Atualidades

Rumo a uma nova sociedade

“A questão central é a distribuição dos benefícios em todos os níveis da vida que essa sociedade pode produzir “

Já faz meses, e se vai intensificando cada vez mais, que um grande mutirão de debates percorre o País. Trata-se da 5ª Semana Social brasileira promovida pela Comissão Episcopal Pastoral para o serviço da Caridade, da Justiça e da Paz da CNBB. O objetivo é provocar uma reflexão crítica sobre a história que vivemos na perspectiva de abrir horizontes para a construção de uma sociedade que possa superar as diferentes formas de dominação e opressão sobre a maioria da população. Por isso é questão muito importante aqui não se restringir à análise crítica das situações negadoras do humano, mas tematizar o horizonte que exige um reordenamento institucional em nossas sociedades na direção de pôr o ser humano e a natureza em que somos inseridos como referências normativas de nosso engajamento no mundo.

Isso de certo modo se contrapõe ao que se faz normalmente entre nós, pois o costume é não ter projeto explícito e a ação política muito frequentemente se limita ao curto prazo, voltada basicamente à efetivação dos interesses de grupos detentores do poder econômico.

O horizonte normativo que move esses debates se exprime enquanto projeto de uma sociedade em que todos os direitos sejam reconhecidos, promovidos e garantidos para todas as pessoas. Vivemos num mundo em que as diferentes revoluções tecnológicas dos últimos séculos abriram enormes oportunidades potenciais para a vida humana, mas também geraram grandes desigualdades na riqueza e assimetrias espantosas no poder e nas diversas oportunidades políticas, econômicas e sociais.

A questão central aqui é a da distribuição dos benefícios em todos os níveis da vida que essa sociedade pode produzir. A sociedade que construimos está muito mais preocupada em expandir o mercado com o fascínio de lucros fabulosos do que, por exemplo, em garantir educação de qualidade, em fomentar e promover mecanismos econômicos, políticos e sociais que sejam condições para que os direitos possam atingir a todos.

O grande objetivo da discussão é responder à questão premente de como fazer uso do gigantesco poderio tecnológico para atender de forma adequada os interesses em primeiro lugar dos sem direitos e desfavorecidos da sociedade o que certamente não é possível sem um reordenamento profundo das instituições que regem a vida social.

O grande economista A. Sen insiste nesse tipo de debate que é fundamental examinar de que concepção do ser humano se parte e consequentemente de que concepção do desenvolvimento. Se se parte da concepção de ser humano como uma realidade complexa, uma configuração de diferentes dimensões em que não só necessidades físico-biológicas, mas também valores são fundamentais, então, que deve fazer o desenvolvimento? Criar oportunidades sociais que contribuam diretamente para a expansão das capacidades humanas e da qualidade da vida. Daí sua tese básica: os poderes dos mecanismos de mercado têm que ser suplementados com a criação de oportunidades sociais básicas para a equidade e a justiça social.

Por Manfredo Oliveira, filósofo – manfredo.oliveira@uol.com.br

Artigo publicado em O POVO 19 agosto 2012: http://www.opovo.com.br/app/opovo/opiniao/2012/08/18/noticiasjornalopiniao,2902102/rumo-a-uma-nova-sociedade.shtml

 

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Na celebração do I Dia Mundial dos Pobres Arquidiocese lança a 9ª Festa da Vida

Lutero e sua marca na História

Inauguração da Centro de Evangelização do Shalom Bela Vista

Papa Francisco pede fim de armas nucleares

Presidente da CNBB foi nomeado pelo Papa Francisco como Relator Geral do Sínodo 2018


QR Code Business Card