Atualidades

Vida Religiosa Consagrada se reúne em Seminário sobre Comunicação

Um seminário de comunicação reuniu religiosos de todo o Brasil, de 1º a 4 de novembro, em São Paulo (SP), para discutir o tema “Novas tecnologias, novas relações na vida religiosa: desafios e perspectivas”. O evento teve a promoção da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) com a Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB).

O presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação, da CNBB, dom Dimas Lara Barbosa, destacou a importância de a Vida Religiosa Consagrada promover um seminário para discutir a comunicação.

“Não tenho dúvidas de que seremos cobrados pelas futuras gerações pelo bom ou pelo mau uso que fizemos ou deixamos de fazer dos meios de comunicação. Quando a própria Vida Religiosa Consagrada, num verdadeiro mutirão nacional, se debruça sobre o tema e porque reconhece que os meios de comunicação não são apenas instrumentos, e sim uma ambiência”, revela dom Dimas, que instiga ainda ser necessário refletir as novas tecnologias, pois afetam efetivamente as relações nas próprias comunidades. “A proposta desse seminário é sinal de que nós levamos a sério a proposta de Jesus e o mandato de evangelizar a todos, o que inclui a geração do continente digital”, ressalta o bispo.

A CNBB e a CRB realizaram este seminário a partir das necessidades e questões relacionada ao tema Comunicação. O papa João Paulo II diz em um de seus discursos que é preciso integrar a mensagem na nova cultura para que a Boa Nova de Jesus Cristo chegue a todos.

A representante da CRB para as Comunicações, irmã Rosa Maria Martins, ressalta ainda que um dos perfis do jovem de hoje é alta-conectividade. Segundo a assessora, as congregações têm dificuldades e se percebem desafiadas em lidar com essa realidade juvenil. “A questão da comunicação é intrínseca. Temos dificuldade em dialogar com eles, muitas vezes não temos uma linguagem acessível e não conseguimos também entender a linguagem deles”, disse irmã Rosa.

O objetivo do seminário foi instigar, buscar, apontar pistas e provocar os religiosos à discussão da importância da comunicação para a ação missionária.

Propostas

Para os participantes, o seminário foi uma proposta positiva, pois é primeira vez que as Conferências propuseram uma discussão voltada especificamente à questão da comunicação. Irmã Jocerlane Silveira dos Santos, Missionária Agostianiana Recoleta, revela que este evento foi, para ela, uma novidade em perceber que a Vida Religiosa Consagrada se preocupa com o tema comunicação. “Estamos nesse meio e no dia a dia utilizamos nos trabalhos acadêmicos, profissional, comunitário, missionário. Esse seminário ajudou a refletir como está a nossa atuação, e como estamos utilizando desses meios que estão à nossa disposição. Muitas vezes descartamos o uso, ou usamos de forma errada. Pensamos que estamos evangelizando e podemos estar manipulando as pessoas. Corremos esse risco. É isso aí, precisamos pensar e discutir a comunicação com as novas gerações. A CRB está de parabéns, pois trouxe pessoas capacitadas para nos ajudarem nessa reflexão”.

Uso das mídias

Irmã Libânia Augusto Nunes, Clarissas Franciscanas Missionárias do Santíssimo Sacramento, conta que a discussão nesse seminário foi válida no sentido de esclarecer o que significa o uso das mídias em nosso cotidiano. “Às vezes a olhamos como um monstro, com medo, pois não a conhecemos. Esse evento me ajudou a despertar para a reflexão de como a comunicação pode ajudar na evangelização, mas que há riscos. Eu não estava atenta à forma como faço uso das mídias e o que isso pode provocar. Penso que esse tipo de encontro deve acontecer com mais frequência para crescermos nessas reflexões”.

Despertar

Para a teóloga Vera Bombonato, da Congregação das Irmãs Paulinas, o seminário foi o primeiro e um despertar para uma problemática diante de uma situação abrangente e desafiadora para a Vida Religiosa Consagrada que é a comunicação. “Claro, não encontramos respostas a partir deste seminário, mas superou as expectativas, no sentido de provocar para a comunicação. Não saímos daqui com respostas prontas, mas temos o dever evangélico de buscar respostas atualizadas. Não podemos nos contentar em repetir chavões, receitas, respostas para perguntas que já não mais existem. Temos de mudar a nós mesmos tentando ouvir os apelos dessa sociedade em transformação, dessas novas tecnologias, da cultura digital, e nos debruçar na busca de caminhos, não de respostas prontas. Penso que a assembleia aqui presente entendeu isso; a busca de caminhos novos para uma nova evangelização que brota de uma nova postura, não apenas de requentar respostas”, desafia a teóloga.

Por CNBB

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018

Editorial – novembro 2017: “Ano do Laicato no Brasil”


QR Code Business Card