Atualidades

Especialista explica os conceitos “querigma” e “mistagogia” que integram o tema central

Quando se fala em iniciação cristã, aparecem alguns termos não muito familiares a muitas pessoas. Os documentos de Aparecida, o Ritual de Iniciação Cristã de Adultos (Rica), as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil estão entre os documentos que utilizam os termos querigma e mistagogia, tão próprios do tema central da Assembleia Geral da CNBB.

O doutor em Teologia Pastoral Catequética e professor do Centro Universitário Salesiano de São Paulo (Unisal), padre Luiz Alves de Lima, explica e contextualiza o significado destas palavras.

O texto que será votado pelos bispos nesta semana, a partir de hoje, 1º de maio, durante a 55ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que acontece até o dia 5 de maio, em Aparecida (SP), apresenta a Igreja como uma comunidade querigmática e missionária, mistagógica e materna.

“A palavra querigma é uma extensão de missionário. É um aspecto essencial daquilo que a gente chama uma Igreja missionária, uma Igreja que sai, anuncia Jesus Cristo, fala, como diz o papa Francisco”, aponta padre Lima. Neste novo contexto proposto de uma Igreja em saída, pobre, como a samaritana que está “procurando a água viva que é Jesus”, o querigma é “o anuncio principal do Evangelho, aquilo que é o centro de tudo, aquilo que causa alegria, entusiasmo, as pessoas devem se encantar por Jesus”.

A mistagogia, por sua vez, tem relação e origem na palavra mistério. “Justamente este clima que se cria diante do insondável, daquilo que é maravilhoso, estupendo, que é o mistério de Deus”, explica padre Luiz Alves Lima, que foi um dos assessores da Comissão que preparou o texto do tema central. Mais no campo teológico, este termo remete à reflexão sobre a “metodologia para ter acesso ao mistério de Deus”, a qual compreende o símbolo e o rito.

“O símbolo remete a uma realidade, porque das realidades invisíveis a gente não tem como falar, tem que recorrer ao símbolo, a única realidade que não parece ser, mas é, é a eucaristia, que se transforma no corpo de Cristo, isso é o máximo do mistério de Deus e é rodeado de mistério. Outra palavra para traduzir mistagogia é celebração: celebração, oração, contemplação, leitura orante, são todos elementos que formam aquilo que na Igreja chama-se mistagogia”, enumera.

Uma comparação pode ser feita com a palavra “pedagogia”, que a partir de sua origem etimológica pode ser lida como a condução da criança para o desenvolvimento. Neste sentido, a mistagogia é a ‘pedagogia do mistério’, a condução ao mistério de Deus.

Documentos

O Documento de Aparecida fala do querigma como a maneira prática de colocar alguém em contato com Jesus Cristo e introduzi-lo no discipulado. Já as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE), falam da centralidade do querigma ou primeiro anúncio na missão da Igreja e também da relação estreita entre a catequese e a liturgia, em um contexto em que “sobressai a formação litúrgica, em todos os níveis da vida eclesial, num processo mistagógico, integrando na ação ritual o sentido teológico e litúrgico nela expresso”.

O Diretório Nacional de Catequese fala do processo contido no Ritual de Iniciação Cristã de Adultos (Rica), também apresentado no Itinerário Catequético, publicado em 2014.

Foto: Maurício Sant’ana

Fonte: CNBB

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Nota de repúdio dos bispos do Regional CNBB NE1-Ceará diante do escárnio público contra os símbolos sagrados

Em 2017, o Dia Mundial dos Pobres dia será celebrado em 19 de novembro.

Coleta da Campanha Missionária acontece neste final de semana no Brasil e no mundo

Reunião do Conselho Episcopal Regional (CONSER) Regional Nordeste 1 da CNBB – Ceará

Padre Antônio Niemiec é o novo secretário nacional da Pontifícia União Missionária


QR Code Business Card