Atualidades

Sede de felicidade

Deus seja louvado, amado e glorificado, em nossos irmãos e amigos falecidos, na certeza de que neles o amor de Deus fixou morada, cresceu e se fez dom para o mundo, no mais elevado espírito de confiança e na feliz bem-aventurança, indicadores daquele caminho, pelo qual deve prevalecer uma enorme sede de eterna felicidade, raiz maior do cristianismo, dadivosa vida, associada ao nosso bom e terno Deus. Que nossa reflexão sobre o tema da morte nos conscientize de que a bondade de Deus é sem limites, ao socorrer a dor e a angústia humana de toda natureza.

Compreendemos que somos limitados, que não conseguimos dar um passo a mais diante de tragédias, tensões e situações de limites. Elas nos ensinam e revelam algo precioso: a certeza de que a realidade dura e pesada dos sinais de morte nos engrandece e humaniza, dizendo-nos que a vida está acima de tudo. Daí olhar para a realidade da morte como nossa amiga, irmã e companheira inseparável. O exemplo tão bem conhecido vem de Francisco de Assis, ao dizer, com grande fé, sabedoria e confiança: “Louvado seja Deus pela irmã morte”.

O grande romancista, dramaturgo, poeta e maior escritor espanhol, Miguel Cervantes (1547-1616), em seu clássico da literatura ocidental e obra-prima “Dom Quixote”, nos estimula no sentido de jamais perder a coragem de lutar e viver de bem com a vida, na seguinte afirmação: “Quem perde seus bens, perde muito; quem perde um amigo, perde mais; mas quem perde a coragem, perde tudo”. Aos olhos de Deus é a esperança do encontro beatífico e sagrado, quando a criatura humana irá participar da promessa da feliz eternidade.

A Carta aos Hebreus diz que “nós não temos aqui nenhuma cidade permanente, estamos à procura da cidade que há de vir” (cf. Hb 13, 14). O mundo deveria ser bom e, igualmente, as cidades deveriam ser boas.

Que as pessoas de boa vontade saibam perceber a bondade de Deus, na busca do seu próprio bem e do próximo, contribuindo para a harmonia do mundo como um todo, feito para nós, suas criaturas, na sede da eterna felicidade, agarrando-nos na força daquele que está acima das dores, angústias e tristezas humanas: “Sabemos que, quando Jesus se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque o veremos tal como ele é” (cf. I Jo 3, 2). Dentro do contexto da recompensa celestial, não obstante a criatura humana fixar morada em cidades, mas por vontade do Criador e Pai, somos convidados a nunca perdermos de vista a cidade do céu, a Jerusalém do Alto.

Encerramos com Santo Agostinho, na beleza de sua obra “A cidade de Deus”, colocando-nos diante do mistério acima e propondo uma escolha: “Dois amores fundaram duas cidades, a saber: o amor próprio, levado ao desprezo a Deus, a terrena; e o amor a Deus, levado ao desprezo de si próprio, a celestial”. Assim seja!

Padre Geovane Saraiva

*Pároco de Santo Afonso e vice-presidente da Previdência  Sacerdotal, integra a  Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza – geovanesaraiva@gmail.com

 

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Segundo Encontro com os Secretários Paroquiais da Região Episcopal Sertão São Francisco das Chagas

Nota de falecimento de padre Gerardo H. Van Rooyen

Liturgia Diária: Evangelho – Mt 7,6.12-14

Papa: cristão não precisa de horóscopo, aberto às surpresas de Deus

A herança missionária de Pedro

QR Code Business Card