Atualidades

Homilia da Solenidade de Pentecostes (12.06.11)

Pe. Luiz Carlos, Redentorista

“Santificais a vossa Igreja”

Uma festa para hoje

Pentecostes é um acontecimento atual, como rezamos: “Ó Deus que, pelo mistério da festa de hoje, santificais a vossa Igreja em todos os povos e nações” (Oração). Para tanto são apresentados os povos peregrinos presentes em Jerusalém (Atos 2,1-11). A santificação nos lembra que o Espírito foi derramado sobre cada pessoa. Continuamos pedindo: “Derramai por toda a extensão do mundo os dons do Espírito Santo”. Ninguém controla a ação do Espírito. O que pedimos é que Deus “realize agora, no coração dos fiéis, as maravilhas que foram operadas no início da pregação do Evangelho”. Esta maravilha é o anúncio do Evangelho. A Igreja deve acolher continuamente o dom do Espírito Santo no momento atual e torná-lo sempre presente por meio de sua atitude evangelizadora. Todos entendiam em sua própria língua as maravilhas de Deus. A grande riqueza da Igreja é a abertura a todos os povos e culturas. Grande pecado seria negar a uma cultura o ser apta para receber e testemunhar o Evangelho. Os apóstolos puderam ver que suas pregações eram acessíveis a todos os povos. À medida que o Evangelho foi sendo anunciado, era compreendido por todas as nações. É maravilhoso ver a diversidade existente dentro da Igreja. O Evangelho é para todos os tempos e não se fixa a uma época como sendo a melhor. Seria um pecado contra o Espírito negar esta graça. Por isso Pentecostes é cada vez mais compreendido.

Vinde, Pai dos pobres!

A oração da Seqüência (Hino) chama o Espírito de Pai dos Pobres. Certo é que não tem a intenção de nos dar mais um Pai nos Céus, mas mostrar sua missão com a bondade de um pai generoso que se preocupa com os necessitados. Vemos exaltado, deste modo, o amor do Espírito que dá a vida, é consolo, é presença querida no coração, é descanso, é alívio. Ele lava, purifica, rega, cura, guia e aquece. O Mistério da Terceira Pessoa da Santíssima Trindade, um Espírito inefável, um vento que ninguém controla, tem do Pai o coração, do Filho a solicitude. Ele não é privilégio de escolhidos, mas presente em todos como vida. “O Pai vos dará outro Consolador que estará sempre convosco” (Jo 14,16). Jesus encarnou-se em nossa natureza humana com todos os traços humanos. O Espírito descendo sobre nós, continua presente em nossa humanidade, carente, mas feliz, uma presença paterna e com solicitude materna. É isso que vemos em nossas celebrações: Ele nos faz corpo de Cristo unido pelo Espírito.

Recebei o Espírito Santo

Naquela tarde de domingo, os discípulos, estando fechados em uma sala, Jesus se põe no meio deles. Soprando sobre eles envia-os para a remissão e reconciliação (Jo 20,19). Paulo pede que o pecado não domine mais sobre nós (Rm 6,14). Nosso relacionamento com Deus se faz pelo Espírito, não porque queiramos, mas porque é o único modo, pois a Palavra de Deus nos ensina: “Ninguém pode dizer: Jesus é o Senhor, a não ser no Espírito Santo” (1Cor 12,3). A ação do Espírito nos põe em relacionamento com Deus e com os irmãos. Ele distribui dons para o bem comum. Esses dons se atualizam no corpo de Cristo do qual somos membros e com eles estamos em contínuo relacionamento. Não existe minha religião, minha oração. É todo o Corpo que age como um todo. Não há cristianismo vivido individualmente, mas sim, do individual para o comunitário e do comunitário para o pessoal em vista de todo o Corpo. A salvação eterna se dá dentro da comunidade.

Leituras: Atos, 2,1-11;Salmo 103; 1Coríntios 12,3b-7.12-13;João 20,19-23.

Homilia da Solenidade de Pentecostes (12.06.11)

1. Pentecostes acontece hoje, pois é para todos os povos e nações. Realiza-se agora o mesmo mistério do dom de Jesus. O Espírito é sempre atual. Toda cultura pode acolher o evangelho e anunciá-lo. É bela a diversidade da Igreja, partindo da unidade.

2. A Sequencia chama o Espírito de Pai dos pobres. Tem a missão de mostrar a bondade para com os necessitados. Tem o coração do Pai e a solicitude do Filho. É uma presença paterna com solicitude materna.

3. Os discípulos receberam o Espírito para continuar a missão de reconciliação de Jesus. Nós nos relacionamos com Deus pelo Espírito. Ele nos dá os dons para o serviço do Corpo de Cristo. Não há individualismo em nossa fé.

Pegando fogo dentro d’água.

Jesus passou tantos anos dando o testemunho da Palavra de Deus. Pela sua vida, morte e ressurreição Ele nos abriu as portas do Céu. Estamos salvos. Para que essa beleza penetre nossa vida, dá-nos o Espírito Santo que é a alma do Corpo de Cristo que é a Igreja. Sem o Espírito Santo, não alcançamos a salvação, pois é Ele quem abre os corações à graça.

Todo relacionamento com Deus pela fé, é realizado através do Espírito Santo. Ninguém professa a fé em Jesus a não ser pelo Espírito Santo (1Cor 12,3) É Ele quem faz a união de todos os membros de Cristo que somos nós e realiza a comunhão

Distribui os dons para o bem da Igreja. Esses dons se manifestam através dos serviços.

Jesus nos deu o Espírito para realizar a reconciliação de todo o mundo com Deus e das pessoas entre si. O perdão é o dom da reconciliação.

O Espírito reza em nós, une nossas frágeis orações e as entrega a Deus.

O fogo do Espírito acendeu-se nas águas do Batismo.

Pe. Luiz Carlos de Oliveira, Redentorista

Compartilhe

Subir

1 Comentário »

1 Comentário »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Alto Alegre realiza Festejo

Equipe da 5º Urgência da Região Nossa Senhora da Conceição promove encontro sobre Reforma Trabalhista

Alto do Moinho, em Canindé realiza festejo a seu Padroeiro

São Luís Gonzaga

Muticom de Férias acontecerá em Maranguape (CE)


QR Code Business Card