Atualidades

Santos Padroeiros

O mês de janeiro traz marcas evidentes de nossa tradição cultural e religiosa. O dia 20, por exemplo, é a festa de São Sebastião, padroeiro do Rio de Janeiro. E no dia 25, a festa de São Paulo coincide com o aniversário da fundação da cidade, em 1554.

E assim daria para lembrar diversos ouros nomes de Estados e Cidades, que levam o nome de santos. São Salvador da Bahia é o nome da primeira capital do país. E a baía que banha a cidade e os seus entornos é nada mais do que a Baía de Todos os Santos!

Se a cidade tem nome, o seu padroeiro serve de sobretudo. Ou vice versa, tanto faz.

Assim, por exemplo, se chamava a “província” situada no extremo sul do país, a “Província de São Pedro do Rio Grande”. Depois São Pedro ficou esquecido, ou relegado a padroeiro da Catedral da cidade de Rio Grande, onde fica o porto, bem maior que o “Porto Alegre dos Casais”, que também deixou os “casais” pelo caminho, para ficar com a alegria do porto!

Santa Catarina era o nome da Ilha. Depois emprestou seu nome a todo o Estado!

O Maranhão, desde o começo, foi batizado como “São Luiz do Maranhão”, colonizado pelos franceses, que quiseram honrar o rei que tinha sido santo, no mesmo trono de tantos outros que com certeza não o foram!

O Estado do Espírito Santo já foi mais atrevido, invocou o nome de uma das três pessoas da Santíssima Trindade.

Ao redor de São Paulo se ensaiou uma espécie de ladainha de todos os santos, com o famoso ABC – Santo André, São Bernardo e São Caetano, que prolongam a megalópole, acrescentando alguns milhões de habitantes, aos muitos que a capital já tem.

 Em todo o caso, a invocação dos padroeiros evidencia a intuição da fé cristã, que nos alerta, com discrição e insistência, que esta vida tem outro lado, tem outra dimensão, tem outro significado, que simbolicamente é expresso pelo nome do Santo que acompanha o toponímio.

Sem a invocação de um santo o nome parece incompleto.

É o caso pitoresco que aconteceu com uma cidade da Diocese de Jales. O fundador lhe deu o nome de sua filha, Albertina, para que assim se chamasse a cidade que ele fundou. Mas, o povo achou pouco. Acrescentou o adjetivo “santa”. De modo que, oficialmente, a cidade passou a ser chamar de “Santa Albertina”. Acontece que não existe no calendário cristã esta santa! Mas assim mesmo o povo fez questão que a cidade se chamasse de “Santa Albertina”!

Ainda bem que agora a Igreja está providenciando uma Santa Albertina de verdade, com a beatificação da adolescente que morreu em defesa de sua dignidade, a Albertina Berkenbrock, cuja canonização se espera para breve. Assim Santa Albertina terá uma santa de verdade para invocar como sua padroeira.

Moral da história: quer levemos o nome de algum padroeiro, ou não, a melhor proposta é seguir os santos, e garantir um lugar junto deles no céu, pois a geografia aqui na terra não está muito garantida, não!

Dom Demétrio Valentini, bispo de Jales (SP)

Fonte: Adital

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018

Editorial – novembro 2017: “Ano do Laicato no Brasil”


QR Code Business Card