Atualidades

A Igreja a serviço da vida plena para todos

por Pe. Almir Magalhães*

minialmir1As atuais Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil – 2011-2015, registradas no Documento 94 da CNBB, estão construídas a partir da reflexão e da perspectiva de ação de cinco urgências que nas palavras dos próprios bispos, “desejam ser uma resposta aos desafios que emergem em nosso tempo de transformações radicais que geram perplexidade e ameaçam a vida em suas diversas formas” (Diretrizes – Apresentação). Estas mesmas urgências foram assumidas pela Arquidiocese de Fortaleza e o registro está na publicação do seu Plano de Pastoral 2012-2015 elaborado de forma participativa.

Ocupar-me-ei nesta reflexão com uma das urgências, a quinta, que tem como título uma preocupação e ao mesmo tempo uma lacuna pastoral: uma igreja que esteja a serviço da vida.

Qual o motivo da escolha? Em função de sua especificidade, já que é a única que está diretamente ligada com uma Igreja que se relaciona com o mundo, com a sociedade, que aponta para uma Igreja extroversa, que não se volta só para si.

Na concretização desta urgência, dentro do Plano de Pastoral da Arquidiocese de Fortaleza, foram contemplados dois programas e três projetos, todos eles com previsão de data de início para este ano: Programa 1 – Conseqüências sociais da fé no processo de iniciação à vida cristã, com um Projeto: Formação dos cristãos na Doutrina Social da Igreja e Programa 2: Fortalecimento ou reorganização dos organismos a serviço da vida, a partir das urgências pastorais (Pastorais Sociais, CDPDH, Cáritas, Comissão Justiça e Paz e outros), com dois Projetos: Projeto 1 – Promoção dos organismos paróquias a serviço da caridade e Projeto 2 – Identificação das ações, organismos e atividades que estão a serviço da vida.

Ao analisarmos os dois programas e os três respectivos projetos se percebe que os mesmos se situam predominantemente num nível de sensibilização, de conhecer o papel da Igreja no que diz respeito à dimensão social do evangelho, na linha da formação do que propriamente na ação concreta, só aparecendo um pouco a identificação do que já existe, que, talvez possa ajudar aos outros a desenvolverem ações semelhantes. Lembro ainda que nada apareceu no que diz respeito à defesa do meio ambiente.

De qualquer forma, sendo intelectualmente honesto com a constatação e a afirmação de que neste campo, a Igreja (Paróquias e Áreas Pastorais), estão realizando atividades evangelizadoras que apontam para outro rumo e não contemplam esta dimensão da fé, considero que pedagogicamente demos um passo expressivo, abrindo horizonte e consciência eclesial de que este aspecto não pode ficar fora da ação evangelizadora, sendo elemento constitutivo da mesma.

Afinal de contas o que está em jogo em todo este processo? Sempre os pobres e a justiça ou a sua negação, a injustiça. Sobre a justiça o Papa Bento XVI afirmou na sua Encíclica Deus é Amor (25.12.2005) ‘A Igreja não pode nem deve ficar à margem na luta pela justiça… toca à Igreja empenhar-se pela justiça” (n. 28). No mesmo documento faz uma afirmação que é bastante significativa para o momento que vivemos hoje no seio da Igreja: “ Se em minha vida negligencio completamente a atenção ao outro, importando-me apenas com ser “piedoso” e cumprir com meus “deveres religiosos”, então definha a relação com Deus” (n. 18).

Sempre tenho afirmado que os Planos de Pastorais têm uma vocação comum: a gaveta. O ano de 2012 já está acabando; os dois programas e os três projetos desta urgência indicam seu começo para este ano. Vamos abraçá-los.

Pe. Almir Magalhães é Diretor e Professor da Faculdade Católica de Fortaleza, Mestre em Missiologia pela Pontifícia Universidade Gregoriana em Roma.

Artigo publicado no Jornal O Povo no dia 13 de janeiro.

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Paróquia do Mondubim realiza festejo à Nossa Senhora

Papa: as ditaduras começam com a comunicação caluniosa

Dia Mundial do Refugiado promove cultura e debate os desafios do refúgio no Brasil

Nota de falecimento

Aparecida receberá restos mortais de Dom Aloísio Lorscheider, Cardeal repousará na Capela da Ressurreição do Santuário Nacional


QR Code Business Card