Atualidades

São Bento de Núrsia: “ora et labora”

No dia 11 de julho de 2017 a Igreja Católica celebra a festa de São Bento de Núrsia. Bento nasceu em Núrsia em 480. Seus pais, de família nobre, o enviaram para Roma a fim de que se formasse nas ciências liberais, visando uma boa colocação na magistratura. Porém, não gostou de Roma e logo se retirou para Subíaco, uns 50 km ao leste de Roma nos Montes Abruzos.  Lá ele viveu como monge entregando-se à oração, à meditação e à ascese cristã.  Não existiam ainda, na Itália, instituições monásticas, ao contrário do Oriente, onde já havia uma tradição a respeito. Ficou três anos na solidão de uma gruta como eremita e monge. Depois com um grupo de monges chegou a fundar doze mosteiros com doze monges em cada mosteiro. De Roma vieram importantes patrícios e senadores para colocaram-se sob sua direção.

Com essas pessoas estabeleceram em Monte Cassino, no meio do caminho entre Roma e Nápoles, onde Bento ficou até sua morte. A expansão que alcançou esta iniciativa monástica foi realmente impressionante. Duzentos anos mais tarde, a Regra beneditina vigorava em toda a Europa eliminando quase todas as outras formas de vida consagrada. A Regra de São Bento foi a primeira tentativa de racionalização da vida monástica de uma comunidade de homens.  Sobre o tema “ora et labora”  “oração e trabalhar” organizaram  “o trabalho de Deus” distribuindo racionalmente o tempo da jornada diária. Colocaram grande ênfase na obediência e silêncio. O trabalho era para evitar a ociosidade. A oração levava o monge à altura da doutrina e da perfeição. Tudo sob o olhar do abade, pai e primeiro entre iguais.

Os mosteiros beneditinos se tornaram na Idade Média centros de espiritualidade, cultura e ciência. Vinte três beneditinos chagaram a serem papas! Alguns quilômetros de Monte Cassino, Santa Escolástica, irmã de São Bento, adotou a Regra para as mulheres, dando origem às mongas beneditinas.

São Bento faleceu em Monte Cassino em 547 no dia 21 de março, com 67 anos de idade. Sua figura histórica deixou pegadas na literatura cristã, na arte, e especialmente sobre a vida religiosa consagrada. Foi proclamado patrono da Europa, em 1964, por Paulo VI, por sua contribuição e a de seus monges, para a evangelização e civilização de diversas regiões desse continente.

Pe. Brendan Coleman Mc Donald, Redentorista

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Liturgia Diária: Evangelho – Lc 10,38-42

Grande Festa da Catequese na Paróquia da Vila Manoel Sátiro

Paróquia da Glória realiza Ação Social 2017

Lazer do Clero, Ordenação Diaconal e 14º Nordestão de  Presbíteros

Bíblia Jovem pe lançada em Fortaleza


QR Code Business Card