Atualidades

Homilia da Solenidade de S. Pedro e S. Paulo (03.07.11)

“Duas colunas da Igreja”

Jesus e seus apóstolos

Jesus encarnou-se em nossa humildade. Para realizar sua missão quis homens humildes. Mesmo mais culto, Paulo era humano e sujeito à fragilidade. Quando Jesus quer saber o que pensam Dele, tem em seus discípulos a resposta que é o início da Igreja, pois sua resposta não provém do homem, mas de Deus. Mesmo hoje, quando cremos é porque Ele provoca em nós a fé: “Por sua palavra muitos hão de crer em mim” (Jo 17,20). Na fragilidade de sua missão, Jesus conta com a fragilidade dos discípulos para que sua Igreja se fundamente em Deus e não na sabedoria humana. Por que Jesus necessitou da profissão de fé de Pedro? O nome Simão significa dócil à Palavra. Sua fé dócil é rocha firme sobre a qual se constrói a Igreja. Podemos também entender que a fé humilde do povo é o sustentáculo da Igreja. Sobre ela se edifica constantemente a Igreja. Pedro e Paulo nos deram as primícias da Igreja (oração). Tudo que ligares na terra será ligado no Céu. Os que possuem esta fé abrem o caminho para a salvação, movidos pelo Espírito, sustentados pelo Pai e guiados por Jesus. A pregação dos apóstolos continua a missão de Jesus que atua para a nossa salvação. Por isso Jesus protege e ampara seus dois homens escolhidos para a missão entre os filhos da promessa e os povos vindos do paganismo. Pedro é libertado da prisão de modo misterioso (At 12,9-11). Foram anjos, ou pessoas como anjos? Certamente os cristãos podem continuar esta missão e, através da fé libertar as amarras que prendem as pessoas. Paulo sabe que o Senhor esteve com ele e o libertou da boca do leão. O Senhor sempre liberta de todo mal (2Tm 4,17). A Igreja tem consciência da presença do Senhor, libertando-a de todo mal por meio da purificação. Por mais pecadores sejam seus seguidores, Jesus aceita e acolhe sua profissão de fé. É o que disse Jesus a Pedro na ceia: “Simão, Simão, eis que Satanás pediu para vos peneirar como o trigo; eu porém, orei por ti, afim que tua fé não desfaleça. Quando, porém te converteres, confirma os teus irmãos” (Lc. 22,31-3). Deus conta com nossa fragilidade quando nos dá o dom da fé.

Uma Igreja a construir

Marcos escreve: os apóstolos “saíram a pregar por toda parte agindo com eles o Senhor, e confirmando a Palavra por meio dos sinais que a acompanhavam” (Mc 16,20). Jesus manda fazer discípulos seus, todas as nações, batizando e ensinando a observar o que ordenou (Mt 28,19-20). Verificamos na Igreja um cansaço diante da Palavra e da formação das comunidades. É uma doce ilusão ver uma Igreja cheia, quando há milhões fora. As grandes cidades não carecem de evangelização. Há muita palavra e pouca ação. Nossa Palavra anda vazia e não provoca. Por que? A acomodação não nos salvará. Ver as multidões e não ter compaixão é, no mínimo, falta de inteligência espiritual, para não dizer diabólico.

Apóstolo como eles.

“O Inferno não poderá vencê-la”, nem os seguidores do Maligno. Mas precisamos renovar a Igreja com o ensinamento dos apóstolos. Como Eles, precisamos ter coragem de arriscar na evangelização e buscar quais as causas do ateísmo. Operários sem vigor que se apóiam no vazio. Teremos a segurança na dificuldade, alegria na fé e esperança no fracasso. Mas é preciso seguir estes apóstolos. Não basta garantir as defesas da verdade na Igreja. É necessário lançar as redes em águas mais profundas. Ousar por Jesus!

Leituras:Atos 12.1-11; Salmo 33;2Tm 4,6-8.17-18;Mateus 16,13-19

Homilia da Solenidade de S. Pedro e S. Paulo (03.07.11)

1.Jesus escolheu homens frágeis para continuar sua missão, porque também era frágil. A resposta dos discípulos é o início da Igreja, pois a resposta provém de Deus. A profissão de fé de Simão Pedro, que significa dócil à Palavra.. Sua fé é a rocha firme sobre a qual se constrói a Igreja. Os que têm fé abrem caminho para a salvação. Jesus continua protegendo seus apóstolos. Deus toma conta de nossa fragilidade.

2.Jesus manda fazer discípulos seus, todas as nações batizando e ensinando-as a observar o que ordenou. Hoje vemos cansaço diante da Palavra e da formação das comunidades. Ver as multidões e não ter compaixão pode ser até diabólico.

3.O Inferno não pode vencer a Igreja, mas precisamos renová-la com o ensinamento dos apóstolos. Precisamos ter coragem para arriscar na evangelização. Não basta defender a Igreja dos ataques mas lançar redes em águas mais profundas. Ousar por Jesus.

Ninguém segura esse time

Celebramos a festa de dois grandes homens, duas colunas da Igreja. São tão diferentes: Um, simples pescador; outro, um grande doutor; unidos pelo mesmo amor e a mesma fé em Jesus. E se queriam bem e se respeitavam e se enfrentavam quando era preciso.

O que os faz grandes? A fé em Jesus. Pedro diz: “Tu és o Messias, o Filho de Deus vivo”. Paulo: “Combati o bom combate, guardei a fé!”. Eram perseguidos, mas não vencidos. Todos contra eles. Pedro é preso para ser morto. Paulo pronto para ser sacrificado. Pedro é libertado por um anjo e Paulo libertado da boca do leão. Reconhecem: O Senhor esteve ao meu lado, diz Paulo. E Pedro conclui: Mandou-me um anjo para libertar-me.

Lemos em outros textos o quanto foram capazes de mudar para servir a Deus. Levam adiante a missão de estabelecer e confirmar a fé dos irmãos.

A palavra de Jesus a Pedro é fabulosa: “Tu és Pedro e sobre esta pedra (em hebraico, Pedro e pedra, são a mesma palavra: CEFAS) edificarei e minha Igreja e o poder do Inferno nunca poderá vencê-la”.

Pe. Luiz Carlos de Oliveira
Redentorista

Compartilhe

Subir

1 Comentário »

1 Comentário »

  • jacson dandão disse:

    que catequese maravilhosa ,muito importante este comentario sobre a solenidade destas colunas da igreja que por pedro ,nos abre um caminho direto a deus, pedro pedra este e o verdadeiro sentido da igreja,fundamento em cristo jesus.amém…


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Presidente da CNBB reflete sobre tema da CF 2018

Ordenação Presbiteral do Diácono Rodrigo Alves de Oliveira Arruda, SCJ

Carta da Articulação das Pastorais Sociais, CEBs e Organismos da Arquidiocese de Fortaleza acerca da chacina das Cajazeiras e a violência crescente em nossa cidade, estado, país

Voltados ao mistério

Mensagem do Papa para a Quaresma 2018


QR Code Business Card