Atualidades

Homilia do 16º Domingo Comum (17.07.11)

Pe. Luiz Carlos de Oliveira, Redentorista

“O Reino de Deus cresce”

 Energia do Reino de Deus
A reflexão da Palavra leva-nos a uma compreensão maior do Reino de Deus. Anunciando seu Reino, Jesus o compara à semente que, mesmo sendo muito pequena, faz nascer uma árvore grande, como é o caso do eucalipto. O dinamismo do Reino de Deus não depende de forças externas, mas ele tem em si a energia suficiente para chegar onde Deus quer. Nós fazemos os cálculos humanos sobre o Reino, mas vemos que ele não depende das forças humanas, embora faça dele o uso. Jesus compara essa força à semente e ao fermento. Não depende de nós. Vemos a Igreja em tantas dificuldades e ficamos apreensivos. Deus é quem dá a força e a vitória sobre todos os males. O crescimento do Reino de Deus no mundo é inexplicável aos olhos humanos. Como podemos explicar que alguém procure a Igreja para viver sua vida de fé, ou ainda procure fazer o bem, mesmo não sendo cristão, quando tudo a sua volta conspire contra a verdade, a justiça, o amor e a paz? A pequenez do Reino já é explicitada pelos profetas na temática do “resto do povo”. No Antigo Testamento são os humildes e os pobres que mantiveram viva a esperança e acolheram Jesus, como lemos no evangelho de Lucas: Isabel, Zacarias, Simeão, José, Maria, os apóstolos. Eles foram a semente que deu fruto.

Joio e trigo
O Reino é semeado no meio de misteriosas realidades. Há uma semente de má qualidade que nasce no mundo e não produz vida. Ao lado nasce a semente boa. O Maligno é o semeador destes males. Sempre haverá dificuldades e oposição à Igreja, porque ela é anunciadora do Reino de Jesus. O mal procura levar os outros a pecar, isto é, recusar o projeto de Deus. Esses são realmente do Maligno. Vivemos no meio de tantas maldades e parece que vamos ser sufocados. Não há o que temer, pois, no meio da tempestade Jesus está no barco conosco, despreocupado, adormecido, pois sabe que a vitória final será sua. Passaremos por dificuldades como Ele passou. Mas nos diz: “Tende coragem: Eu venci o mundo” (Jo 16,33). Para viver na dificuldade de um mundo adverso à fé, nós pedimos a Deus: “Multiplicai os dons de vossa graça, para que, repletos de fé, esperança e caridade, guardemos fielmente os vossos mandamentos” (Oração). O tempo de espera é também tempo de conversão. No final haverá a separação. “Serão retirados do Reino todos os que fazem os outros pecar e os que praticam o mal” (Mt 13,41). Deus é paciente e sua graça tem força de transformação. É o que lemos no livro da Sabedoria: “Dominando tua própria força, julgas com clemência… assim ensinaste a teu povo que o justo deve ser humano”(Sb 12,17.19). Ninguém é irremediavelmente perdido. Jesus é a Esperança.

O Espírito reza em nós
Para a vida do Reino em nós e no mundo, Deus enviou seu Espírito. Nossa oração carrega nossa fragilidade, mas tem a força do Espírito que reza em nós: “O Espírito vem em socorro de nossa fraqueza… não sabemos o que pedir, nem como pedir; é o próprio Espírito que intercede em nosso favor, com gemidos inefáveis” (Rm 8,26). A força da semente do Reino é o Espírito. Ele sabe o que há no coração do homem e dá a força de crescimento na fragilidade do Reino. Por isso, não temos Eucaristia sem o Espírito Santo. Os cristãos têm uma missão no mundo e nada poderá deter esta energia do Reino. Nada significa o fim.

Leituras:Sabedoria 12.13;16-19;Salmo 85;Romanos 8,26-27; Mateus 13,44-52

Homilia do 16º Domingo do Tempo Comum (17.07.11)

1. Jesus afirma que o crescimento do Reino é como o de uma semente: pequena, mas tem a energia para ser uma grande árvore. Não depende de forças externas. O crescimento é inexplicável. A semente pequena é vista no Antigo Testamento como o resto fiel que manteve a fé. Destes fazem parte Isabel, Zacarias, Maria, José e os apóstolos. Eles foram a semente que deu fruto.

2. O reino é plantado em meio as misteriosas realidades da semente má. O mal quer dominar. Por isso há dificuldades e oposição à Igreja. Não há o que temer. A semente boa tem ao lado a planta daninha. É preciso conviver com esta realidade e esperar, como Deus, a conversão. Arrancar danifica a semente boa.

3. Para a vida do Reino Deus enviou seu Espírito que sustenta nossa fraqueza. A força da semente do Reino é o Espírito. Na Eucaristia temos o Espírito. Por Ele os cristãos levam adiante sua missão no mundo.

 Tamanho não é documento.

Jesus usa outra comparação com a semente. Diz da força de vida que ela possui, mesmo sendo pequena. Jesus usa a comparação para explicar a energia do Reino de Deus. A força vem de dentro, como o fermento.

Por menor que possamos ser diante do mundo, o bem que fazemos tem a força de Deus e pode produzir uma grande árvore, um bem muito grande.

A semente é boa, mas tem muito mato em volta. Que fazer? Se arrancar o mato, pode arrancar a plantinha. Nós vivemos em meio a pessoas diferentes. É preciso saber crescer no bem perto do que não é tão bom ou até mau. A Deus compete o juízo final.

Deus tem força de dominar, mas usa sua força com clemência. Olha o que diz a Palavra de Deus: “Assim Deus ensina o justo a ser humano”.

Somos pequenos e fracos. Mas temos uma força interna que é o Espírito Santo que vem em socorro de nossa fraqueza e reza dentro de nós com as palavras de Deus.

Pe. Luiz Carlos de Oliveira, Redentorista

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Pedra rejeitada

56ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil

POM celebra 40 anos lançando vídeo institucional

Secretaria de Comunicação da Santa Sé fez cobertura total da 56ª Assembleia

No seu onomástico Papa dá sorvete aos mais necessitados


QR Code Business Card