Atualidades

Santa Teresinha: confiança, simplicidade e humildade

padre Geovane Saraiva NOVA2Por Padre Geovane Saraiva*

Santa Teresinha do Menino Jesus foi chamada para o seio do Pai há 116 anos, aos 30 de setembro de 1897. Como poderia se tornar padroeira das Missões uma monja de vida contemplativa, sem jamais deixar a clausura, de uma vida tão curta? Quais as realizações de Teresinha para merecer tão honroso título? Veja o que ela disse: “Quereria percorrer a terra, pregar o teu nome, implantar no solo infiel a tua cruz gloriosa, mas, ó meu Bem Amado, uma missão só não me bastaria: Quereria, ao mesmo tempo, anunciar o Evangelho nas cinco partes do mundo e até nas ilhas mais longínquas”.1

Foi no dia 14 de dezembro de 1927, que o Papa Pio XI proclamou Santa Teresinha do Menino Jesus padroeira principal de todos os missionários, homens e mulheres e de todas as missões existentes sobre a terra, juntamente com São Francisco Xavier, com todos os direitos e privilégios deste título, aquela que sempre alimentou o maior de todos os sonhos: “Quereria ser missionário, não apenas durante alguns anos, mas quereria tê-lo sido desde a criação do mundo até à consumação dos séculos. Mas quereria, sobretudo, ó meu Bem Amado Salvador, derramar o meu sangue por Ti, até à última gota”.2

Tenho a profunda convicção de que Santa Teresinha fundamentou a sua vocação contemplativa e missionária na Palavra de Deus, no imperativo de Nosso Senhor Jesus Cristo: “Ide pelo mundo inteiro e pregai e Evangelho a toda criatura” (Mc 16, 15), oferecendo-lhe a sua curta existência, ao colocar no coração da Igreja sua silenciosa, alegre e generosa doação, como uma perfeita oferenda.

Sua extraordinária atividade consistiu em realizar a vontade de Deus, começando nas pequenas coisas, como afirma o Evangelho: “Quem é fiel nas coisas pequenas também será nas grandes” (Lc 16, 10). Ela que não implantou obras, as quais merecessem aplausos das pessoas e do mundo. Também não fundou mosteiros como fez Santa Teresa de Jesus (Teresa D’Ávila) e também não abraçou o anúncio do Evangelho, através da profecia, do ardor, do entusiasmo e do despojamento, na renúncia e doação generosa, a exemplo do apóstolo do Oriente, São Francisco de Xavier. Santa Teresinha quis mostrar ao mundo o quanto é importante e salutar a aceitação das nossas próprias limitações e da nossa pequenez. Que não devemos nos envergonhar da nossa humanidade. Não há nada de especial e extraordinário na vida dessa monja, a não ser a sua simplicidade, humildade e confiança inabalável no amor misericordioso de Deus e Pai.

Seu jeito de viver consistiu na grandiosa e inigualável busca da vontade de Deus, de tal modo foi, que nos dias de hoje é considerada a maior Santa dos tempos modernos. Santa Teresinha nos ensina que a oração é o sustento da nossa ação missionária e que o sucesso no nosso trabalho depende da nossa íntima e estreita união com Deus, nos quais a contemplação da face de Deus é a arma imprescindível e poderosíssima, no sentido de sensibilizar as pessoas na realização de seus sonhos e projetos.

Santa Teresinha morreu consumida pelo amor, prometendo que faria descer sobre a terra uma contínua chuva de rosas. Ela a realizou e continua a realizar essa promessa, vivendo na presença de Deus, realidade inexprimível e indizível, nos incontáveis milagres, compreendido a partir da Palavra da verdade e no Espírito santificador. Para a nossa reflexão, eis o seguinte pensamento da padroeira das missões: “Ó Jesus, meu Amor! Encontrei finalmente a minha vocação: a minha vocação é o Amor… Sim, encontrei o meu lugar na Igreja, e esse lugar, ó meu Deus, fostes Vós que mo destes… No coração da Igreja, minha Mãe, eu serei o Amor… Assim serei tudo! Assim o meu sonho será realizado!”. 3

_______

1 História de uma Alma, B, 3r.

2 Idem.

3 Ibidem. B, 3v.

*Padre da Arquidiocese de Fortaleza, escritor, membro da Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza, da Academia de Letras dos Municípios do Estado Ceará (ALMECE) e Vice-Presidente da Previdência Sacerdotal – Pároco de Santo Afonso – geovanesaraiva@gmail.com

Autor dos livros:

“O peregrino da Paz” e “Nascido Para as Coisas Maiores” (centenário de Dom Helder Câmara);

“A Ternura de um Pastor” – 2ª Edição (homenagem ao Cardeal Lorscheider);

“A Esperança Tem Nome” (espiritualidade e compromisso);

“Dom Helder: sonhos e utopias” (o pastor dos empobrecidos);

“25 Anos sobre Águas Sagradas (coletânea de artigos e fotos).

Compartilhe

Subir

1 Comentário »

1 Comentário »

  • Teresinha Mateus disse:

    Amei o texto…também sou devotíssima de Santa Teresinha e vivo incentivando os jovens a serem seus devotos.Ela é simplesmente encantadora e quem acreditar ela só falta aparecer em pessoa.Tenho histórias lindíssimas onde a cada dia ela me inspira e me leva as lágrimas de emoção quando responde, minhas orações e pedidos.Igual não existe chamo-a de minha advogada juntamente com São Francisco.Deles eu tiro como exemplos:humildade,fé, simplicidade,perdão, oração e pequenos sacrifícios.Cada dia procuro me aperfeiçoar como discípula(se é que posso usar esse termo, se sou digna)só sei que CRISTO é tudo que temos de melhor e segui-lo é nossa principal meta!


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Nota de repúdio dos bispos do Regional CNBB NE1-Ceará diante do escárnio público contra os símbolos sagrados

Em 2017, o Dia Mundial dos Pobres dia será celebrado em 19 de novembro.

Coleta da Campanha Missionária acontece neste final de semana no Brasil e no mundo

Reunião do Conselho Episcopal Regional (CONSER) Regional Nordeste 1 da CNBB – Ceará

Padre Antônio Niemiec é o novo secretário nacional da Pontifícia União Missionária


QR Code Business Card