Atualidades

Subir para Deus, descer aos humanos

“Se sua mística não se transformar em compaixão, não está vivendo na verdade. É preciso movimentar-se nos dois polos: subir a Deus para descer aos humanos”

Padre Almir Magalhães*

Vou me inspirar num dos maiores místicos do século XX, Thomas Merton, para consolidar esta reflexão. Monge Trapista, nascido em 31 de janeiro de 1915 e falecido de forma curiosa em 10 de dezembro de 1968, sendo considerado um mártir. Era da Abadia de Gethsemani, Kentucky, centro-sul dos Estados Unidos. Escritor, Poeta e Ativista Social.

Como referência, tomo as indicações de uma excelente publicação, de autoria de Antonio Getúlio Bertelli (um estudioso de Merton), intitulado Mística e compaixão – a teologia do seguimento de Jesus em Thomas Merton (Paulinas, 2008).

Para este monge, o conceito de compaixão é um corretivo de mística: “nenhuma mística é autêntica se não se converte em compaixão”. A compaixão implica desta forma uma responsabilidade sobre o outro, sobretudo os que estão em situação de abandono e de exclusão. Sendo assim, “a compaixão corrige e equilibra a mística: a experiência do encontro com o mistério de Deus não se dá unicamente na interioridade fechada, mas na exterioridade face a face com o outro” (cf. A. Getúlio, p. 18).

Aqui aponto para o título deste artigo – a mística deste autor é apresentada segundo um duplo movimento – vertical: subir para Deus, ter este encontro com o mistério divino e outro movimento horizontal: descer aos humanos. Daí se conclui que a plenitude da espiritualidade do seguimento se dá não de forma unilateral, eu e meu Deus, mas quando este encontro provoca a compaixão, a solidariedade, com a situação dos outros. Esta situação tem nomes, locais, endereços e é fácil de ser encontrada em nossos bairros e paróquias.

Parece que há, no nosso entender, uma lacuna e um descompasso entre a espiritualidade de Merton com a espiritualidade predominante, na medida em que sobrevivemos espiritualmente numa verticalidade, num olhar para cima e ter vontade de armar nossas tendas no êxtase, na catarse, no bem-estar que esta incomensurável experiência proporciona (cf. Mt. 17, 1-5 – Cena da transfiguração: Como é bom estarmos aqui Senhor! Vamos armar três tendas…).

Não estou descaracterizando esta espiritualidade, mas refiro-me à lacuna, ao descompasso, e que para a espiritualidade ter sua completude precisa de um outro elemento – descer aos humanos.

O atual papa, quando do discurso inaugural da Conferência de Aparecida no dia 13 de maio de 2007, afirmou que “santidade não é fuga para o intimismo ou para o individualismo religioso, tampouco abandono da realidade urgente dos grandes problemas econômicos, sociais e políticos da América Latina e do mundo, muito menos fuga da realidade para um mundo exclusivamente espiritual”. (DI n. 3 e no Doc. 148). Vê-se, portanto, que o papa assina embaixo, com esta sua afirmação, das ideias de Merton.

Relevante também na espiritualidade de Thomas Merton é que ele une mística e profecia. Diante do seu contexto, vivendo num país poderoso, foi o primeiro padre católico a denunciar a violência no seu país, a imoralidade da guerra do Vietnã, a condenar o uso da bomba atômica numa suposta “guerra justa”. Sobre a guerra contra o Vietnã, “considerou chocante e antievangélica a atitude do cardeal Francis Spellman, arcebispo de Nova York, abençoando os canhões que iriam destruir milhares de vidas humanas, crianças, mulheres e adultos no Vietnã”. (Fato já bastante conhecido e de domínio público, citado no livro de A. Getúlio, p. 80).

Acredito que o conhecimento dos escritos deste místico, pode nos ajudar a entender o que significa uma espiritualidade do seguimento de Jesus. Sua experiência de conversão teve um processo e um ritmo – do mundo ao mosteiro, vivendo o paradigma clássico de desprezo ao mundo, fuga mundi. Depois de viver 17 anos como monge, percebeu que não há oposição, mas sim distinção entre sagrado e profano, natural e sobrenatural. Em 1958, acorda: Se sua mística não se transformar em compaixão, não está vivendo na verdade. Cada um tem o seu processo, mas é preciso movimentar-se nos dois polos: subir a Deus para descer aos humanos.

*Padre Almir Magalhães é diretor e professor da Faculdade Católica de Fortaleza, Seminário da Prainha e mestre em Missiologia pela Pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma.

Fonte: Jornal do Povo (08 de julho 2012). Caderno Espiritualidade. Leia em: http://www.opovo.com.br/app/opovo/espiritualidade/2012/07/07/noticiasjornalespiritualidade,2874017/subir-para-deus-descer-aos-humanos.shtml

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Paróquia do Mondubim realiza festejo à Nossa Senhora

Papa: as ditaduras começam com a comunicação caluniosa

Dia Mundial do Refugiado promove cultura e debate os desafios do refúgio no Brasil

Nota de falecimento

Aparecida receberá restos mortais de Dom Aloísio Lorscheider, Cardeal repousará na Capela da Ressurreição do Santuário Nacional


QR Code Business Card