Atualidades

Que falta de fé providencial

Por Padre Geovane Saraiva*

Sempre ouvimos falar de São Tomé como o apóstolo que duvidou. Suas dúvidas, sua falta de crença e seus questionamentos são constantemente colocados diante de nós, para que o vejamos como aquela pessoa que dava pouco ouvido aquilo que se escutava. Certo tempo depois que Jesus ressuscitado visitou os apóstolos, chegou também Tomé e recebeu a grandiosa notícia da ressurreição.

Mas qual foi a sua atitude? Foi de um homem muito corajoso. Ousa ele duvidar das palavras do seu Mestre e Senhor, aquele que com ele andou e ficou acostumando com seus ensinamentos. Dele vemos uma segurança e uma enorme coragem: duvidar da sua ressurreição, evento maior e mais extraordinário para os cristãos, a vitória sobre a morte.

Ele é para nós o apóstolo da incredulidade, da reparação e da solidariedade. Do homem obstinado na incredulidade, o vemos transformado. E o mesmo acontece com a comunidade reunida na mesma fé dos apóstolos, acolhe o Senhor Ressuscitado, seu dom maior, vida nova e paz duradoura.

Quando Lázaro morreu, os discípulos tiveram dificuldades diante da decisão de Jesus, que desejava retornar a Judéia, onde os judeus tentaram apedrejá-lo. Mas o Mestre está firme e determinado a voltar. Tomé, tendo certa autoridade e liderança sobre os demais, toma a palavra: “Vamos também nós, para morrermos com ele!” (Jo 11, 16).

Tomé, chamado Dídimo, que era um dos doze, não estava com eles quando Jesus veio (Jo 20, 24). Era o único dos discípulos que estava ausente. Ele foi o apóstolo que duvidou de Jesus e ficou conhecido como “o incrédulo”. Mas reparou, sendo o único a chamar Jesus de “Deus” (cf. Jo 20, 28).

O contato físico, vendo tudo com os próprios olhos, não é o elemento mais importante da ressurreição. O mais importante é a nossa fé, aberta ao Espírito de Deus, com seus dons. A fé é fundamental. É como afirmava Santo Tomás de Aquino: “Seja a fé nosso argumento se os sentidos nos faltar”.

A incredulidade de Tomé foi providencial, porque seu gesto de tocar nas feridas de Jesus marcou profundamente e consolidou a nossa fé, afastando qualquer dúvida. As palavras pronunciadas por Tomé: “Meu Senhor e meu Deus”: – que profissão de fé! Que benção maravilhosa! Segundo São Gregório Magno, a falta de fé do homem que precisava ver para crer não foi por acaso: Estava previsto no plano de Deus. Pondo as mãos nas feridas do seu Mestre e Senhor, curou as suas feridas e as da humanidade; curou as incredulidades da humanidade inteira.

No domingo seguinte Jesus aparece novamente no Cenáculo e se volta para Tomé, dizendo: “Põe teu dedo aqui e vê minhas mãos! Estende a tua mão e põe-na no meu lado e não seja incrédulo, mas fiel” (Jo 20, 27). Olhemos para Tomé e aprendamos a dizer ininterruptamente: “Meu Senhor e meu Deus”.

*Pe. Geovane Saraiva, sacerdote da Arquidiocese de Fortaleza, escritor, membro da Academia de Letras dos Municípios do Estado Ceará (ALMECE), e da Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza – pegeovane@paroquiasantoafonso.org.br

Compartilhe

Subir

Seja o primeiro a comentar »

Seja o primeiro a comentar »


Deixe seu Comentário

Nome (necessário)

E-mail (não será publicado) (necessário)

Website

Atualidades

Liturgia Diária: Evangelho – Mt 20,1-16a

Liturgia Diária: Evangelho – Lc 8,4-15

Visita Pastoral na Paróquia de Nossa Senhora da Penha, Maranguape

II Romaria Bíblica e encontro sobre contabilidade na Região São Pedro e São Paulo

Palestras sobre o tema Comunicação na Faculdade Católica de Fortaleza


QR Code Business Card