Atualidades

Síntese do congresso de 20 anos do Catecismo e sobre o Ano da Fé

Congresso teológico celebrou os 20 anos da publicação do Novo Catecismo da Igreja e marcou a preparação imediata para o início do Ano da Fé. O evento foi realizado nas instações da PUC de Curitiba (PR) e contou com a participação, na abertura, do cardeal dom Raymundo Damasceno Assis, arcebispo de Aparecida (SP) e presidente da CNBB.

Reproduzimos aqui, com autorização do autor, matéria com a síntese da cobertura do evento.

A Igreja no Brasil acaba de dar uma espécie de pontapé inicial para as celebrações do Ano da Fé e dos 20 anos do Catecismo da Igreja Católica (CIC). A CNBB promoveu um congresso teológico nacional sobre os temas e reuniu mais de 200 participantes. O encontro aconteceu na Pontifícia Universidade Católica (PUC) – campus Curitiba (PR) –, entre os dias 7 e 9 de setembro.

O quadro de conferencistas contou com especialistas do cenário teológico brasileiro e também com a presença do secretário da Congregação para a Doutrina da Fé do Vaticano, dom Luis Francisco Ladaria Ferrer. A articulação foi realizada por meio de três comissões episcopais da CNBB: Doutrina da Fé, Animação Bíblico-Catequética e Educação e Cultura.

“O Catecismo é um dos documentos insubstituíveis para o processo de catequese, um precioso dom para a Igreja. É um referencial seguro para a formação e aprofundamento da fé hoje e um dos grandes frutos do Concílio Vaticano II”, ressaltou o presidente da CNBB e arcebispo de Aparecida (SP), cardeal dom Raymundo Damasceno Assis, na abertura do evento.

“A própria construção do congresso foi pedagógica. A união das três comissões tem uma dimensão eclesial e comunitária muito clara: o catecismo e o Ano da Fé não podem ser abraçados de maneira isolada”, assegura o presidente da comissão para a Doutrina da Fé e arcebispo de Brasília (DF), dom Sérgio da Rocha.

A partir das temáticas refletidas, cada comissão deve tirar conclusões específicas para o trabalho que desempenha. “Mas já a experiência de fazer junto foi muito importante. Precisamos somar forças para que a educação da fé seja mais concreta e efetiva. Não temos doutrina da fé – conteúdo – sem a educação da fé – catequese, metodologia. E tudo isso precisa levar em conta o contexto dos interlocutores – cultura. Daí o porquê dessa grande união”, explica o presidente da comissão para a Animação Bíblico-Catequética, dom Jacinto Bergmann.

Reflexos

A organização espera que o congresso tenha reflexos concretos na vida da Igreja no país. O principal deve ser a acolhida renovada do CIC, que já deveria ter sido mais conhecido, divulgado e vivido ao longo desses 20 anos, segundo a avaliação de dom Sérgio da Rocha. O Ano da Fé, que inicia no dia 11 de outubro, torna-se ocasião privilegiada para isso.

Várias temáticas do congresso também reforçaram o aspecto da catequese e de iniciação à vida cristã. Se a catequese é a educação da fé, o CIC é o instrumento que ajuda a concretizar esse processo. “O congresso reforça a concepção de catequese catecumenal e o grande instrumento que é o catecismo. Isso significa dar importância à iniciação das pessoas no seguimento de Jesus, a levá-las a um encontro com o Senhor”, ressalta dom Jacinto.

Um ponto que recebeu especial atenção diz respeito à linguagem do CIC, que seria um agente dificultador para que ele possa chegar às bases das comunidades eclesiais. Uma saída pastoral viável é a produção de subsídios e materiais de apoio que ofereçam o conteúdo por meio de uma linguagem mais palatável.

“A Igreja no Brasil sempre produziu muitos subsídios inspirados no CIC. O congresso reforçou a ideia de fazermos materiais que facilitem o acesso ao catecismo, que apresenta o conteúdo da fé e nos inspira como a vida pode ser consequência do crer em Deus”, reforça dom Jacinto.

O bispo revela que a comissão que preside na CNBB está em processo de elaboração de roteiros que orientem o processo de iniciação à vida cristã, inspirados no CIC.

Programação

O congresso contou com conferências gerais na parte da manhã e com quatro grupos temáticos nas sessões da tarde.

As conferências gerais proferidas por dom Luis Ladaria abordaram as seguintes temáticas: Catecismo da Igreja Católica: gênese, estrutura e perspectivas; Ano da Fé: a fé aberta a todos; Considerações finais sobre o encontro e perspectivas.

O congresso também contou com dois renomados teólogos brasileiros como conferencistas gerais. O padre Mário de França Miranda falou sobre A dimensão individual e eclesial da fé cristã, enquanto frei Carlos Josaphat proferiu o tema Estrutura do Catecismo da Igreja Católica e a vida cristã.

Já os grupos temáticos tiveram os seguintes focos: Fontes do CIC; Temas teológicos transversais no CIC; Catequese e CIC; Fé no CIC. No total, os grupos foram assessorados por 15 especialistas das mais diversas áreas.

Conferências de dom Luis Ladaria

Em sua primeira conferência, no dia 7, o secretário da Congregação para a Doutrina da Fé do Vaticano, dom Luis Francisco Ladaria Ferrer, ressaltou que a essência da atual estrutura do CIC – Profissão de fé, Celebração do mistério cristão, Vida em Cristo e Oração cristã – já está presente nas obras catequéticas dos Santos Padres (grandes homens da Igreja, aproximadamente do século II ao século VII, que firmaram os conceitos fundamentais da fé cristã e são os responsáveis pelo que se chama hoje de Tradição da Igreja). Essa estrutura se manteve constante até hoje.

Logo após, o arcebispo apresentou um histórico dos catecismos anteriores, com ênfase para o primeiro de que se tem notícia e que foi escrito na língua portuguesa, o de Celta (1505), bem como o Romano (1566), fruto do Concílio de Trento. Os escritos eram inicialmente destinados aos párocos, a quem cabia a tradução do conteúdo para os fiéis.

Dom Ladaria ressaltou que o CIC não é um fruto direto do Concílio Vaticano II, mas está em íntima relação com ele. De fato, o Concílio apenas solicitou a elaboração de um diretório que orientasse a elaboração dos catecismos nacionais, o que aconteceu em 1971.

Contudo, nos anos pós-conciliares, apareceram catecismos em diversos países. Alguns problemas de fidelidade à Tradição e ao Magistério, como aconteceu no caso holandês, fez ressurgir o desejo de que houvesse um documento oficial para toda a Igreja. Isso foi concretizado ao final da Assembleia do Sínodo dos Bispos de 1985, que celebrou os 20 anos de encerramento do Vaticano II e fez a solicitação ao Papa.

O CIC foi escrito originalmente em francês e lançado em 1992. Contudo, a edição típica surgiu apenas em 1995, e é a essa que se deve reportar, pois conta com reformulações em diversos pontos, após manifestação das conferências de todo o mundo. Dom Ladaria indicou que houve 24.000 sugestões de emendas, retoques e modificações.

Ao finalizar sua apresentação, o arcebispo recordou a importância do Compêndio do CIC, por sua brevidade, clareza e integridade, e também por tornar possível que as comunidades conheçam as verdades reveladas e transmitidas pela Igreja.

Segunda conferência geral

No dia 8, dom Ladaria falou sobre o Ano da Fé. Ele destacou a “situação dramática” de secularização em muitos países da Europa, mas que também afeta o continente americano. A eliminação da transcendência do horizonte de vida das pessoas traz como conseqüência graves problemas pessoais e sociais.

O Papa Bento XVI já falou diversas vezes de analfabetismo religioso. Nesse sentido, o Ano da Fé tem o objetivo de dar um impulso renovado a toda a Igreja, para que os homens que se encontram afastados possam chegar à amizade com Cristo, que dá vida em plenitude.

“Fé é, antes de tudo, adesão pessoal do homem a Deus. Ao mesmo tempo, é assentimento livre a toda a verdade que Deus revelou. São dois pontos fundamentais”, disse.

Os pontos cardeais do Ano da Fé devem ser a fé confessada, celebrada e testemunhada.

Conferência de frei Carlos Josaphat

O frei dominicano e doutor em teologia moral, Carlos Josaphat Pinto de Oliveira, proferiu a segunda conferência geral do dia 7. Ele ressaltou que a estrutura do CIC está em plena fidelidade à Revelação de Deus e se reporta a dois concílios eclesiológicos, o de Trento e o Vaticano II. De certa forma, o CIC torna operacional a mensagem desses dois concílios, voltados para a reforma e renovação do corpo eclesial.

Frei Josaphat ressaltou a dimensão colegial do trabalho que foi realizado para a escrita do CIC. Ao solicitarem a elaboração do CIC, os bispos reunidos no Sínodo de 1985 apontavam para a oportunidade de se comprovar os fundamentos bíblicos e patrísticos do Concílio Vaticano II. “Esse dado é da maior evidência e é muito oportuna a temática desse encontro. O CIC recolhe e concilia o que há de melhor no antigo e no novo.”

Houve todo um esforço para reelaborar de maneira viva o objetivo do Vaticano II. O CIC coincide com uma estrutura que visa primordialmente os párocos – o que levaria à pregação e constituição de catecismos locais.

“O catecismo atual mostra como o Vaticano II perpetua o essencial dos concílios anteriores e os enriquece. O CIC procura enfrentar o desafio lançado hoje à vida cristã. A escolha e ajustamento dos quatro pilares seguem a opção dos relatores de Trento e o consideram como quadro doutrinal, introduzindo a totalidade das orientações sob o ponto de vista da fé e prática da fé.”

O CIC propõe a vida cristã de maneira integral e ordenada, de tal forma que os fiéis sejam missionários de amor e santidade para um mundo complexo.

Conferência de padre Mário de França Miranda

O doutor em teologia sistemática, padre Mário de França Miranda, enfatizou que as transformações sociais dificultam a fé do cristão e sua relação com a Igreja. Enquanto no passado havia um tecido cultural unitário predominantemente cristão, a atual sociedade plural dificulta sobremaneira o acolhimento e a proclamação salvífica do Evangelho.

A fé cristã é sempre a mesma, mas apresenta compreensões e vivências diversas ao longo da história. Hoje, o cristão experimenta mais a fé como resultado de uma opção livre, de tal forma que interpreta e vive sua existência de modo singular. “A opção cristã é mais consciente e real, e menos uma fé institucionalizada, de certo modo passivamente professada”, avalia o sacerdote.

Além disso, costuma-se ouvir que a fé é dom de Deus, mas, na prática pastoral, esse aspecto não seria devidamente valorizado. Uma vez que a ação do Espírito Santo é sempre universal, deve-se anunciar a partir das dificuldades e realidades vividas por aqueles que estão a nossa volta.

“O modo de expressar o que cremos é tão importante quanto afirmar como cremos. É preciso anunciar a dimensão vivencial da fé aos nossos contemporâneos. A transmissão da fé consiste em transmitir o próprio Deus vivo comunicando-se conosco e, para isso, é preciso de uma aproximação das realidades vividas pela sociedade hoje.”

A multiplicidade de situações e contextos vitais obriga os cristãos a viver a fé em meio a novos desafios, o que exige novas linguagens e práticas. “Nesse sentido, as experiências podem representar uma contribuição importante para o magistério eclesiástico e a teologia. A fé do laicato tem algo a dizer à compreensão mais ampla de fé cristã”, assevera.

De acordo com padre Mário, o centro verdadeiro da Igreja não coincide com o centro de governo e administração. “Devemos corrigir a nossa maneira de olhar a Igreja. A luta pela renovação institucional da Igreja é uma tarefa que compete a cada um de nós. A fé cristã está desafiada pela sociedade, e isso se torna possibilidade para vivê-la com maior autenticidade. A fé eclesial pede a participação ativa em traduzi-la e vivê-la no atual contexto sociocultural. A fé na Igreja nos capacita a olhá-la em sua verdade e, assim, amá-la.”

A matéria e as fotos são do repórter/editor Leonardo Meira e foram publicadas pelo Jornal de Aparecida.

Da página da CNBB

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018

Editorial – novembro 2017: “Ano do Laicato no Brasil”


QR Code Business Card