Atualidades

Tempo de graça – louvar e bendizer

São Francisco de Sales (Itália, 1567-1622), homem de vasta sabedoria, formado em direito, antes de abraçar a vida sacerdotal, destacando-se como um místico, na oração e na espiritualidade, “fazendo-se tudo para todos”, grande orador e escritor, foi bispo de Genebra – Suíça e Doutor da Igreja. Para quem não sabe, ele é o padroeiro dos jornalistas e escritores católicos.

Visto sempre como uma referência e exemplo de mansidão, no serviço aos irmãos, inflamado de uma admirável ternura, bem que pode nos inspirar, no sentido de melhor compreender o “Ano da Fé”, proclamado pelo Papa Bento XVI, no dia 11 de outubro de 2011. O Romano pontífice quis dizer com todas as letras que os cristãos são chamados a professar a fé na Trindade – Pai, Filho e Espírito Santo. “O pai, que na plenitude dos tempos enviou seu Filho para a nossa salvação; Jesus Cristo, que redimiu o mundo no mistério da sua morte e ressurreição; o Espírito Santo, que guia a Igreja através dos séculos, enquanto aguarda o regresso glorioso do Senhor”. 1

A vida da humanidade será autêntica e verdadeiramente cristã quando se fizer notar, num profundo e constante desejo de renovação, percebida na criatividade da fé e da esperança. É claro que nunca podemos duvidar nas mais diversificadas fases e circunstâncias, do Espírito Santo de Deus, com sua atuante e, ao mesmo tempo, forte presença vivificadora no mundo e na Igreja. É o Espírito Santo que ilumina as nossas ações. Evidentemente, é necessário que nos deixemos conduzir por ele, para fugirmos não só da superficialidade, mas também da hipocrisia, bastante visível no nosso mundo. Daí o Sumo Pontífice lembrar uma coisa fundamental: “A necessidade de redescobrir o caminho da fé para fazer brilhar, com evidência sempre maior, a alegria e o renovado entusiasmo do encontro com Cristo”. 2

É dever nosso, olhar para a terceira pessoa da Santíssima Trindade, com fonte e centro de dons e bênçãos, unindo as pessoas de todas as classes, raças e culturas. Assistidos pelo mesmo Espírito, suplicamos a sabedoria e o entendimento, para bem respeitar o direito e estar atento às iniciativas e ao pluralismo, fortemente presente na sociedade hodierna. Urge que tenhamos como base a justiça, na certeza de que a retribuição e a recompensa virão de Deus. “O justo florescerá como a palmeira; crescerá como o cedro do Líbano, plantado na casa do Senhor, nos átrios de nosso Deus” (Sl 91, 13).

Portanto, é um compromisso nosso, louvar e bendizer a Deus. Bendizer e louvar, fundamentalmente, quer significar dar graças com gestos e palavras, agradecer e celebrar, a partir do coração. Ninguém melhor do que Isabel para compreender, na visita de Maria, sua prima, exclamando em voz bem alta: “Bendita és tu entre as mulheres e bendita o fruto do teu ventre” (Lc 1, 42). Como Isabel, podemos contar sempre com as bênçãos de Deus em nossa vida, de um Deus que resgata a humanidade infiel e, ao mesmo tempo, não dispensa a sua e a nossa colaboração, para que Deus realize a redenção universal, tão evidente no sim de Maria, ao dizer com firmeza: “Eis aqui a serva do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra!” (Lc 1, 38).

Pela palavra bendita entendemos contemplada e abençoada por Deus. Isabel se alegra e se enche de graça porque Maria foi escolhida por Deus, para bem desempenhar uma tarefa grandiosa e misteriosa, a de contribuir decisivamente na salvação do Povo de Israel, cumulando-o de bens, na pessoa do Filho Eterno do Pai, “Jesus Cristo, ontem, hoje e por toda eternidade” (Hb 13, 8). Ele é causa, segundo o Papa de descruzarmos os braços: “Trabalhai, não pelo alimento que desaparece, mas pelo alimento que perdura e dá a vida eterna” (Jo 6, 27).3

“Que toda a terra se proste diante de vós, ó Deus, e cante louvores ao vosso nome, Deus altíssimo!” (Sl 65, 4). Precisamos, a exemplo da Virgem Maria, aproveitar bem o tempo, que é dom precioso, concedido por Deus, para edificar a nossa própria história, não perdendo de vista a construção de uma sociedade justa, fraterna e solidária, para que entremos na lógica de Deus, sempre acreditando e aceitando o projeto de Deus, através do Evangelho, nas palavras do Sucessor de Pedro: “Que haveremos nós de fazer para realizar as de Deus?” (Jo 6,28). Conhecemos a resposta de Jesus: “A obra de Deus é esta: crer n’Aquele que Ele enviou” (Jo 6, 29). 4

O referido Ano da Fé, com seu início para o dia 11 de outubro de 2012, no cinqüentenário da abertura do Concílio Vaticano II e com seu término para a solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo, aos 24 de novembro de 1213,5 o Papa Bento XVI o entrega à Mãe de Deus, proclamada “feliz porque acreditou”, confiamos este tempo graça.

Pe Geovane Saraiva, Pároco de Santo Afonso – pegeovane@paroquiasantoafonso.org.br / http://twitter.com/pegeovane / ww.paroquiasantoafonso.org.br

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018

Editorial – novembro 2017: “Ano do Laicato no Brasil”


QR Code Business Card