Atualidades

Que falta de fé providencial

Por Padre Geovane Saraiva*

Sempre ouvimos falar de São Tomé como o apóstolo que duvidou. Suas dúvidas, sua falta de crença e seus questionamentos são constantemente colocados diante de nós, para que o vejamos como aquela pessoa que dava pouco ouvido aquilo que se escutava. Certo tempo depois que Jesus ressuscitado visitou os apóstolos, chegou também Tomé e recebeu a grandiosa notícia da ressurreição.

Mas qual foi a sua atitude? Foi de um homem muito corajoso. Ousa ele duvidar das palavras do seu Mestre e Senhor, aquele que com ele andou e ficou acostumando com seus ensinamentos. Dele vemos uma segurança e uma enorme coragem: duvidar da sua ressurreição, evento maior e mais extraordinário para os cristãos, a vitória sobre a morte.

Ele é para nós o apóstolo da incredulidade, da reparação e da solidariedade. Do homem obstinado na incredulidade, o vemos transformado. E o mesmo acontece com a comunidade reunida na mesma fé dos apóstolos, acolhe o Senhor Ressuscitado, seu dom maior, vida nova e paz duradoura.

Quando Lázaro morreu, os discípulos tiveram dificuldades diante da decisão de Jesus, que desejava retornar a Judéia, onde os judeus tentaram apedrejá-lo. Mas o Mestre está firme e determinado a voltar. Tomé, tendo certa autoridade e liderança sobre os demais, toma a palavra: “Vamos também nós, para morrermos com ele!” (Jo 11, 16).

Tomé, chamado Dídimo, que era um dos doze, não estava com eles quando Jesus veio (Jo 20, 24). Era o único dos discípulos que estava ausente. Ele foi o apóstolo que duvidou de Jesus e ficou conhecido como “o incrédulo”. Mas reparou, sendo o único a chamar Jesus de “Deus” (cf. Jo 20, 28).

O contato físico, vendo tudo com os próprios olhos, não é o elemento mais importante da ressurreição. O mais importante é a nossa fé, aberta ao Espírito de Deus, com seus dons. A fé é fundamental. É como afirmava Santo Tomás de Aquino: “Seja a fé nosso argumento se os sentidos nos faltar”.

A incredulidade de Tomé foi providencial, porque seu gesto de tocar nas feridas de Jesus marcou profundamente e consolidou a nossa fé, afastando qualquer dúvida. As palavras pronunciadas por Tomé: “Meu Senhor e meu Deus”: – que profissão de fé! Que benção maravilhosa! Segundo São Gregório Magno, a falta de fé do homem que precisava ver para crer não foi por acaso: Estava previsto no plano de Deus. Pondo as mãos nas feridas do seu Mestre e Senhor, curou as suas feridas e as da humanidade; curou as incredulidades da humanidade inteira.

No domingo seguinte Jesus aparece novamente no Cenáculo e se volta para Tomé, dizendo: “Põe teu dedo aqui e vê minhas mãos! Estende a tua mão e põe-na no meu lado e não seja incrédulo, mas fiel” (Jo 20, 27). Olhemos para Tomé e aprendamos a dizer ininterruptamente: “Meu Senhor e meu Deus”.

*Pe. Geovane Saraiva, sacerdote da Arquidiocese de Fortaleza, escritor, membro da Academia de Letras dos Municípios do Estado Ceará (ALMECE), e da Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza – pegeovane@paroquiasantoafonso.org.br

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Pedra rejeitada

56ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil

POM celebra 40 anos lançando vídeo institucional

Secretaria de Comunicação da Santa Sé fez cobertura total da 56ª Assembleia

No seu onomástico Papa dá sorvete aos mais necessitados


QR Code Business Card