reconhece que Deus está aberto aos pagãos que tem coração sincero e aceita sua fé e seu culto. Os cristãos entraram em crise diante da conversão dos pagãos. Todos são convidados a glorificar a Deus.

2. Os judeus rejeitaram os pagãos e depois, Jesus. Mesmo assim não perderam o que Deus lhes dera como povo escolhido. Se não houvesse abertura aos pagãos, a Fé cristã teria se identificado com uma tradição que Cristo rejeitou. A Igreja corre esse risco ao se fechar em uma cultura e não acolher as demais.

3. Com esse evangelho de hoje aprendemos que a oração não é leitura de um texto ou recitação de uma fórmula. Podem existir desde que estejam fundados na realidade pessoal. A oração deve partir da vida e ser insistente.

Ser chato também dá certo

A mulher pagã é tratada duramente por Jesus. Se falasse para mim daquele jeito, eu queimava os pneus na hora e ia embora. Mas a fé da mulher soube passar por cima e ela procurou resolver seu problema. Jesus a chama de cachorrinho. Os judeus do tempo de Jesus chamavam os pagãos de cães. Parece que Jesus fecha a porta da salvação. Mas a mulher insiste com gosto: “Mas os cachorrinhos também comem as migalhas que caem da mesa”. Ela queria que Jesus curasse sua filha que estava muito mal. E insiste.

Jesus então dá a nota final: “Mulher, grande é tua fé! Seja feito como tu queres”. Foi chata e venceu. A gente tem que ser chato com Deus. Acho que Ele gosta.

A fé vivida por aqueles que estão longe da Igreja, às vezes, nos dá lições. Deus está aberto a todos. E tem gente que diz que só do seu jeito é que salva.

Há um grande mistério no fechamento dos judeus. Tudo que era só para eles foi dado a todos. No fim eles ficaram fora, e os pagãos assumiram o Reino de Deus.

Paulo diz que, se com essa situação dos judeus houve o bem grande da conversão dos pagãos, quanto maior será o resultado quando eles se abrirem ao evangelho.

Pe. Luiz Carlos de Oliveira, Redentorista

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Planilha de contribuição das paróquias e das áreas pastorais: outubro de 2017

Festa da Paróquia Nossa Senhora das Graças – Santa Maria

“I Aviva Povo de Deus”

Paróquia Nossa Senhora das Graças e São Pedro na Praia da Tabuba, em Caucaia – CE.

Material que foi veiculado no Jornal JCTV na Rede Vida de Televisão


QR Code Business Card