Atualidades

Teologia da Libertação e esperança dos pobres

Por Padre Almir Magalhães*

A Teologia da Libertação alcançou, no ano passado, 40 (quarenta) anos de sua existência, se considerarmos como ato teórico fundacional que deu nome ao movimento teológico mais importante nascido na América, o livro do Teólogo Peruano Gustavo Gutierrez, intitulado TEOLOGIA DA LIBEERTAÇÃO, Perspectivas, de 1971.

Esta Teologia sofreu críticas internas e externas, aceita por muitos, mal compreendida por outros, sofreu distorções em torno de sua compreensão. Ela foi objeto de dois documentos oriundos da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé: o primeiro, em 6 agosto de 1984 intitulado Libertatis Nuntius, ( reflete sobre alguns aspectos da TdL) considerado mais negativo e chamava a atenção para os perigos de desvios prejudiciais à fé e à vida cristã, sobretudo em relação ao corte marxista da mesma; o segundo, em 22.3.86, intitulado Libertatis Conscientia, (sobre a Liberdade Cristã e a Libertação), considerado como de um tom mais positivo. Este segundo documento foi objeto de citação pelo Papa João II numa carta aos Bispos da CNBB datada de 9.4.86, por ocasião do encerramento da Visita Ad Limina, oportunidade em que o mesmo assim se expressou:

Na medida em que se empenha por encontrar aquelas respostas justas – penetradas de compreensão para com a rica experiência da Igreja neste País, tão eficazes e construtivas quanto possível e ao mesmo tempo consonantes e coerentes com os ensinamentos do Evangelho, da Tradição viva e do perene Magistério da Igreja – estamos convencidos, nós e os Senhores, de que a teologia da libertação é não só oportuna mas útil e necessária. Ela deve constituir uma nova etapa – em estreita conexão com as anteriores – daquela reflexão teológica iniciada com a Tradição apostólica e continuada com os grandes Padres e Doutores, com o Magistério ordinário e extraordinário e, na época mais recente, com o rico patrimônio da Doutrina Social da Igreja, expressa em documentos que vão da Rerum Novarum à Laborem Exercens.

Dois aspectos continuam relevantes na TdL e válidos para todos os cristãos: a práxis, ou seja, a TdL nos motiva para uma prática, para uma concretude que se expressa em estar junto aos que sofrem, em conhecer, participar, refletir e agir diante da vida dos irmãos e da natureza; a mediação disso é a opção preferencial pelos pobres. Com as transformações sociais estes tomaram novos rostos, mas continua o referencial do empenho pela dignidade humana, pela defesa da vida. Esta presença cristã, na fidelidade ao Evangelho é gestadora de esperança. Neste sentido, a TdL nos convida a uma ascese: mudar o perfil de nossas práticas, restritas à vida íntima da Igreja, sair da sacristia e ir ao encontro do próximo não para ensinar, fazer exigências sacramentalistas, mas para partilhar, ser solidário.

O segundo elemento é de ordem político-pedagógica: evitar o assistencialismo e a prática da caridade reduzidas a cestas básicas, sopões e similares (a não ser em casos emergenciais) e considerar o pobre como interlocutor, SUJEITO DE SUA HISTÓRIA, com motivações evangélicas, como cidadãos do mundo, com deveres e direitos. Aqui o destaque é para o valor da dignidade humana. O pobre não deve ser objeto de favores, de concessões, de medidas compensatórias, mas pessoas capazes de construir, a partir da esperança, um lugar, um bairro, uma sociedade diferentes.

Intriga-me sobremaneira as reações dos agentes de pastoral (padres, leigos, bispos) sobre a TdL sem conhecê-la. Constroem seus conceitos unicamente a partir de um patrimônio de críticas que foram elaboradas e repetem-nas utilizando aquilo que criticam, o ideológico. Por isso faço um convite – conheçam a TdL, leiam os dois documentos da Cúria Romana a respeito dela, conheçam o Pensamento Social da Igreja, as Encíclicas Sociais… abram os horizontes para além dos conceitos, idéias, chaves de leituras que concordam e assim o diálogo com o diferente pode tornar-se frutuoso. Nada de fechamento.

*Sacerdote da Arquidiocese de Fortaleza, Dirietor Geral e Professor da Faculdade Católica de Fortaleza.

Artigo publicado no Jornal  O Povo em

 http://www.opovo.com.br/app/opovo/espiritualidade/2012/08/11/noticiasjornalespiritualidade,2897473/teologia-da-libertacao-e-esperanca-dos-pobres.shtml

Compartilhe

Subir

2 Comentários »

2 Comentários »

  • Márcia Faria disse:

    Deus que me perdoe mas a minha esperança esta em Deus Pai, minha esperança está no perdão dos meus pecados onde me arrependo e ali está no confessionário um Padre no qual me da absolvição dos meus pecados, Jesus mesmo disse assim: o Reino não é deste mundo, portanto do que vale ganhar o mundo e perder sua alma hem senhores padres da teologia da libertação?
    De padres como vocês quero distância, pena que ainda tem ignorantes que os seguem por falta de conhecimento, vocês vivem para o mundo e não para Deus, são os guias cegos levando outros cegos para o abismo literalmente, que Deus tenha compaixão de vocês quando suas almas forem entregue ao tribunal do Amor Divino!

  • Carlos disse:

    VATICANO, 05 Dic. 09 / 08:22 am (ACI)

    O Papa Bento XVI advertiu sobre os perigos da teologia da libertação marxista e encorajou a superar as suas graves consequências no meio das comunidades eclesiais, como a rebelião e discórdia, à luz da Instrução Libertatis Nuncius que completa 25 anos de publicação e foi escrito quando ele era prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé.


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Planilha de contribuição das paróquias e das áreas pastorais: outubro de 2017

Festa da Paróquia Nossa Senhora das Graças – Santa Maria

“I Aviva Povo de Deus”

Paróquia Nossa Senhora das Graças e São Pedro na Praia da Tabuba, em Caucaia – CE.

Material que foi veiculado no Jornal JCTV na Rede Vida de Televisão


QR Code Business Card