Atualidades

Homilia da Solenidade de Pentecostes (12.06.11)

Pe. Luiz Carlos, Redentorista

“Santificais a vossa Igreja”

Uma festa para hoje

Pentecostes é um acontecimento atual, como rezamos: “Ó Deus que, pelo mistério da festa de hoje, santificais a vossa Igreja em todos os povos e nações” (Oração). Para tanto são apresentados os povos peregrinos presentes em Jerusalém (Atos 2,1-11). A santificação nos lembra que o Espírito foi derramado sobre cada pessoa. Continuamos pedindo: “Derramai por toda a extensão do mundo os dons do Espírito Santo”. Ninguém controla a ação do Espírito. O que pedimos é que Deus “realize agora, no coração dos fiéis, as maravilhas que foram operadas no início da pregação do Evangelho”. Esta maravilha é o anúncio do Evangelho. A Igreja deve acolher continuamente o dom do Espírito Santo no momento atual e torná-lo sempre presente por meio de sua atitude evangelizadora. Todos entendiam em sua própria língua as maravilhas de Deus. A grande riqueza da Igreja é a abertura a todos os povos e culturas. Grande pecado seria negar a uma cultura o ser apta para receber e testemunhar o Evangelho. Os apóstolos puderam ver que suas pregações eram acessíveis a todos os povos. À medida que o Evangelho foi sendo anunciado, era compreendido por todas as nações. É maravilhoso ver a diversidade existente dentro da Igreja. O Evangelho é para todos os tempos e não se fixa a uma época como sendo a melhor. Seria um pecado contra o Espírito negar esta graça. Por isso Pentecostes é cada vez mais compreendido.

Vinde, Pai dos pobres!

A oração da Seqüência (Hino) chama o Espírito de Pai dos Pobres. Certo é que não tem a intenção de nos dar mais um Pai nos Céus, mas mostrar sua missão com a bondade de um pai generoso que se preocupa com os necessitados. Vemos exaltado, deste modo, o amor do Espírito que dá a vida, é consolo, é presença querida no coração, é descanso, é alívio. Ele lava, purifica, rega, cura, guia e aquece. O Mistério da Terceira Pessoa da Santíssima Trindade, um Espírito inefável, um vento que ninguém controla, tem do Pai o coração, do Filho a solicitude. Ele não é privilégio de escolhidos, mas presente em todos como vida. “O Pai vos dará outro Consolador que estará sempre convosco” (Jo 14,16). Jesus encarnou-se em nossa natureza humana com todos os traços humanos. O Espírito descendo sobre nós, continua presente em nossa humanidade, carente, mas feliz, uma presença paterna e com solicitude materna. É isso que vemos em nossas celebrações: Ele nos faz corpo de Cristo unido pelo Espírito.

Recebei o Espírito Santo

Naquela tarde de domingo, os discípulos, estando fechados em uma sala, Jesus se põe no meio deles. Soprando sobre eles envia-os para a remissão e reconciliação (Jo 20,19). Paulo pede que o pecado não domine mais sobre nós (Rm 6,14). Nosso relacionamento com Deus se faz pelo Espírito, não porque queiramos, mas porque é o único modo, pois a Palavra de Deus nos ensina: “Ninguém pode dizer: Jesus é o Senhor, a não ser no Espírito Santo” (1Cor 12,3). A ação do Espírito nos põe em relacionamento com Deus e com os irmãos. Ele distribui dons para o bem comum. Esses dons se atualizam no corpo de Cristo do qual somos membros e com eles estamos em contínuo relacionamento. Não existe minha religião, minha oração. É todo o Corpo que age como um todo. Não há cristianismo vivido individualmente, mas sim, do individual para o comunitário e do comunitário para o pessoal em vista de todo o Corpo. A salvação eterna se dá dentro da comunidade.

Leituras: Atos, 2,1-11;Salmo 103; 1Coríntios 12,3b-7.12-13;João 20,19-23.

Homilia da Solenidade de Pentecostes (12.06.11)

1. Pentecostes acontece hoje, pois é para todos os povos e nações. Realiza-se agora o mesmo mistério do dom de Jesus. O Espírito é sempre atual. Toda cultura pode acolher o evangelho e anunciá-lo. É bela a diversidade da Igreja, partindo da unidade.

2. A Sequencia chama o Espírito de Pai dos pobres. Tem a missão de mostrar a bondade para com os necessitados. Tem o coração do Pai e a solicitude do Filho. É uma presença paterna com solicitude materna.

3. Os discípulos receberam o Espírito para continuar a missão de reconciliação de Jesus. Nós nos relacionamos com Deus pelo Espírito. Ele nos dá os dons para o serviço do Corpo de Cristo. Não há individualismo em nossa fé.

Pegando fogo dentro d’água.

Jesus passou tantos anos dando o testemunho da Palavra de Deus. Pela sua vida, morte e ressurreição Ele nos abriu as portas do Céu. Estamos salvos. Para que essa beleza penetre nossa vida, dá-nos o Espírito Santo que é a alma do Corpo de Cristo que é a Igreja. Sem o Espírito Santo, não alcançamos a salvação, pois é Ele quem abre os corações à graça.

Todo relacionamento com Deus pela fé, é realizado através do Espírito Santo. Ninguém professa a fé em Jesus a não ser pelo Espírito Santo (1Cor 12,3) É Ele quem faz a união de todos os membros de Cristo que somos nós e realiza a comunhão

Distribui os dons para o bem da Igreja. Esses dons se manifestam através dos serviços.

Jesus nos deu o Espírito para realizar a reconciliação de todo o mundo com Deus e das pessoas entre si. O perdão é o dom da reconciliação.

O Espírito reza em nós, une nossas frágeis orações e as entrega a Deus.

O fogo do Espírito acendeu-se nas águas do Batismo.

Pe. Luiz Carlos de Oliveira, Redentorista

Compartilhe

Subir

1 Comentário »

1 Comentário »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Crianças, adolescentes e adultos se reúnem para formação em Fortaleza

Conduzidos pela mão de Deus

Nota de repúdio dos bispos do Regional CNBB NE1-Ceará diante do escárnio público contra os símbolos sagrados

Em 2017, o Dia Mundial dos Pobres dia será celebrado em 19 de novembro.

Coleta da Campanha Missionária acontece neste final de semana no Brasil e no mundo


QR Code Business Card