Atualidades

Carta por ocasião da “Coleta pro Terra Santa”

Quaresma de 2011

Recordar a Coleta da Sexta-Feira Santa significa evocar um compromisso que remonta à época apostólica. Atesta-o São Paulo, escrevendo aos cristãos da Galácia: recomendaram-nos apenas que nos lembrássemos dos pobres, o que era precisamente a minha intenção (2, 10). E reafirma-o aos irmãos de Corinto (1Cor 16; 2Cor 8-9) e de Roma: houveram por bem fazer uma coleta para os irmãos de Jerusalém que se acham em pobreza (15,25-26).

A Terra Santa espera na fraternidade da Igreja Universal e deseja retribui-lhe através da partilha de uma experiência de graça e de dor que caracteriza o seu caminho. Quer reconhecer, antes de tudo, a graça do Sínodo dos Bispos para o Oriente Médio e da Visita Papal a Chipre. Tais eventos majoraram o interesse do mundo e o retorno de tantos peregrinos sobre os passos históricos do Senhor Jesus. Mas é sensível também à dor pelo acirramento das violências contra os cristãos nas regiões orientais, cujas conseqüências se advertem fortemente na Terra Santa. Os cristãos experimentam a atualidade do martírio e sofrem pela instabilidade ou ausência da paz. O sinal mais segue sendo o seu êxodo contínuo. Algum sinal positivo nestas situações não é suficiente, de fato, para inverter a dolorosa tendência da emigração cristã, que empobrece a área toda das forças mais vitais constituídas pelas jovens gerações.

Cabe-nos, portanto, a nós unir-nos ao Santo Padre para encorajar os cristãos de Jerusalém, Israel e Palestina, da Jordânia e dos Países Orientais circunstantes, com as suas mesmas palavras: Importa não resignar-se jamais à falta da paz. A paz é possível. A paz é urgente. A paz é condição indispensável para uma vida digna da pessoa humana e da sociedade. A paz é também o melhor remédio para evitar a emigração do Oriente Médio (Bento XVI, na homilia conclusiva do Sínodo para o Oriente Médio).

O presente apelo à Coleta inscreve-se na causa da paz, de que os irmãos e as irmãs da Terra Santa desejam ser instrumentos eficazes nas mãos do Senhor para o bem de todo o Oriente.

Ele chega no início do itinerário quaresmal rumo à Páscoa e poderá encontrar o seu ápice na Sexta-Feira Santa, ou em ocasiões consideradas mais favoráveis em cada contexto local. Mas a Coleta é, em toda parte, a via ordinária e indispensável para promover a vida dos cristãos naquela amada Terra.

A Congregação para as Igrejas Orientais se faz porta-voz das necessidades pastorais, educativas, assistenciais e caritativas das suas Igrejas. Graças à solidariedade universal, elas permanecerão inseridas nos sofrimentos e nas esperanças dos respectivos povos, crescendo na colaboração ecumênica e inter-religiosa. Renderão glória a Deus e defenderão os direitos e os deveres das pessoas e das comunidades, a começar do exercício pessoal e público da liberdade religiosa. Por-se-ão do lado dos pobres, sem distinção alguma, contribuindo para a promoção social do Oriente Médio. Sobretudo, viverão as bem-aventuranças evangélicas no perdão e na reconciliação.

O Papa Bento nos convida, porém, a ir além do gesto, ainda que louvável, da ajuda concreta. A relação deve tornar-se mais intensa para alcançar uma “verdadeira espiritualidade ancorada na Terra de Jesus”: Quanto mais contemplamos a universalidade e a unicidade da pessoa de Cristo, tanto mais olhamos agradecidos para aquela Terra onde Jesus nasceu, viveu e Se entregou a Si mesmo por todos nós. As pedras sobre as quais caminhou o nosso Redentor permanecem para nós carregadas de recordações e continuam a «gritar» a Boa Nova… os cristãos que vivem na Terra de Jesus, dando testemunho da fé no Ressuscitado… são chamados a servir como um farol de fé para a Igreja universal e também como fermento de harmonia, sabedoria e equilíbrio na vida duma sociedade que tradicionalmente foi e continua a ser pluralista, multiétnica e multirreligiosa (Exortação apostólica pós-sinodal Verbum Domini, 89).

Agradeço, em nome do Santo Padre, aos pastores e aos fiéis de toda a Igreja toda na confiança de que estes confirmarão a própria generosidade. É a gratidão sincera comum da Igreja Latina reunida na Diocese Patriarcal de Jerusalém e na Custódia Franciscana, bem como das Igrejas Melquita, Maronita, Sira, Armênia, Caldéia, que juntas compõem a Igreja Católica da Terra Santa.

Com as saudações mais fraternas em Cristo Jesus

Leonardo Card. Sandri
Prefeito

✠ Cyril Vasil’, S.I.
Arcebispo Secretario

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Pedra rejeitada

56ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil

POM celebra 40 anos lançando vídeo institucional

Secretaria de Comunicação da Santa Sé fez cobertura total da 56ª Assembleia

No seu onomástico Papa dá sorvete aos mais necessitados


QR Code Business Card