Atualidades

Solenidade da Santa Mãe de Deus, Maria

No dia de 1º. de  janeiro de 2017 a Igreja Católica celebra a Solenidade da Santa Mãe de Deus, Maria. A Igreja Católica sempre tributou a Maria uma veneração, uma imitação, um amor muito especial, desde o início do Cristianismo. O motivo, porque ela é a Mãe de Jesus, o Filho de Deus e nosso Salvador. Jesus Cristo é o único Salvador e Redentor. Jesus é o Filho de Deus, igual ao Pai e ao Espírito Santo na natureza. À Jesus devemos o culto máximo de adoração. Em relação à Maria: ela é uma criatura como nós, criada por Deus. À Maria não devemos a culto de adoração, mas veneração, amor e imitação. Decerto, Deus não tem mãe.

Porém, Maria é Mãe de Jesus, Mãe de Deus, porque Jesus é Deus. Em Deus há três pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo. O Filho  eterno como o Pai e o Espírito Santo, por vontade do Pai se encarna para salvar a humanidade. A divindade do Filho de Deus se uniu à humanidade no seio de Maria, e esta, por obra do Espírito Santo, gerou, deu à luz a pessoa de Jesus Cristo, que é o Filho de Deus. Maria, então sendo Mãe de Jesus Cristo, e este sendo homem e Deus, é Mãe do Filho de Deus feito homem e Mãe de Deus. A festa de hoje remete também à renhida discussão teológica que reclamou para Maria o título de “Theótokos”, “Genitora (Mãe) de Deus”. O Concílio de Éfeso (431) proclamou este dogma mariano católico afirmando que Maria é Mãe de Deus. Este mesmo Concílio insistiu que Jesus foi iguala nós em tudo menos o pecado (Hb 4,15) e viveu e sofreu na carne de maneira verdadeiramente humana. Vinte anos depois, o Concílio de Calcedônia chamou Jesus “verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem”. É por ser Mãe de Jesus humanamente que Maria é chamada Mãe de Deus, pois a humanidade e a divindade em Jesus não se podem separar. Dando Jesus ao mundo Maria deu Deus a todos nós.

A própria Bíblia prova que Maria tem este título de Mãe de Deus. “O Senhor mesmo vos dará um sinal: Eis a virgem que concebe e dá à luz um filho que se chamará Emanuel (Deus conosco)”(Is 7,14).  “O anjo disse à Maria: Não tenhas medo Maria, encontraste graça junto de Deus. Eis que conceberás e darás à luz um filho, e o chamarás com o nome de Jesus. Ele será grande, será chamado Filho do Altíssimo. Maria, porém, disse: como é que vai ser isso se eu conheço homem nenhum? O anjo respondeu: O Espírito santo virá sobre ti e o poder do Altíssimo vai te cobrir com a sua sombra, por isso o Santo que nascer de ti será chamado Filho de Deus” (Lc 1, 30-35).

Católicos acreditam que Deus Pai escolheu Maria, desde toda a eternidade para ser a Mãe de seu Filho Jesus. Quem não respeita Maria, está contra essa determinação de Deus Pai! Também que não respeita Maria, está contra as palavras do anjo na Bíblia. Um anjo do céu se apresentou diante de Maria e com muito respeito a saudou: “Ave, cheia de graça” (Lc 1, 28). E Maria disse: “Desde este momento todas as gerações me chamarão de bem-aventurada” (Lc 1, 48). São palavras escritas na Bíblia, Palavras de Deus.  Maria é a mãe do Corpo Místico de Cristo, a Igreja e, portanto, a nossa mãe também. Acreditamos que Ela intercede ante o Senhor da história por todos nós.

Pe. Dr. Brendan Coleman Mc Donald

Redentorista e Assessor da C NBB Reg. NE1

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Na celebração do I Dia Mundial dos Pobres Arquidiocese lança a 9ª Festa da Vida

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018


QR Code Business Card