Atualidades

Homilia do 17º Domingo Comum (24.07.11)

Pe. Luiz Carlos de Oliveira, Redentorista

“Tesouro escondido”

 Dai-me a sabedoria
Jesus usa muitas comparações ao anunciar o Reino de Deus. Cada uma apresenta um aspecto. O texto que ouvimos ensina que o Reino dos Céus é como um tesouro encontrado ou uma pedra preciosa ou como uma rede onde se escolhem os peixes melhores. Por ele se deve investir tudo para ficar com o melhor. Por ele vale a pessoa vender tudo o que se possui, para ter o que vale mais que tudo o que temos. Em nosso coração sempre existe o desejo de achar um tesouro. O tesouro do Reino, quando descoberto, torna-se uma busca pela qual valem todas as aventuras. Paulo escreve: “Tudo perdi e tudo considero como esterco para ganhar a Cristo e ser achado Nele” (Fl 3,7-8). Salomão pede a sabedoria a Deus que lhe oferece todas as riquezas. Com ela tem todas as outras riquezas. É como disse Jesus: “Buscai o Reino de Deus e tudo mais vos será dado como acréscimo” (Mt 6,33). Ficamos com as pequenas satisfações que nos fazem perder a satisfação total. As pessoas que fizeram tanto pelo Reino de Deus e também pelo bem da humanidade, fizeram-no porque descobriram o tesouro que vale mais que a vida. Os que não o escolhem, são como os da parábola anterior, são como os peixes separados e serão jogados fora. A escolha que fazemos põe nas mãos de Deus o nosso futuro. Se não o queremos, Deus respeita e sempre oferece sua graça redentora. Quem escolheu o Reino torna-se “apóstolo” – enviado por Deus para anunciar suas riquezas. O maior testemunho é a alegria de tê-lo encontrado e ter dado a vida por ele. O salmo nos leva a rezar dizendo que os mandamentos de Deus valem mais que milhões em ouro e prata. Eles são a melhor herança (Sl 118). A preciosidade do Reino é a presença do Espírito. Ele constitui a Riqueza – Dom dado por Deus. A Sabedoria de Deus é o Espírito Santo que nós é dado em abundância com seus infinitos dons e não somente os sete dons mencionados.

Coisas antigas e novas
Jesus afirma que aqueles que conheciam bem o Antigo Testamento e aceitaram o tesouro do Reino, saberão usar o Antigo naquilo que indica e esclarece o valor do tesouro do Reino. Vêem em Jesus a realização das promessas. No tesouro há sempre coisas novas. Aqui entra a questão do crescimento da revelação. A revelação não tem nada mais a nos mostrar. Mas temos muito que aprender, aprofundar e beber desta fonte sempre nova. Há sempre novas conquistas que Reino nos propõe. Não podemos nos fixar em tempos históricos da Igreja, mas viver o dinamismo do Reino. O Reino é como uma árvore: tem o cerne que não muda. Mas se não existem galhos novos, a árvore não cresce, morre.

Ser à imagem do Filho
Quem acolhe o Reino é imagem do Filho bendito de Deus. É um ícone, isto é, uma presença da verdade. O encontro do tesouro não é só um enriquecimento pessoal de dons espirituais, mas o dom maior que vai além da filiação Divina, nos faz imagem do Filho, como o Filho é imagem do Pai (Cl 1,15) e sua Manifestação. A vida cristã não é fazer coisas espirituais. Mas ser uma nova criatura diante de Deus. Somos assimilados ao Filho, para sermos perfeitos filhos de Deus (Fl 3,21), na divinização. Na Missa celebramos a presença do Reino atuante entre nós. Em cada Eucaristia somos questionados sobre nossa vida no Reino. Missa não é uma obrigação, mas um prazer que Deus nos dá de vivê-lo.

Leituras:1 Reis 3.5.7-12;Salmo 118; Romanos 8,28-30; Mateus 13,44-52

Homilia do 17º Domingo Comum (24.07.11)

1. O Reino dos Céus é como um tesouro escondido. Por um tesouro vale a pessoa vender tudo o que se possui. Descoberto o Reino, por ele valem todas as aventuras. Deus ofereceu a Salomão riquezas e ele pediu sabedoria, isto é, o Tesouro. Quem não escolhe, perde. A preciosidade do Reino é a presença do Espírito com seus infinitos dons.

2. Jesus afirma que os que conheciam o Antigo Testamento e aceitaram o Reino de Deus, sabem buscar no Antigo o que floresce no Novo: Jesus que é o cumprimento das promessas. Para nós o Reino é um dinamismo e não um momento da história. Ele é como uma árvore que, se não tem ramos novos, não cresce. Morre.

3. Quem acolhe o Reino é imagem do Filho de Deus, Jesus. É uma presença. Acolhê-lo é ir além do dom da filiação, mas nos faz imagem do Filho e sua manifestação, na divinização. Na missa celebramos também a presença do Reino.

Caçadores de tesouros

A gente sempre tem uma vontadezinha de achar um tesouro, uma coisa preciosa, ou como dizemos hoje, ganhar na mega sena. Para que?

Jesus nos ensina sobre o Reino de Deus. Encontrar o Reino de Deus é encontrar um tesouro, uma pedra preciosa que vale tudo o que temos e que vale a pessoa trocar tudo por ele. Não é possível viver só um pedacinho do Reino. Se não pegamos tudo, não funciona. É isso que vemos em gente da Igreja: tudo pelas metades. Pé em duas canoas é corpo inteiro n’água.

O jovem Salomão achou o tesouro: Deus ofereceu tudo a ele. Não quis tesouros, mas o tesouro da sabedoria que lhe deu todos os tesouros. Por isso rezamos: Usemos de tal modo os bens que passam que possamos abraçar os que não passam. O salmo reza: Esta é a parte que escolhi por minha herança: observar vossas palavras.

Se escolhermos o Reino como nosso tesouro, vamos ter tudo da parte de Deus. Paulo escreve: Sabemos que tudo contribui para o bem dos que amam a Deus.

Pe. Luiz Carlos de Oliveira, Redentorista

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Alto Alegre realiza Festejo

Equipe da 5º Urgência da Região Nossa Senhora da Conceição promove encontro sobre Reforma Trabalhista

Alto do Moinho, em Canindé realiza festejo a seu Padroeiro

São Luís Gonzaga

Muticom de Férias acontecerá em Maranguape (CE)


QR Code Business Card